GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOB A ÓPTICA DOS GESTORES MUNICIPAIS: LIMITES E POSSIBILIDADES NOS MUNICÍPIOS MINEIROS MAIS POPULOSOS

Palavras-chave: Gestor Municipal, Governança Ambiental, Políticas Públicas, Sustentabilidade

Resumo

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) direciona a gestão dos resíduos sólidos urbanos (GRSU), prevendo adoção de práticas adequadas de gestão ambiental, sendo fundamentais no contexto da economia regenerativa. Assim, o objetivo desse trabalho foi analisar a GRSU nos 13 municípios mineiros mais populosos, sob a óptica dos seus gestores. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 18 gestores, e submetidas ao software IRaMuTeQ que gerou uma nuvem de palavras e um dendograma com as categorias: (i) Serviços Convencionais, (ii) Políticas Públicas e (iii) Práticas de Gestão Social, que foram tratadas por meio da análise de conteúdo. Os depoimentos focaram na operacionalização dos serviços de limpeza urbana, na relevância da PNRS como norteadora da GRSU, e na conscientização e participação da população. Conclui-se que as principais dificuldades encontradas foram: falta de informações para a GRSU em sua amplitude; educação ambiental incipiente/inexistente na maioria dos municípios, pouco conhecimento técnico para viabilização da PNRS; más práticas para o correto descarte desses RS; dificuldades políticas, administrativas, financeiras e institucionais, para implementar a gestão socioambiental nos diferentes municípios.

Biografia do Autor

Sabrina Silveira Gonçalves, Universidade Federal de Minas Gerais

Bolsista de Iniciação Científica, graduanda do curso de Engenharia Civil (UFMG).

Fernanda Carla Wasner Vasconcelos, Universidade Federal de Minas Gerais

Bióloga e graduanda em Administração pela PUC Minas. Mestre em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela UFMG. Doutora em Ciências pela UFLA. Residente pós-doutoral em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela UFMG.

Raphael Tobias de Vasconcelos Barros, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Engenharia Civil pela UFMG. Mestrado em Hidráulica e Saneamento pela USP, na Escola de
Engenharia de São Carlos. Doutorado pelo Institut National des Sciences Apliquées (INSA-Lyon), França.
Professor Titular da UFMG.

Referências

Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT. (2004). NBR 10.004. Resíduos sólidos: classificação.

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais - Abrelpe. (2020). Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2020.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bicalho, M. L., & Pereira, J. R. (2018). Participação social e a gestão dos resíduos sólidos urbanos: um estudo de caso de Lavras (MG). Gestão & Regionalidade, 34(100), 183-201. https://doi.org/10.13037/gr.vol34n100.2968

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Casa Civil. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. (1999). Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Casa Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. (2007). Lei n. 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Institui a Política Nacional do Saneamento. Casa Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. (2010). Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Casa Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. (2020). Lei n. 14.026, de 15 de julho de 2020. Atualiza o marco legal do saneamento básico. Casa Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/lei/l14026.htm.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. (2022). Classificação Brasileira de Ocupações. Ministério do Trabalho e Emprego. http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/pesquisas/BuscaPorTituloResultado.jsf

Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2014). Tutorial para uso do software de análise textual IRAMUTEQ. Florianópolis-SC: Universidade Federal de Santa Catarina.

Ferreira, E. M., Barros, R. T. B., & Soviar, J. (2017). Brazilian Waste Management: Belo Horizonte's Case Study of Sustainable Management. Procedia Engineering, 192, 171-176. https://doi.org/10.1016/j.proeng.2017.06.030.

Gobira, A. S., Castilho, R. A. A., & Vasconcelos, F. C. W. (2017). Contribuições da Educação Ambiental na Política Nacional de Resíduos Sólidos. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 34(1), 57-71. https://doi.org/10.14295/remea.v34i1.6567.

Houaiss, A., Villar, M. S., & Franco, F. M. M. (2001). Dicionário Houaiss da língua portuguesa.

Kreling, M. T. (2006). Aterro sanitário da Extrema e resíduos sólidos urbanos domiciliares: Percepção dos Moradores. [Dissertação de mestrado, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul].

Ludwig, C., Perondi, M. A., Marini, M. J., & Silva, C. L. (2021). Desenvolvimento local e sustentável por meio das inciativas de gestão de resíduos sólidos no município de Pato Branco –PR. Revista Brasileira de Planejamento e Desenvolvimento, 10(2), 197-213. https://doi.org/10.3895/rbpd.v10n2.12490.

Minas Gerais. Lei n. 18.031, de 12 de janeiro de 2009. (2009). Dispõe sobre a Política Estadual de Resíduos Sólidos. http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=9272.

Minayo, M. C. D. S., & Sanches, O. (1993). Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, 9(3), 237-248. https://doi.org/10.1590/S0102-311X1993000300002.

Ministério do Desenvolvimento Regional - MDR. Secretaria Nacional de Saneamento – SNS. (2020). Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos–2019.

Nascimento, V. F., Sobral, A. C., Andrade, P. R. D., & Ometto, J. P. H. B. (2015). Evolução e desafios no gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos no Brasil. Revista Ambiente & Água, 10(4), 889-902. https://doi.org/10.4136/ambi-agua.1635.

Oliveira, T. B., & Galvão Júnior, A. C. (2016). Planejamento municipal na gestão dos resíduos sólidos urbanos e na organização da coleta seletiva. Engenharia Sanitária e Ambiental, 21(1), 55-64. https://doi.org/10.1590/S1413-41520201600100155929.

Pereira, M. C. G., & Teixeira, M. A. C. (2011). A inclusão de catadores em programas de coleta seletiva: da agenda local à nacional. Cadernos EBAPE.br, 9(3), 895-913. https://doi.org/10.1590/S1679-39512011000300011.

Silva, C. L. D., Fugii, G. M., & Santoyo, A. H. (2017). Proposta de um modelo de avaliação das ações do poder público municipal perante as políticas de gestão de resíduos sólidos urbanos no Brasil: um estudo aplicado ao município de Curitiba. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 9(2), 276-292. https://doi.org/10.1590/2175-3369.009.002.AO09.

Simão, N. M., Nebra, S. A., & Santana, P. H. M. (2021). A educação para o consumo sustentável como estratégia para redução de resíduos sólidos urbanos. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, 4(1), 1007-1020. https://doi.org/10.34188/bjaerv4n1-082.

Tenório, F. G. (2005). (Re) visitando o conceito de gestão social. Desenvolvimento em questão, 3(5), 101-124. https://doi.org/10.21527/2237-6453.2005.5.101-124.

Publicado
2022-06-27
Seção
Artigos