TRABALHAR NO TURISMO: ENTRE AFETOS E (IM)POTÊNCIAS DE AGIR

  • Kerley dos Santos Alves Universidade Federal de Ouro Preto

Resumo

Diante da situação de fragilidades socioprofissionais busca-se discutir sobre o estatuto da relação entre satisfação e afetividade como dispositivo nas possibilidades ou não, de imergir a potência de ação dos trabalhadores do turismo. Numa breve exposição de considerações de Deleuze, Guattari e Espinosa, para pré ordenação de ações individuais e coletivas reais. Pode-se considerar que a reflexão ética acerca das afecções, da satisfação nas condições de trabalho pode promover uma abertura do ser humano às relações em prol da experiência dos encontros favoráveis e de uma busca que não se move por carência e insatisfação, mas por satisfação e plenitude.

Biografia do Autor

Kerley dos Santos Alves, Universidade Federal de Ouro Preto
Pós doutoranda no Centro de Estudos sobre Democracia, Cidadania e Direito do Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra, Portugal. Doutora em Psicologia pela PUC-MG e pela Universitat Autonoma de Barcelona, Espanha. Professora Adjunta do Departamento de Direito, Turismo e Museologia e do Programa de Mestrado em Sustentabilidade Socioeconômica Ambiental da Universidade Federal de Ouro Preto, Brasil.

Referências

ANTUNES, R. (1998). Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do

mundo do trabalho. São Paulo: Cortez.

AQUINO, C. A. B. (2009). Reestruturação da temporalidade laboral a partir do discurso dos trabalhadores do turismo. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, vol. 12, n. 2 , p. 271-283

BARROS, V., NOGUEIRA, M.(2011). Identidade e Trabalho: reflexões a partir de contextos precarizados e excludentes. Educação & Tecnologia, Fev.

DANIELLOU, L. (1989). Ficção e realidade do trabalho operário. Revista Brasileira Saúde Ocupacional; v.17, p. 7-13.

DELEUZE, G. Espinosa e nós. (2002) In: ____________. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, cap. VI, p. 127-135.

DELEUZE,G.(1978) Les cours de Gilles Deleuze. Spinoza. Disponível em: Acesso em: 25 set. 2016.

FERREIRA, M. C.; MENDES, A. M.(2003). Trabalho e risco de adoecimento: o caso dos auditores fiscais da previdência social brasileira. Brasília: Ler, Pensar, Agir.

HAESBAERT, R. (2006). Território e Desterritorialização em Deleuze e Guattari. O mito da desterritorialização. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p. 99-141.

HARRIS, R. B. (1989). Reviewing nursing stress according to a proposed coping-adaption framework. ANS: Advances in Nursing Science; v.11, p. 12-28.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. (2013). Políticas sociais: acompanhamento e análise, v. 1, Brasília: Ipea.

______________________. (2007). Sistema de informações sobre o mercado de trabalho no setor turismo no Brasil - estimativas anuais da mão-de-obra informal ocupada em atividades características do turismo, tendo por base os resultados da pesquisa nacional por amostra de domicílios - PNAD Brasília: IPEA, abril. Disponível em <http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=2971 &Itemid=33>. Acesso em: 02 nov. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO. (2014). http://www.embratur.gov.br/piembratur/opencms/salaImprensa/noticias/arquivos/Brasil_e_o_6_no_mundo_em_economia_do_Turismo.html Acesso em: 09 abril 2016.

LOCKE, E. A. (1969). What is job satisfaction? Organizational Behavior and Human Performance. 1969; v.4, 1969, p. 309-336.

_______________. (1976). The nature and causes of job satisfaction. In: M. D. Dunnette (Ed.). Handbook of industrial and organizational psychology. Chicago: Rand McNally; p. 1297-134.

LAZZARATO, M.; NEGRI, A. (2001). Trabalho imaterial: formas de vida e produção de subjetividade. Rio de Janeiro: DP&A.

LOMBA, G. K. A atividade turística e o mundo do trabalho. (2005). Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina. São Paulo.

MARTINEZ, Maria Carmen. (2003). Satisfação e saúde no trabalho: aspectos conceituais e metodológicos. Psicologia do trabalho, vol.6, p. 59-78.

MATOS, F. G. (1997). Fator QF: Ciclo de felicidade no trabalho. São Paulo: Makron Books.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. (2011). Manual para a Redução da Pobreza por meio do Turismo. Genebra.

PEREIRA JÚNIOR, J. S. (2010). Mercado de trabalho e turismo: emprego, renda e desenvolvimento socioeconômico no Ceará. Fortaleza, 2010

SILVA JUNIOR, N. A. (2001). Satisfação no trabalho: um estudo entre os funcionários dos hotéis de João Pessoa. Psico USF, Itatiba , v. 6, n. 1, jun.

URRY, J. (2001). O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. Studio Nobel/Sesc: São Paulo.

WRIGHT, T. A.CROPANZANO, R. (2000). Psychological well-being and job satisfaction as predictors of job performance. Journal of Occupational Health Psychology, 5 (1), 84-94.

ZALEWSKA, A. M. (1999). Achievement and social relations values as conditions of the importance of work aspects and job satisfaction. International Journal of Occupational Safety and Ergonomics, v.5. p.395-416.

Publicado
2019-04-27
Seção
ARTIGOS E ENSAIOS