ENTRE ABSTRAÇÕES OU PRÁTICAS: ONDE SE INSERE A TEORIA DO/SOBRE O TURISMO?

  • Luiz Felipe Mendes Oliveira Universidade de São Paulo

Resumo

A complexidade social do fenômeno turístico é refletida na compreensão do mesmo pelos seus agentes e grupos de interesse, inserindo-se entre divergências e convergências no âmbito social, acadêmico e mercadológico. Dada a urgência por uma construção científica crítica que promova um conhecimento amplo e profundo sobre o turismo, discute-se neste artigo a existência de uma teoria do turismo, partindo do pressuposto que a indagação da problemática traz consigo um caminho para a reflexão sobre o conjunto de tentativas de explicações que se somam as noções de turismo difundidas em diferentes setores da sociedade. Trata-se de uma pesquisa exploratória analítica de revisão bibliográfica. O estudo apresenta um levantamento do estado da arte sobre a teorização do turismo, identificando as principais abordagens e propositivas dos primeiros autores à atualidade. Constata-se que não há uma teoria balizar sobre o fenômeno que tenha se estabilizado como uma teoria geral, chegado ao consenso entre os estudiosos e respondido aos fundamentos epistêmicos da área. Contudo, as discussões feitas vêm contribuindo para o amadurecimento da compreensão científica do turismo.

Biografia do Autor

Luiz Felipe Mendes Oliveira, Universidade de São Paulo
Mestrando em Turismo pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo. Graduado em Gestão de Turismo pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, campus São Paulo (2016).

Referências

Alves, R. (2000). Filosofia da ciência: introdução ao jogo e suas regras. São Paulo, SP: Edições Loyola.

Barretto, M. (2003). Manual de iniciação ao estudo do turismo. 14. ed. Campinas, SP: Papirus.

Beni, M. C. (1998). Análise estrutural do turismo. São Paulo: Senac/SP.

Boni, V.; Quaresma, S. J. (2005). Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica de Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, Vol. 2 nº 1 (3), 68-80. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistacenario/article/download/9898/7245

Bourdieu, P. (2004). Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo, SP: Editora Unesp.

Chamelrs, A. F. (1993). O que é ciência afinal? São Paulo, SP: Ed. Brasiliense.

Gastal, S. (2004). Da pratica à teoria: pensando o turismo. In.: Marutschka, M., Gastal, S. Um outro turismo é possível. São Paulo: Contexto.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo, SP: Atlas.

Jafari, J. (2005). El turismo como disciplina cientifica. Política y Sociedad, Vol. 42 Núm. 1: 39-56.

Jafari, J. (1994). La cientifizacion del turismo. Estudios y Perspectivas en Turismo. Buenos Aires: CIET, v. 3, n. 1, 7-36.

Lohmann, G., Panosso Netto, A. (2012). Teoria do turismo: conceitos, modelos e sistemas. 2. ed.São Paulo, SP: Aleph.

Marconi, M. A., Lakatos, E. M. (2010). Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo, SP: Atlas.

Moesch, M. (2013). O lugar da experiência e da razão na origem do conhecimento do turismo. Cenário, v.1, n.1, 8–28. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistacenario/article/download/9898/7245

Morin, E. (1990). Ciência com consciência. 2. ed. Portugal: Publicações Europa-América.

Nechar, M. C., Panosso Netto, A. (2010). Implicaciones epistemológicas en la construcción del conocimiento del turismo. In: Nechar, M. C., Panosso Netto, A. Epistemología del turismo: estudios Críticos. México: Trillas, p.15-40.

Noguerro, F. T. (2010). El concepto de turismo según la OMT. In: Nechar, M. C., Panosso Netto, A. (2010). Epistemología del turismo: estudios Críticos. México: Trillas.

Oliva, A. (2011). Filosofia da ciência. 3. ed. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editora.

Panosso Neto, A. (2010). Filosofia do turismo: teoria e epistemologia. 2. ed. São Paulo, SP: Aleph.

Panosso Netto, A., Jäger, M. (2015). Robert Glücksmann (1877-1942): founder of Berlin School of Tourism Research. Anatolia, v. 27, 1-10.

Panosso Netto, A., Nechar, M. C. (2014). Epistemologia do turismo: escolas teóricas e proposta crítica. In: Panosso Netto, A., Nechar, M. C. (2016). Turismo: perspectiva crítica: textos reunidos. Assis, SP: Triunfal Gráfica e Editora.

Panosso Netto, A. (2010). O que é turismo. São Paulo, SP: Editora Brasiliense.

Panosso Netto, A., Trigo, L. G. G. (2009). Cenários do turismo brasileiro. São Paulo, SP: Aleph.

Pereira, O. (1992). O que é teoria. 8. ed. São Paulo, SP: Editora Brasiliense.

Pimentel, G. G. A. (2010). Teorias do lazer. Maringá: Eduem.

Rejowski, M. (2015). Teorizações do turismo em direção a novas abordagens: uma discussão preliminar. In Anais... São Paulo: ANPTUR. Recuperado de http://www3.eca.usp.br/sites/default/files/form/biblioteca/acervo/producao-academica/002740347.pdf.

Santos, G. E. O. (2007). Modelos teóricos aplicados al turismo. Centro de Investigaciones y Estudios Turísticos, Argentina: Estudios y Perspectivas en Turismo, vol. 16, núm. 1, marzo, p. 96-108. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=180713890005.

Trigo, L. G.G. (2013). A viagem: caminho e experiência. São Paulo, SP: Aleph.

Veal, A.J. (2011). Metodologia de pesquisa em lazer e turismo. São Paulo: Aleph.

Publicado
2019-04-27