ENTRE REVOLUÇÕES

a questão social em Hannah Arendt

Palavras-chave: Revolução Americana. Revolução Francesa. A questão social. Público. Privado.

Resumo

Em A Questão Social, capítulo do livro Sobre a Revolução, Hannah Arendt analisa as diferenças entre a Revolução Americana (1776) e a Revolução Francesa (1789), apresentando questões sobre as quais ela acreditava terem sido fundamentais para o sucesso de uma e o fracasso de outra. Nesse viés, o objetivo do presente texto é apresentar a questão social e o problema da distinção entre o público e o privado a partir da análise de Arendt sobre a política, pobreza e miséria, para, ao final, expor as críticas a esta análise que inevitavelmente retirou o problema da questão social do âmbito de solução no campo do político, ou seja, da esfera pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sally Barcelos Melo, Universidade de Brasília

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Filosofia, na linha de Filosofia Política, da Universidade de Brasília. Integrante do Grupo de Pesquisa Ética e Filosofia Política do Departamento de Filosofia da Universidade de Brasília (dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3917592769839837). Bacharel em Filosofia pela Universidade de Brasília (2018). Bacharel em Direito pelo Instituto de Educação Superior de Brasília (2013). Licenciatura em Pedagogia pela Universidade de Brasília (2006) com habilitação em Magistério para Início de Escolarização e Orientação Educacional. Interesse em Filosofia Política, Teoria Crítica, Ética e Psicanálise.

Referências

ARENDT, Hannah. On Revolution. New York: Penguin Books, 1990.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução Roberto Raposo. Revisão técnica e apresentação Adriano Correia. 12ª edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2016.

BARCELOS MELO, S. A RELAÇÃO ENTRE LEI E VIOLÊNCIA TORNADA INVISÍVEL: considerações sobre a violência política no debate político contemporâneo. PÓLEMOS – Revista de Estudantes de Filosofia da Universidade de Brasília, [S. l.], v. 9, n. 17, p. 189–198, 2020. DOI: https://doi.org/10.26512/pl.v9i17.28720.

CORREIA, A. Política e pobreza: com Arendt, contra Arendt. Cadernos de Ética e Filosofia Política, [S. l.], v. 1, n. 28, p. 109-121, 2016. DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v1i28p109-121. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/116282>. Acesso em: 03 jan. 2022.

OLIVEIRA CHAIA, Jade. Da ação à condição: o condicionamento humano e a alienação moderna em Hannah Arendt. Eleuthería - Revista do Curso de Filosofia da UFMS, v. 6, n. 11, p. 121 - 149, 14 set. 2021. Disponível em: <https://periodicos.ufms.br/index.php/reveleu/article/view/13637>. Acesso em: 06 jan. 2022.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração de Direitos do homem e do cidadão (1789). Disponível em: <https://www.unicef.org/brazil/declaracao-universal-dos-direitos-humanos>. Acesso em: 15 fev. 2022.

UNITED KINGDOM PARLIAMENT. Bill of Rights (17981). Disponível em: <https://www.law.cornell.edu/constitution/billofrights>. Acesso em: 15 fev. 2022.

Publicado
2022-05-03
Como Citar
Barcelos Melo, S. (2022). ENTRE REVOLUÇÕES. Eleuthería - Revista Do Curso De Filosofia Da UFMS, 7(12), 117 - 127. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/reveleu/article/view/15398
Seção
Artigos