Cenário da Criação dos Cursos de Formação de Professores Indígenas no Estado de São Paulo: um trabalho em História da Educação Matemática

  • Karina Aparecida da Silva Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Unesp, Bauru
  • Maria Edneia Martins-Salandim Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Unesp, Bauru

Resumo

Neste artigo apresentamos algumas considerações acerca do processo de criação dos primeiros cursos de formação de professores indígenas no estado de São Paulo. Os dois primeiros cursos dessa natureza foram oferecidos pela Faculdade de Educação da USP em parceria com a Secretaria de Educação do Estado (SEE-SP): o Magistério Indígena Novo Tempo (MagIND), oferecido entre 2002 e 2003; e o curso de Formação Intercultural Superior do Professor Indígena (Fispi), oferecido entre 2005 e 2008. Além disso, em 2014, a Universidade Estadual Paulista (Unesp) ganhou o processo de licitação da SEE-SP para o oferecimento de um novo Curso Intercultural Indígena, porém este não chegou a ser implementado. Tais percepções nos foram possíveis, principalmente, a partir de cinco narrativas, constituídas segundo o referencial da História Oral, com representantes da SEE, lideranças indígenas e professores envolvidos nesse processo, que nos ajudaram a compreender quais foram e de quem eram as demandas para a criação desses cursos. Além disso, há nesse artigo um esforço em entender e expressar nosso entendimento sobre a Educação Matemática e a História da Educação Matemática.

Biografia do Autor

Karina Aparecida da Silva, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Unesp, Bauru
Licenciada em Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Unesp, Campus de Ilha Solteira e Mestranda no Programa de Pos-graduação em Educação para a Ciência, na Unesp, Campus de Bauru.
Maria Edneia Martins-Salandim, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Unesp, Bauru
Professora assistente do Departamento de Matemática e do Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, ambos da Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista-UNESP, campus Bauru.

Referências

Fernandes, F. S. (2014). A quinta história: composições da educação matemática como área de pesquisa. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro: Universidade Estadual Paulista – Unesp. Retirado em 15 de agosto, 2018, de: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/123819/000831754.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Ferreira, M. K. L. (2001). A educação escolar indígena: um diagnóstico crítico da situação no Brasil. In Lopes da Silva, A. & Ferreira, M. K. L. (Eds.), Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola (pp. 71-111). São Paulo: Global.

Garnica, A. V. M. (2010). Analisando imagens: um ensaio sobre a criação de fontes narrativas para compreender os Grupos Escolares. Bolema, v. 23, n. 35A, 75-100.

Garnica, A. V. M. (2015). Uma Agenda para a História a Educação Matemática no Brasil? HISTEMAT, v. 1, n. 1, 104-127.

Grupioni, L. D. B. (2006). Contextualizando o campo da formação de professores indígenas no Brasil. In Grupioni, L. D. B. (Eds.), Formação de professores indígenas: repensando trajetórias (pp. 39-68). Brasília: Ministério da Educação.

Miguel, A. & Miorim, M. A. (2004). História na Educação Matemática: propostas e desafios. Belo Horizonte: Autêntica.

Miguel, A. et al. (2004). A educação matemática: breve histórico, ações implementadas e questões sobre sua disciplinarização. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 27, 70-93.

Secretaria da Educação. (1997). Resolução SE nº 4/97. Retirado em 15 de agosto, 2018, de: <http://siau.edunet.sp.gov.br/ItemLise/arquivos/44_97.HTM?Time=17/02/2014%2000:21:0>.

Secretaria da Educação. (1999). Educação indígena em São Paulo: encontro de professores índios e não-índios. São Paulo: SEE, CENP, 1999. 28 p.

Secretaria da Educação. (2000a). Parecer CEE nº 124/00. Retirado em 15 de agosto, 2018, de: <https://iage.fclar.unesp.br/ceesp/cons_simples_listar.php?id_atos=58022&acao=entrar>.

Secretaria da Educação. (2000b). Parecer CEE nº 419/00. Retirado em 15 de agosto, 2018, de: <https://iage.fclar.unesp.br/ceesp/cons_simples_listar.php?id_atos=58335&acao=entrar>.

Secretaria da Educação. (2001). A Escola de cara nova: Educação Indígena. 2. ed. São Paulo: SE/CENP, 2001.

Secretaria da Educação. (2003). Deliberação CEE nº 35/03. Retirado em 15 de agosto, 2018, de: .

Publicado
2019-04-24
Seção
Sessões Coordenadas