Tropologia em Hayden White: apontamentos historiográficos

Daniel da Silva Klein

Resumo


O presente texto pretende elaborar uma investigação sobre a tese tropológica de Hayden White na área de teoria da história, discutindo em um primeiro momento seus elementos constitutivos internos, procurando expor suas contradições e afinidades com uma noção de ciência. A seguir é feita uma exposição das leituras que White foi recebendo ao longo do tempo, onde enfoca-se autores de vários matizes historiográficos e as críticas que escreveram sobre sua tese. Por fim elabora-se algumas propostas de superação desse arcabouço teórico, dando atenção aos questionamentos que envolvem arte e pesquisa historiográfica no que diz respeito a produção da verdade em confronto à ideia da história como mero discurso. Objetiva-se, assim, contribuir para os debates que amplificam os campos teóricos e metodológicos da história, trazendo para o centro da discussão um historiador central para as ciências humanas contemporâneas.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ALEKSIÉVITCH, Svetlana. A guerra não tem rosto de mulher. São Paulo:

Companhia das Letras, 2016.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e politica. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1993.

BEZERRA, Paulo. Prefácio: uma obra à prova do tempo. In: BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

CARDOSO, Ciro Flamarion. Crítica de duas questões relativas ao antirrealismo epistemológico contemporâneo. In: Revista Dialógos, n. 02, pp. 47-64, DHI/UEM, Maringá, 1998.

________________________. Epistemologia pós-moderna, texto e conhecimento: a visão de um historiador. In: Revista Diálogos, v. 3, n. 3, pp. 1-28, DHI/UEM, Maringá, 1999.

________________________. Resposta aos comentários. In: Revista Diálogos, v. 3, n. 3, pp. 49-58, DHI, UEM, Maringá, 1999. b.

DOSTOIÉVSKI, Fiodor. Recordações da casa dos mortos. São Paulo: Nova

Alexandria, 2010.

GINZBURG, Carlo. Olhos de madeira: nove reflexões sobre a distância. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

________________. Relações de força: história, retórica, prova. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

________________. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Unicamp, 1992.

LIMA, Henrique Espada. Narrar, pensar o detalhe: à margem de um projeto de Carlo Ginzburg. In: Revista ArtCultura, v. 9, n. 15, pp. 99-111, Uberlândia, jul-dez, 2007.

MUNSLOW, Alun. Desconstruindo a história. Petrópolis: Vozes, 2009.

STAN, Robert. Bakhtin: da teoria literária à cultura de massa. São Paulo: Ática, 1992.

WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: EDUSP, 1994.

______________. Teoria literária e escrita da história. In; Revista Estudos históricos, Rio de Janeiro, vol. 07, n. 13, pp. 21-48, 1991.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 Qualis B-4

    

Resultado de imagem para latinrev