A Narrativa de a Fada Brasiléia como Instrumento Pedagógico nas aulas de História do Brasil nos anos 1940

  • Andréa Giordianna Araujo da Silva
  • Lilian Bárbara Cavalcanti Cardoso
  • Roseane Maria de Amorim

Resumo

O tema deste artigo está ligado à história do ensino de História, com ênfase nas discussões das influências do processo civilizador para a constituição da História como disciplina escolar e suas implicações na formação da identidade nacional, através de uma análise realizada no livro A Fada Brasiléia, de autoria de Maria do Carmo Ulhôa Vieira (1946), direcionado ao ensino primário na década de 1940. Este artigo é parte de um Trabalho de Conclusão de Curso intitulado O Ensino de História e o Processo Civilizador: traços da disciplina de História nos primeiros decênios do Século XX no Ensino Primário (1915- 1946), que tem por objetivo fazer uma análise do ensino de História e seu papel perante a disseminação da identidade nacional, através de um estudo realizado em de três livros de História de circulação nos anos iniciais desse período. Na presente análise, verificamos que a História do Brasil abordada pautava-se na exaltação da natureza e das “nações civilizadas”, mostrando a figura do colonizador como herói que criara a nação brasileira, formando uma história elitista, sem a consideração e participação de sujeitos que contribuíram diretamente para formação da identidade brasileira, incitando uma exclusão das comunidades indígenas e afro-brasileiras. Para tanto, buscamos através de um estudo bibliográfico fundamentar e contextualizar a nossa investigação. Entre as referências utilizadas, destacamos: Bloch (2001), Norbeth Elias (1994); Selva Fonseca (1985), Nívia Fonseca (2006) e Bittencourt (2008 e 2005); Rosa Souza (2008), Funari e Piñón (2011).Palavras-chave: : Ensino de História; A Fada Brasiléia; Identidade Nacional.
Publicado
2014-06-30
Edição
Seção
Dossiê