HOSPITALIDADE URBANA E LEGISLAÇÃO URBANÍSTICA EM CIDADES TURÍSTICAS: POSSIBILIDADES E LIMITAÇÕES

  • Valéria Ferraz Severini Universidade de São Paulo (EACH-USP)
  • Alexandre Panosso Netto Universidade de São Paulo - EACH
  • Josefa Laize Soares Oliveira Universidade de São Paulo (EACH-USP)
Palavras-chave: Hospitalidade Urbana. Políticas públicas. Espaço Público.

Resumo

A atividade turística é uma prática socioespacial que envolve sujeitos de várias ordens, com expectativas diferentes e que ocupam e disputam o mesmo território, mas não necessariamente de forma equilibrada. Ao poder público cabe, portanto, conciliar esses interesses para que todos se beneficiem, pois a cidade deve proporcionar lazer primeiro para seus moradores e, posteriormente, para os turistas. A ideia de hospitalidade urbana remete à capacidade das cidades turísticas em bem receber, oferecendo um espaço de qualidade para usufruto de seus turistas e moradores. A qualidade desse espaço (público) é marcada pela existência de diversos atributos físicos espaciais que, se presentes nas legislações urbanísticas municipais e devidamente respeitados pela população, podem contribuir com a condição de cidade hospitaleira. Políticas públicas que extrapolem as questões econômicas e incorporem aspectos urbanísticos são fundamentais nesse processo, caso contrário a cidade passar a ter territórios “consumidos” pela prática do turismo. É nesta direção que a hospitalidade urbana e a legislação urbanística convergem. Nesse sentido, este artigo tem como objetivo central investigar como certos parâmetros urbanísticos, inseridos em políticas públicas de desenvolvimento urbano, são capazes de garantir a condição de cidade hospitaleira gerando espaços acolhedores que trazem sensações de bem estar. Toma-se como base os resultados iniciais da pesquisa em andamento que analisa os Planos Diretores das Estâncias Balneárias do Estado de São Paulo. Utiliza-se pesquisa documental e bibliográfica tomando como base os textos, mapas e quadros das referidas leis.

Biografia do Autor

Valéria Ferraz Severini, Universidade de São Paulo (EACH-USP)

Pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Turismo pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP)

Alexandre Panosso Netto, Universidade de São Paulo - EACH
Possui graduação em Filosofia (1994) e graduação em Turismo (1998), ambas pela Universidade Católica Dom Bosco, pós-graduação em História do Brasil pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1999), pós-graduação em Turismo: planejamento, gestão e Marketing pela Universidade Católica de Brasília (2002), mestrado em História pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2001), doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (2005), pós-doutorado em turismo pela Universidad Europea Miguel de Cervantes, em Valladolid, Espanha (BOLSA CNPQ-2011) e Livre-Docência em Teorias do Turismo (2012) pela EACH-USP. Atualmente é professor, com dedicação exclusiva, da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH/USP), na qual atua no curso de graduação em Lazer e Turismo e onde coordena, desde 2014, o Programa de Pós-Graduação em Turismo (Mestrado), além de ter atuado também no Programa de Pós-Graduação em Estudos Culturais (Mestrado) de 2011 a 2016. Desde julho de 2015 é Presidente da Comissão de Pós-Graduação da EACH-USP que congrega onze cursos de pós-graduação stricto sensu. Desde setembro de 2015 é vice presidente-diretor da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo ANPTUR (www.anptur.org.br). É membro fundador da ABRATUR (www.abratur.org) e representante da EACH-USP na fundação do t-Forum (The Tourism Intelligente), sediado em Nápoles, Itália. Tem atuado junto a Instituições de Ensino Superior de turismo de vários países da América Latina, entre eles México, Nicarágua, Costa Rica, El Salvador, Colômbia, Chile e Argentina. Publicou 25 livros como autor, co-autor e/ou organizador e mais de 20 capítulos de livros e 40 artigos científicos. Tem experiência na área de Turismo, com ênfase em Teoria do Turismo, atuando principalmente nos seguintes temas: turismo de experiência, educação em turismo, teorias de turismo, planejamento turístico e epistemologia do turismo.
Josefa Laize Soares Oliveira, Universidade de São Paulo (EACH-USP)

Mestranda em Turismo pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP)

Referências

Allis, T. (2012). Projetos urbanos e turismo em grandes cidades: o caso de São Paulo. São Paulo. Tese de doutorado. FAU/USP.

Caillé, A. (2002). Antropologia do Dom. O terceiro paradigma. Petrópolis: Vozes.

Camargo, L. O. (2004). Hospitalidade. São Paulo: Aleph.

Camargo, L. O. (2003). Os domínios da hospitalidade. In: Dencker, A.; Bueno, M. (orgs.). Hospitalidade: Cenários e Oportunidades. São Paulo: Pioneira Thompson Learning.

Ferraz, V. de S. (2013). Hospitalidade urbana em grandes cidades. São Paulo em foco. Tese de Doutorado. FAU-USP. São Paulo.

Grinover, L. (2016). A cidade a procura da hospitalidade. São Paulo: Aleph (edição digital).

Grinover, L. (2007). A hospitalidade, a cidade e o turismo. São Paulo: Aleph.

Guarujá. (2013). Lei Complementar nº 156/2013. Institui o Plano Diretor do Município de Guarujá e dá outras providências. Guarujá. Poder Executivo.

Ilhabela. (2006). Lei nº 421/2006. Dispõe sobre a Instituição do Plano Diretor Socioambiental do Município de Ilhabela e dá outras providências. Ilhabela. Poder Executivo.

Itanhaém. (2015). Lei Complementar nº 168/2015. Institui o Plano Diretor de Desenvolvimento do Município de Itanhaém – PDDI. Itanhaém. Poder Executivo.

Jacobs, J. (2000). Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes.

Mauss, M. (2003). Sociologia e Antropologia. Volume II. SP.

Monguaguá. (2006). Lei nº 217/2006. Institui o Plano Diretor do Município de Mongaguá. Mongaguá. Poder Executivo.

Paiva, R. (2016). Turismo, produção e consumo do espaço. In: Vargas, H. C. & Paiva, R. (Orgs.). Turismo, arquitetura e cidade. Barueri, SP: Manole, 33 - 53.

Peruíbe. (2007). Lei Complementar nº 100/2007. Institui o Plano Diretor, define Princípios, Objetivos, Estratégias e Instrumentos para a realização de ações de Planejamento Urbano de Peruíbe e dá outras providências. Peruíbe. Poder Executivo.

Pitt-Rivers, J. (1977). The law of hospitality. In: The Fate of shechem or the politics of sex: essays in the anthropology of the Mediterranean. Cambridge: Cambridge University Press, 94-112.

Praia Grande. (2016). Lei Complementar nº 727/2016. Institui o Plano Diretor da Estância Balneária de Praia Grande. Praia Grande. Poder Executivo.

Ribeiro, D. A. (2014). Reflexões sobre o conceito e a ocorrência do processo de gentrification no Parque Histórico do Pelourinho, Salvador – BA. Cad. Metrópole, São Paulo, v. 16, n. 32, 461-486.

Santos. (2018). Lei Complementar nº 1.005/2018. Institui o Plano Diretor de Desenvolvimento e Expansão Urbana do Município de Santos e dá outras providências. Santos. Poder Executivo.

Santos, T. S, & Pereira, R. S. (2018). Governança do Turismo no Campo das Vertentes (MG): garantia de desenvolvimento regional? Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 12(2), 83-111. https://doi.org/10.7784/rbtur.v12i2.1415.

São Vicente. (2018). Lei Complementar nº 917/2018. Institui Plano Diretor de Desenvolvimento e Expansão Urbana do Município de São Vicente. São Vicente. Poder Executivo.

Severini, V. F.; & Panosso Netto, A. (2019). Estratégias de Planejamento Urbano dos Cinco Estados mais hospitaleiros do Brasil. Anais do XVI Seminário ANPTUR. Curitiba.

Severini, V. F.; & Vargas, H. C. (2017). Rediscutindo hospitalidade urbana na Lei de Zoneamento de São Paulo de 2016. Revista Hospitalidade. Vol,14. n. 02., Ago.

Severini, V. F. (2016). Atributos espaciais de hospitalidade urbana. In: Vargas, H. C.; & Paiva, R. (Orgs.). Turismo, arquitetura e cidade. Barueri, SP: Manole, 257-285.

Severini, V. F. (2013). Hospitalidade urbana: ampliando o conceito. Revista Iberoamericana de Turismo - RITUR, Penedo, v. 3, n.2, 84-99.

Ugá, V. D. (2008). A questão social como “pobreza”: crítica à conceituação neoliberal. Tese (doutorado), Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro - IUPERJ/CIÊNCIA POLÍTICA, Rio de Janeiro.

Yázigi, E. (2001). A alma do lugar. Turismo, planejamento e cotidiano. São Paulo: Contexto.

Publicado
2020-10-18
Seção
ARTIGOS E ENSAIOS