Educação Inclusiva e Formação de Professores: algumas histórias na Educação Matemática

  • Ivete Maria Baraldi Docente do Departamento de Matemática – Faculdade de Ciências – Unesp – Bauru

Resumo

Neste texto, mesmo que de maneira incipiente, pretendo contribuir com a discussão acerca de uma educação matemática inclusiva, mostrando as percepções dos professores que estão em atuação, por meio de suas narrativas, sobre a inclusão de alunos com deficiências ou necessidades educativas especiais em suas salas de aula. Encarando as narrativas como fontes históricas, é possível captar o movimento, ao longo do tempo, da formação do professor (de Matemática) numa perspectiva inclusiva (ou não), percebendo as alterações e/ou manutenções que ocorrem em relação às políticas públicas ou aos paradigmas educacionais ao longo dos vinte anos a partir da Declaração de Salamanca (1994). Também, juntamente com os outros autores proponentes da mesa redonda Conexões possíveis entre narrativas, formação de professores e histórias da educação matemática, busco explicitar (e ressaltar) a possibilidade do uso de narrativas de professores (de matemática), sejam essas narrativas escritas (memoriais de formação) ou constituídas por meio da oralidade, para a discussão sobre os vínculos entre estes três aspectos.

Referências

BRASIL. Declaração de Salamanca: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. 1994. Disponível em <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf> Acesso em 30 jun. 14.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 2/ 2002, 4 de março de 2002. Diário Oficial da União, Brasília, 2002. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf >. Acesso em: 30 jun. 2014.

BRASIL. Ministério Público Federal. O Acesso de Alunos com Deficiência às Escolas e Classes Comuns da Rede Regular. Pedro Jorge de Melo e Silva (organizadores) / 2ª ed. Brasília: 2004.

BRASIL. Decreto 5.626/2005: Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, 2005. Disponível em: Acesso em: 30 jun. 14

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. 7 jan. 2008. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf>. Acesso em: 30 jun. 14.

BRASIL. Decreto 7.611/2011: Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília, 2011. Disponível em: Acesso em: 30 jun. 14

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação básica: 2012 – resumo técnico. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2013. p. 1-41. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/resumos_tecnicos/resumotecnico censo_educacao_basica_2012.pdf>. Acesso em: 30 jun. 14.

GARNICA, Antonio Vicente Marafioti; SOUZA, Luzia. Aparecida de. Elementos de História e de Educação Matemática. São Paulo: Cultura Acadêmica, Unesp , 2012.

GLAT, R.; NOGUEIRA, M. L.L. Políticas Educacionais e a Formação de Professores para a Educação Inclusiva no Brasil. Integração, Brasília, DF: v. 24, ano 14, p. 22-27, 2002.

KAFROUNI, R.; PAN, M.A.G.S. A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais e os impasses frente à capacitação dos profissionais da educação básica: um estudo de caso. In: InterAÇÃO, Curitiba, 2001, 5, 31-46.

PASSOS, A.M.; PASSOS, M.M.; ARRUDA, S.M. A Educação Matemática Inclusiva no Brasil: uma análise baseada em artigos publicados em revistas de Educação Matemática. In: R.B.E.C.T., vol 6, núm. 2, p. 1-22, mai-ago.2013.

PRADO, G.V.T.; SOLIGO, R. Memorial de Formação: quando as memórias narram a história de formação.... In:_____________. (Orgs) Porque escrever é fazer história: revelações, subversões e superações. Campinas, SP: Editora Alínea, 2007. p. 45-59.

ROMERO, R.A.S.; SOUZA, S.B. Educação Inclusiva: alguns marcos históricos que produziram a educação atual. In: VIII Congresso Nacional de Educação: formação de professores e III Congresso Ibero-Americano sobre Violência nas Escolas (recurso eletrônico), 2008, Curitiba. Anais... Curitiba – PR, 2008. Disponível em <http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2008/anais/pdf/447_408.pdf> Acesso em 30 jun. 14.

ROSA, E.A.C. Professores que ensinam Matemática e a Inclusão Escolar: alguma apreensões. 131f. Relatório de Qualificação (Mestrado em Educação Matemática). Universidade Estadual Paulista, Rio Claro (SP), 2014.

ROSA, F. M. C. da. Professores de Matemática e a Educação Inclusiva: análises de memoriais de formação, 182f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática). Universidade Estadual Paulista, Rio Claro (SP), 2013.

Publicado
2022-01-06
Como Citar
Baraldi, I. M. (2022). Educação Inclusiva e Formação de Professores: algumas histórias na Educação Matemática. Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (2), 125-135. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/15114
Seção
Mesas redondas - submetidas