Um estudo histórico do saber desenho segundo a legislação em Minas Gerais

  • Eder Quintão Lisboa Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo um estudo histórico do ensino do desenho nas escolas primárias e do ensino normal em Minas Gerais, segundo a legislação, no período de 1918 a 1932. Intencionamos identificar como as concepções dos movimentos da Pedagogia Moderna e ou da Escola Ativa se fizeram presentes em normatizações oficiais. Dessa forma, as questões norteadoras desta pesquisa são: Quais foram as propostas para o ensino de desenho identificado em documentos oficiais entre 1918 a 1932? Em que medida os princípios da Pedagogia Moderna e ou da Escola Ativa se fizeram presentes nesses documentos? Recorremos, inicialmente, a uma revisão preliminar da literatura sobre o assunto, afim de verificarmos como o saber se configurou neste período em um contexto mais geral. A partir das fontes analisadas pudemos observar marcas dos ideários das vagas da Escola Nova e Pedagogia Moderna na legislação mineira do período, além de alterações na forma dada ao saber nos programas de ensino.

Referências

Brasil. Decreto n. 4930, 06 fev. 1918, MG. (1918). Aprova o programa do ensino primário dos grupos escolares e das demais escolas de ensino primário do Estado. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/125158. Acesso em 01 de agosto de 2018.

Brasil. Decreto n. 9450, 18 fev. 1930, MG. (1930). Regulamenta nova estrutura para o ensino das escolas normais mineiras. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/125158. Acesso em 18 de julho de 2018.

Brasil. Decreto n. 10362, 31 maio 1932, MG. (1932). Aprova modificações aos regulamentos baixados com os decretos n° 7970-A, de 15 de outubro de 1927 e 9.450 de 18 de fevereiro de 1930. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/122344. Acesso em 19 de julho de 2018.

Brasil. Decreto n. 6758, 01 jan. 1925, MG. (1925). Aprova os programas do Ensino Primário. Disponível em https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/122339. Acesso em 20 de julho de 2018.

Câmera, A. & Pinto, N. B. (2017). Saberes Geométrico no curso primário: Uma discussão sobre o movimento de seus e conteúdos. Atos de pesquisa em educação (FURB), 12, 324-345.

Caputo, D. R. (2017). O saber desenho no Ensino Primário a partir das Revistas de ensino de Minas Gerais (1925 a 192): sua concepção e as profissionalidades. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora. Retirado em 14 de agosto, 2018, de: http://www.ufjf.br/mestradoedumat/files/2011/05/Dissertação-Débora-Rodrigues

Certteau, M. (2001) Relatos de espaço. In____ A invenção do cotidiano – Artes de Fazer. 8ª ed. Petrópolis: Vozes.

Chervell, A. (1990). História das disciplinas escolares: algumas reflexões - Paulo: Martins Fontes. Tradução de Carlos Eduardo Lima Maxões sobre um campo de pesquisa. Teoria e Educação, Porto Alegre, Panonica, no 2.

Leme da Silva, M. C. (2014). Desenho e geometria na escola primária: um casamento duradouro que termina com separação litigiosa. História da Educação, 18, 61-73.

Leme da Silva, M. C. (2015). Uma trajetória histórica de saberes geométricos no ensino primário brasileiro (1827-1971). HISTEMAT - Revista de História da Educação Matemática, 1, 148-164.

Leon, A. D. & Amaral, G. L. (2010). apontamentos sobre a organização do professorado nas décadas de 1930 e 1940. Revista Brasileira de História da Educação, 23, 169-195.

Valente, W. R. (2016). Les enjeux da pesquisa em história da educação matemática nos anos iniciais escolares. Revista Diálogo Educacional (PUCPR. Impresso),16, 271-299.

Publicado
2019-04-25
Seção
Sessões Coordenadas