SEGUNDA NATUREZA EM HEGEL E MARX

Palavras-chave: Hábito e eticidade (Hegel). Reificação e naturalização das relações sociais (Marx). Alienação. Emancipação e liberdade (Hegel, Marx).

Resumo

Para Hegel, o espírito e sua liberdade podem apenas alcançar estabilidade, na medida em que eles formam uma segunda natureza que seja tão firme e estável quanto a primeira natureza. No hábito, as capacidades subjetivas dos indivíduos são objetivadas e assim estabilizadas e automatizadas em uma segunda natureza. O pôr, isto é, o produzir do ser é o segredo da liberdade do espírito, diz Hegel. O precário é que a segunda natureza tem a tendência de negar a liberdade do espírito, porque ela é ainda mais firme e estável que a primeira natureza. Contra esse perigo, o espírito se defende, na medida em que se torna absoluto. A segunda natureza do espírito objetivo é como que uma “pátria precária” dos indivíduos. A interpretação de Marx é diferente. No capitalismo, as relações sociais não caracterizam uma segunda natureza, mas aparecem como uma pseudonatureza, como aparência da natureza. A naturalização ideológica das relações sociais na consciência dos indivíduos é um indício de que essas estão estabelecidas de modo não racional. A segunda natureza, na qual eles poderão encontrar sua pátria, reside em uma sociedade socialista futura.

Biografia do Autor

Agemir Bavaresco, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutor em Filosofia pela Universidade Paris I (Pantheon-Sorbonne) (1997). Pós-Doutorado na Fordham University (2009). Visiting Scholar na University of Pittsburgh (2011 e 2012). Pesquisa pós-doutoral na University of Sydney (2013). Pesquisa e solidariedade na University of Guyana (2014). Pesquisa pós-doutoral na Columbia University (2015). Pesquisa pós-doutoral Kingston University/London (2016 e 2017) no Center for Research in Mondern European Philosopy. Pesquisa interdisciplinar e desenvolvimento de rede de relações internacionais e interinstitucionais na Hebrew University of Jerusalem no Center for German Studies e Departamento de Filosofia (2018). Cooperação e Intercâmbio Internacional China (2019) (Peking University e Beijing Foreign Studies University) e Índia (2019) (Goa University). Cooperação e Intercâmbio Internacional África do Sul (University of Johannesburg, 2020). Possui ainda mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1993), graduação em Filosofia pela Universidade Católica de Pelotas (1978), graduação em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2010) e Bacharel em Direito pela Universidade Católica de Pelotas (2007). Atualmente é professor do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Pesquisa a partir de um viés interdisciplinar nas áreas de Filosofia Moderna, Filosofia Social e Filosofia Política Brasileira. Dedica-se a atualização do tema Contradições da Democracia e Opinião Pública. 

Christian Iber, Freie Universität Berlin / Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Possui doutorado em Filosofia - Instituto de Filosofia da Livre Universidade de Berlim (1986). Atualmente é Professor Doutor do Instituto de Filosofia da Universidade Livre de Berlin, Alemanha. O diploma de doutorado é, ao mesmo tempo, diploma de formatura em três faculdades: Filosofia, Filologia Germânica e Politologia. Atualmente é pesquisador do Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD) na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS / Brasil).

Eduardo Lara, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Possui graduação em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2013), graduação em Filosofia (2016) e mestrado em Filosofia (2016) pela mesma instituição. Atualmente, desenvolve tese de doutorado pela referida instituição.

Referências

ADORNO, Theodor W. Die Idee der Naturgeschichte [Ideia da história natural]. In: Gesammelte Schriften 1: Philosophische Frühschriften. Frankfurt am Main: Suhrkamp 1973.

ADORNO, Theodor W. Negative Dialektik. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1970.

ARISTÓTELES. Física I-II. Prefácio, tradução e comentários Lucas Angioni. Editora Unicamp, 2009.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Trad. Mario Da Gama Kury. Brasília: Editora UnB, 1999.

CHAGAS, Eduardo F. O Pensamento de Marx sobre a Subjetividade. In: Revista Dialectus, n. 2, 2013. Disponível em:

<http://periodicos.ufc.br/dialectus/article/view/5116>. Acesso em: 22 maio 2019.

CICERO. Über die Ziele des menschlichen Handelns/De finibus bonorum et malorum (lat./dt.) [Sobre os objetivos do agir humano]. O. Gigon, L. Straume-Zimmermann (Orgs.). München-Zürich 1988.

HABERMAS, Jürgen. Theorie des kommunikativen Handelns. 3a edição. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1985.

HEGEL, G.W.F. Edição alemã de referência: Theorie Werkausgabe. K. Michel, E. Moldenhauer (Orgs.), Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1969-1971. (= TW)

HEGEL, G.W.F. Filosofia do Direito. Tradução Paulo Meneses et al. São Leopoldo/RS: Ed. UNISINOS, 2010. (= FD)

HEGEL, G.W.F. Ciência da Lógica. Vol. 3. Tradução: Christian Iber e Federico Orsini. Petrópolis: Editora Vozes, 2016-2018.

HEGEL, G.W.F. Enciclopédia das Ciências Filosóficas em Compêndio (1830). Tradução de Paulo Meneses, Vol. I. A Ciência da Lógica. São Paulo: Loyola, 1995.

HEGEL, G.W.F. Enciclopédia das Ciências Filosóficas em Compêndio (1830). Tradução de Paulo Meneses, Vol. III. A Filosofia do Espírito. São Paulo: Loyola, 1995.

HONNETH, Axel. Das Recht der Freiheit. Grundriß einer demokratischen Sittlichkeit. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2011.

IBER, Christian. Elementos da teoria marxiana do capitalismo. Um comentário sobre o livro I de O Capital de Karl Marx. Porto Alegre: Editora Fi, 2013.

IBER, Christian; LARA, Eduardo Garcia; BAVARESCO, Agemir. Teoria da reflexão como alienação em Hegel e Marx. In: Bavaresco, Agemir; Pontel, Evandro; Tauchen, Jair Inácio (Orgs.). De Kant a Hegel. Leituras e atualizações. Porto Alegre: Editora Fi, 2019, 341–364.

KHURANA, Thomas. Das Leben der Freiheit. Form und Wirklichkeit der Autonomie. Berlin: Suhrkamp, 2017.

LANGE, Ernst Michael. “Wertformanalyse, Geldkritik und die Konstitution des Fetischismus bei Marx”. In: Neue Hefte für Philosophie. Cramer, K., Bubner R., Wiehl, R. (Org.). Heft 13. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 1978, 1-44.

LUKÁCS, Georg. Theorie des Romans [Teoria do romance.]. Neuwied: Luchterhand, 1963.

LUKÁCS, Georg. Geschichte und Klassenbewusstsein. Studien über marxistische Dialektik. Neuwied-Berlin 3. Auflage 1967.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. Trad. Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo Editorial, 2015.

MARX, Karl. O capital. Crítica da economia política. Livro I: O processo de produção do capital. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013.

MARX, Karl. Para a Crítica da Economia Política. Trad. José Barata-Moura. Lisboa: Editorial Avante!, 1982.

MENKE, Christoph. Autonomie und Befreiung. Studien zu Hegel. Berlin: Suhrkamp: 2018.

NOVAKOVIC, Andreja. Hegel on Second Nature in Ethical Life. Cambridge University Press, 2017.

PUZIC, Maik. Spiritus sive Consuetudo. Überlegungen zu einer Theorie der zweiten Natur bei Hegel. Würzburg: Königshausen & Neumann 2017.

SCHÄFER, Márcio Egidio. Bürgerliche Gesellschaft und Staat. Zur Rekonstruktion von Marx’ Theorie und Kritik des Staates. München: Königshausen & Neumann, 2018.

SCHILDBACH, Ina. Armut als Unrecht. Zur Aktualität von Hegels Perspektive auf Selbstverwirklichung, Armut und Sozialstaat. Bielefeld: Transcript, 2018.

THEUNISSEN, Michael. Sein und Schein. Die kritische Funktion der Hegelschen Logik. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1978.

Publicado
2020-07-08
Como Citar
Bavaresco, A., Iber, C., & Garcia Lara, E. (2020). SEGUNDA NATUREZA EM HEGEL E MARX. Eleuthería - Revista Do Curso De Filosofia Da UFMS, 5(08), 23 - 45. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/reveleu/article/view/10342
Seção
Artigos