A história da população negra no Brasil e os Direitos Humanos: Uma conversa necessária em tempos de intolerância

Delton Aparecido Felipe

Resumo


Ao compararmos os dados sobre as desigualdades sociais no Brasil, ainda, percebemos uma diferença significativa entre a situação da população negra e a branca. Por acreditarmos que a efetivação dos Direitos Humanos, por meio de políticas de ações afirmativas, pode colaborar para que homens e mulheres negras tenham melhores condições sociais, é que estabelecemos, para este ensaio, o seguinte questionamento: qual o lugar dos direitos humanos na luta da população negra por melhores condições de vida e quais as características dessa luta no tempo presente? No decorrer, do texto discutiremos como se deu a luta da população africana escravizada pelo reconhecimento de sua humanidade em território nacional; demostraremos o percurso histórico feito por esta população em busca de igualdade material e, por fim, apontaremos algumas contribuições do ensino de história e cultura afro-brasileira para a reparação, o reconhecimento e a valorização dos direitos da população negra. Concluímos, assim, que, no Brasil, o conceito de humanidade para a população negra não tem o mesmo distanciamento temporal que o da população branca e o Estado brasileiro colaborou, por meio de diversos dispositivos jurídicos, para o não-reconhecimento da humanidade desses ou a não valorização da mesma. A partir da Constituição de 1988, houve uma inegável inflexão do discurso oficial sobre as relações raciais no Brasil e, apesar dos discursos contrários, nas últimas três décadas foram adotadas inúmeras ações afirmativas, como por exemplo o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana, o que tem colaborado para o maior exercício e gozo dos direitos fundamentais dos cidadãos negros em nosso país. 


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ALBUQUERQUE, Wlamyra R. de; FRAGA FILHO, Walter. Uma história do negro no Brasil. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais; Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006.

BULUS, UadiL ammêgo. Constituição Federal Anotada. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

CARVALHO, Marina Vieira de. Vadiagem e Criminalização: a formação da marginalidade social do Rio de Janeiro de 1888 a 1902. ‘Usos do passado’ – XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ, 2006

CHALHOUB, Sidney. Visões da Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. 12 ed. São Paulo: Ática, 2000.

CONRAD, Robert E. Neither slave nor free: the Emancipados of Brazil, 1818-1868. Hispanic American Historical Review, n.53, p.50-70, 1973

DIAS, Lucimar Rosa. Quantos passos já foram dados? A questão de raça nas leis educacionais – da LDB de 1961 à Lei 10.639, de 2003. In: ROMÃO, J. (Org.). História da educação dos negros e outras histórias. Brasília, DF: MEC; Secad, 2005. p.49-62.

FELIPE, Delton Aparecido. A população negra no projeto de identidade nacional: um olhar para sua história e sua educação. In: Luis Fernando Tosta Barbato. (Org.). Identidade Nacional Brasileira: história e historiografia. 1ed.Jundiaí - São Paulo: Paco Editorial, 2016, v. 1, p. 173-198.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. 3. ed. São Paulo: Ática, 1978, v. 1.

HUNT, Lynn. A Invenção dos Direitos Humanos: uma história. Tradução RosauraEichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2009

LARROSA, Jorge., LARA, Nuria. Perez.Imagens do outro. Rio de Janeiro: Vozes, 1998

LOVEJOY, Paul. A Escravidão na África – Uma História de suas Transformações. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. 3ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

PRUDENTE, Eunice Aparecida de Jesus. Preconceitos Racial e Igualdade Jurídica no Brasil- A Cidadania Negra em Questão. Campinas (SP), Ed. Julex, l 1988

SARLET, Ingo Wolfgang. Curso de direito constitucional. 6.ed.– São Paulo: Saraiva, 2017.

SOUZA, Jessé. Os batalhadores brasileiros – nova classe média ou nova classe trabalhadora?Belo Horizonte: Humanitas, 2010.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. - Rio de. Janeiro: Leya, 2017.

FONTES

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, 2004.

GOMES, Joaquim B. Barbosa. A Recepção do Instituto da Ação Afirmativa pelo Direito Constitucional Brasileiro. Ações Afirmativas e Combate ao Racismo nas Américas/ Sales Augusto dos Santos (Organizador). – Brasília: Ministério da Educação: UNESCO, 2005.

GOMES, Nilma Lino. Panorama de Implementação da Lei nº10.639/2003: Contribuições da Pesquisa Práticas Pedagógicas de Trabalho com Relações Étnico-raciais na Escola. Igualdade Racial no Brasil: Reflexões no Ano Internacional dos Afrodescendentes/ Tatiana Dias Silva, Fernanda Lira Goes, organizadoras, - Brasileia: Ipea, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 Qualis B-4

    

Resultado de imagem para latinrev