Docência Superior em Matemática: um privilégio masculino?

  • Dione Alves de Almeida Universidade Estadual de Montes Claros
  • Shirley Patrícia Nogueira de Castro e Almeida Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes)

Resumo

Este trabalho apresenta uma pesquisa de Mestrado, ainda em desenvolvimento, em que propomos investigar a inserção, presença, formação e vivências de mulheres docentes em cursos superiores de Matemática, em duas universidades norte mineiras: Universidade Estadual de Montes Claros e Instituto Federal do Norte de Minas Gerais; entre os anos de 1990 a 2010. Além da matriz dialética, sua metodologia ancora-se nos princípios da História Oral utilizando as entrevistas semiestruturadas como principal instrumento de coleta de dados, por meio das quais buscar-se-á apreender dessas professoras, suas memórias, fazeres e saberes. Posteriormente, essas narrativas serão analisadas por meio das teorias de Gênero, bem como com aquelas que as intersecionam à Educação Matemática. Em linhas gerais, este estudo visa dar visibilidade às mulheres professoras – sua formação e atuação – além de contribuir para os estudos de gênero que focam a Matemática como campo de análise.

Biografia do Autor

Dione Alves de Almeida, Universidade Estadual de Montes Claros

Mestrando em Educação pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Brasil. E-mail: dioneaalmeida@gmail.com.

Shirley Patrícia Nogueira de Castro e Almeida, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes)

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais, Professora do Programa de Pós-graduação em Educação - PPGE e do Departamento de Métodos e Técnicas Educacionais na Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Brasil. E-mail: shirley.almeida@unimontes.br.

Referências

Barros, A. P. & Lehfeld, N. A. S. (2000). Fundamentos de Metodologia: um guia para a iniciação científica. São Paulo: Makron Books.

Bourdieu, P. (2002). A dominação masculina; tradução Maria Helena Kuner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

BRASIL. CAPES – (2017) Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Mulheres são maioria na pós-graduação brasileira.

Castro e Almeida, S. P. N. de. (2015). Um lugar, muitas histórias: o processo de formação de professores de Matemática na primeira instituição de ensino superior da região de Montes Claros/norte de Minas Gerais (1960-1990). Tese de Doutorado em Educação. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

Cavalari, M. F. (2007). A Matemática é feminina? Um estudo histórico da presença da mulher em institutos de pesquisa em Matemática do estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista. Retirado em 19 de agosto, 2020, de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/91099.

Louro, G. L. (1994). Uma leitura da história da educação sob a perspectiva do gênero. Proj. História, (11), p. 31 – 46.

Meihy, J. C. S. B. (2005). Manual de história oral. São Paulo: Loyola.

Miguel, Antonio & amp; Miorim, Maria Ângela. A constituição de três campos afins de investigação: História da Matemática, Educação Matemática e História & Educação Matemática. Teoria e Prática da Educação, Maringá, v. 4, n. 8, p. 35-62, 2001.

Perrot, M. (2016). Minha história das mulheres. Tradução: Angela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto.

Vianna, C. P. (2001). O sexo e o gênero da docência. Cadernos Pagu, (17/18), n. 02, p. 81-103.

Publicado
2020-10-26
Como Citar
Alves de Almeida, D., & Almeida, S. P. N. de C. e. (2020). Docência Superior em Matemática: um privilégio masculino?. Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (5), 1-6. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/11160
Seção
Sessões Coordenadas