QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE TURISMO E AS NOVAS PERSPECTIVAS DO PLANO NACIONAL DE TURISMO 2018 – 2022

  • Celso Maciel de Meira Universidade do Estado de Mato Grosso, UNEMAT
  • Elizabete Sayuri Kushano UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR
  • Christopher Smith Bignardi Neves Universidade Federal do Paraná

Resumo

Por meio das técnicas de pesquisa documental, de corte longitudinal, este estudo faz uma análise do tema ‘qualificação profissional’ de nível técnico ao turismo no Brasil. Nesse sentido, se estabeleceu como objetivos: contextualizar, de forma temporal, as principais ações referentes à qualificação profissional técnica a partir da análise das políticas públicas de turismo, além de descrever o documento Plano Nacional de Turismo (PNT) 2018-2022 – Mais Emprego e Renda para o Brasil, analisando o exposto na Linha de Atuação: Formalização e Qualificação no Turismo, no que tange à Iniciativa: Intensificar a Qualificação no Turismo. Em suma, os resultados apurados revelaram que, historicamente, as políticas para qualificação profissional no turismo se desenvolveram paulatinamente, e de forma mais expressiva no final do século XX. Especificamente, nos anos 1990, se observam ações para tais políticas públicas, que resultaram na elaboração de instrumentos legais para formação de nível técnico para o turismo. Todavia, se verifica a incidência de cursos com cargas horárias reduzidas, cursos ofertados de forma aligeirada e desapartados da educação regular de ensino médio.  Em relação ao PNT 2018-2022, se observou a continuidade de ações e programas herdados de governos anteriores, particularmente, a partir de 2003, com a criação do Ministério do Turismo e a edição do PNT 2003-2007, quando se criou novos programas de qualificação. Ademais, no PNT vigente, foram observados alguns avanços, notadamente quanto à difusão de cursos técnicos específicos no tocante à operacionalização das atividades turísticas, todavia do ponto de vista prático carecem de futuras análises relativas à sua exequibilidade. 

Biografia do Autor

Celso Maciel de Meira, Universidade do Estado de Mato Grosso, UNEMAT
Mestre em Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2013). Pós-graduado, em nível de especialização, em Docência no Ensino Superior pelo Centro Universitário de Maringá (2008). Graduado em Turismo pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2006), Licenciado em Turismo pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2010) e Técnico em Guia de Turismo pela Faculdade Nobel (2005). Experiências profissionais em agenciamento e operacionalização de viagens turísticas, e como consultor no setor de serviços hoteleiros. Experiências como professor na educação profissional e no ensino superior, com atuação em cursos técnicos, eixo tecnológico de turismo hospitalidade e lazer, e de graduação em turismo. Pesquisa, ensina, escreve e publica, principalmente, nos seguintes temas: turismo e educação, turismo e tecnologia, guias de turismo, agências de viagens e turismo e gestão em meios de hospedagem.
Elizabete Sayuri Kushano, UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR
Bacharelado em Turismo com ênfase em Planejamento Turístico (UFPR), Pós-graduação em Comunicação e Turismo (cátedra UNESCO UMESP), Especialização em Turismo e Meio Ambiente (UNESPAR), Mestrado em Cultura & Turismo (UESC) e Doutorado em Geografia (UFPR). Atua na docência em Turismo, com enfoque nas áreas de: tendências contemporâneas, epistemologia e hospitalidade.Tem experiência em consultoria, tendo realizado planos de desenvolvimento turístico para localidades, bem como projetos e certificações de qualidade para o setor de meios de hospedagem. Pesquisa, dentre outros assuntos, a interface da Infância e Turismo; o comportamento do consumidor turista, a gestão da hospitalidade e as tendências do setor turístico. Atualmente é Professora Adjunta II do Curso de Tecnologia em Gestão do Turismo da Universidade Federal do Paraná, Setor Litoral e do curso de Pós-graduação em Turismo (Mestrado) da UFPR.
Christopher Smith Bignardi Neves, Universidade Federal do Paraná

Mestrando em Turismo pela UFPR e Graduando em Gestão de Turismo na UFPR-Litoral, possui graduação em Pedagogia pela FAFIPAR (2009). Com tripla Especialização, sendo em: Gestão Escolar (ISULPAR, 2010); Questão Social pela Perspectiva Interdisciplinar (UFPR-Litoral, 2011), e, Coordenação Pedagógica (UFPR, 2014). Atualmente é Servidor público na Prefeitura Municipal de Paranaguá,  exercendo a função de Coordenador Pedagógico, desenvolveu atividades na UFPR como Professor Formador e Tutor a Distância nos anos de 2015 e 2016 na Especialização em Gênero e Diversidade na Escola, no ano de 2012 atuou como Professor no IFPR nos cursos de Organizador de Eventos e Monitor de Recreação; Realiza pesquisas principalmente nas seguintes áreas: Educação, Diversidade Sexual e Movimento LGBT. Busca no campo do Turismo compreender as influências de LGBT neste mercado/sistema.

Referências

Brasil. Conselho Nacional de Educação. (2004). Parecer CNE/CEB Nº 39/2004. Aplicação do Decreto n. 5.154/2004 na Educação Profissional Técnica de nível médio e no Ensino Médio. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf_legislacao/rede/legisla_rede_parecer392004.pdf.

Brasil. Ministério da Educação e Cultura. (2000) Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/introduc.pdf.

Brasil. Ministério da Educação. (2007b). Catálogo Nacional de Cursos Técnicos. Brasília. Recuperado em 17 de abril, 2018, de http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/catalogo_tecnicos.pdf.

Brasil. Ministério da Educação. (2012). Catálogo Nacional de Cursos Técnicos – 2ª Ed. Brasília. Recuperado em 18 de maio, 2018, de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=41291-catalogo-nacional-versao2012-pdf-1&category_slug=maio-2016-pdf&Itemid=30192.

Brasil. Ministério da Educação. (2016a). Catálogo Nacional de Cursos Técnicos – 3ª Ed.. Brasília. Recuperado em 18 de maio, 2018, de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=41271-cnct-3-edicao-pdf&category_slug=maio-2016-pdf&Itemid=30192.

Brasil. Ministério da Educação. (2016b). Guia Pronatec de Cursos FIC. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=41261-guia-pronatec-de-cursos-fic-2016-pdf&Itemid=30192.

Brasil. Ministério da Educação. (2016d). Guia Pronatec de Cursos FIC. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://spp.mec.gov.br/public/pdf/guia-cursos-fic.pdf.

Brasil. Ministério da Educação. (2017d). Programa Mediotec. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://portal.mec.gov.br/mediotec.

Brasil. Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo, & Instituto Brasileiro de Turismo. (1996). Brasília. Política Nacional de Turismo: diretrizes e programas 1996-1999.

Brasil. Ministério do Esporte e Turismo. (2001). Agentes de Turismo discutem a criação de um selo de qualidade. Brasília. Recuperado em 17 de abril, 2018, de http://www.esporte.gov.br/index.php/ultimas-noticias/209-ultimas-noticias/43671-agentes-de-turismo-discutem-a-criacao-de-um-selo-de-qualidade.

Brasil. Ministério do Turismo. (2003). Plano Nacional de Turismo 2003/2007. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://www.turismo.gov.br/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_publicacoes/plano_nacional_turismo_2003_2007.pdf.

Brasil. Ministério do Turismo. (2007a). Plano Nacional de Turismo 2007/2010: uma viagem de inclusão. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://www.turismo.gov.br/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_publicacoes/plano_nacional_turismo_2007_2010.pdf.

Brasil. Ministério do Turismo. (2013a). Plano Nacional de Turismo 2013/2016: o turismo fazendo muito mais pelo Brasil. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://www.turismo.gov.br/images/pdf/plano_nacional_2013.pdf.

Brasil. Ministério do Turismo. (2013b). Portaria nº 281, de 11 de Outubro de 2013. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://pronatec.turismo.gov.br/downloads/legislacao/Portaria_n_281_de_11_out_2013_PRONATEC_TURISMO.pdf.

Brasil. Ministério do Turismo. (2016c) Apresentação Pronatec Turismo 2016. Brasília. Recuperado em 17 de abril, 2018, de http://pronatec.turismo.gov.br/images/Apresentacao_Pronatec_Turismo2016.pdf.

Brasil. Ministério do Turismo. (2017a). Portaria nº 46, de 4 de abril de 2017. Institui o Canal Braços Abertos, com o objetivo de promover a elevação da qualidade no atendimento ao turista e aperfeiçoamento profissional, no âmbito da Plataforma de Engajamento e Aprendizagem – PEA, destinadas aos profissionais que atuam na linha de frente do turismo. Brasília. Recuperado em 18 de abril, 2018, de http://www.turismo.gov.br/portaria-n%C2%BA-46-de-4-de-abril-de-2017.html.

Brasil. Ministério do Turismo. (2017b). Perguntas Mais Frequentes – Brasil Braços Abertos. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://www.turismo.gov.br/assuntos/7857-perguntas-mais-frequentes-%E2%80%93-brasil-bra%C3%A7os-abertos.html.

Brasil. Ministério do Turismo. (2017c). Ministério do Turismo lança plataforma de qualificação profissional. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://www.turismo.gov.br/ultimas-noticias/7669-minist%C3%A9rio-do-turismo-lan%C3%A7a-plataforma-de-qualifica%C3%A7%C3%A3o-profissional.html.

Brasil. Ministério do Turismo (2017e). Política nacional de qualificação profissional em turismo. Recuperado em 18 de abril, 2018, de http://www.turismo.gov.br/images/pdf/CONSULTA_PBLICA_PNQ.pdf.

Brasil. Ministério do Turismo. (2018). Plano Nacional do Turismo: 2018/2022: Mais Emprego e Renda para o Brasil. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://www.turismo.gov.br/images/mtur-pnt-web2.pdf.

Caregnato, R. C. A; Mutti, R. (2006). Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, 15(4), 679-684

Carvalho, G. L. (2016) Perspectiva histórico-institucional da política nacional de turismo no Brasil (1934-2014). Mercator, 15(1), 87-99.

Cavalcanti, K., & Hora, A. S. S. de (2002). Política de Turismo no Brasil. Turismo em Análise, 13(2), 54-73.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de Pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Cruz, R. C. A. (2001). Política de turismo e território. São Paulo: Contexto.

Cruz, R. C. A. (1999). Políticas de Turismo e (re)ordenamento de territórios no litoral do Nordeste do Brasil. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Decreto n. 448, de 14 de fevereiro de 1992. (1992). Regulamenta dispositivos da Lei n. 8.181, de 28 de março de 1991, dispõe sobre a Política Nacional de Turismo e dá outras providências. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1992/decreto-448-14-fevereiro-1992-343147-publicacaooriginal-1-pe.html.

Decreto n. 2.208, de 17 de abril de 1997. (1997). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília. Recuperado em 17 de abril, 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d2208.htm.

Decreto n. 5.154, de 23 de julho de 2004. (2004). Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. Recuperado em 18 de maio, 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5154.htm.

Endres, A. V. (2012). As políticas de turismo e os novos arranjos institucionais na Paraíba/Brasil. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 35(2), 57-63.

Lei n. 8.181, de 28 de março de 1991. (1991) Dá nova denominação à Empresa Brasileira de Turismo (Embratur), e dá outras providências. Brasília. Recuperado em 17 de maio, 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8181.htm.

Lei n. 12.513, de 26 de outubro de 2011. (2011). Institui o Programa Nacional de Tecnologia e Emprego (Pronatec). Brasília. Recuperado em 17 de abril, 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12513.htm.

Maranhão, C. H. S. (2017). A trajetória histórica da institucionalização do turismo no Brasil. Revista de Turismo Contemporâneo, 5(2), 238-259.

OMT. Organização Mundial do Turismo. (2018). Annual Report 2017. Recuperado em 12 de março, 2018, de https://www.e-unwto.org/doi/pdf/10.18111/9789284419807.

Publicado
2019-04-27