SABERES PROFISSIONAIS PARA O ENSINO DE DESENHO: propostas internacionais por Manoel Frazão (1893)

  • Gabriel Luís da Conceição

Resumo

A presente investigação estuda as diferentes propostas internacionais sobre os saberes profissionais para o ensino de desenho postas em circulação no Brasil através do relatório de missão pedagógica do professor Manoel José Pereira Frazão no final do século XIX. Que saberes profissionais para o ensino de desenho nos primeiros anos escolares podem ser caracterizados no relatório oficial do docente? O exame na fonte baseia-se nos estudos de Hofstetter e Schneuwly (2007) e ainda, assume-se com fundamento na mesma teoria, a expertise profissional de Manoel Frazão, de forma a identifica-lo como Expert em Educação de seu tempo e que, assim, participa de modo decisivo na produção de saberes no ensino e na formação de professores. As análises mostram que é colocado em circulação um saber profissional ligado diretamente com os pressupostos do método intuitivo, saberes a ensinar desenho articulados diretamente com a mobilização de saberes para ensinar, caracterizando uma proposta de desenho “d’après nature” e em caráter elementar.

Referências

Araujo, R. M. M. (2010). Benedicta Valladares Ribeiro (1905-1989): Formação e atuação. Tese de Doutorado em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Borer, V. L. (2017). Saberes: uma questão crucial para a institucionalização da formação de professores. In: HOFSTETTER, R.; VALENTE, W. R. (Orgs.). Saberes em (trans) formação: tema central da formação de professores. (pp. 173-199). São Paulo: Livraria da Física.

Bastos, M. H. C. (2000). Ferdinand Buisson no Brasil. Pistas, vestígios e sinais de suas idéias pedagógicas (1870-1900). História da Educação, 4(8), 79-110.

Cardoso, S. (2015). Viajar é ser autor de muitas histórias? Experiências de formação e narrativas educacionais de professores brasileiros em viagem aos Estados Unidos (1929-1935). Tese de Doutorado em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Chamon, C. S. (2005). Maria Guilhermina Loureiro de Andrade: a trajetória profissional de uma educadora. Tese de Doutorado em Educação. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

Chartier, R. (2002). A história cultural – entre práticas e representações. Lisboa: Difel.

D’enfert, R. (2007). Uma nova forma de ensino de desenho na França no início do século XIX: o desenho linear. Tradução Maria Helena Câmara Bastos. História da Educação, 11(22), 31-60.

Fonseca, N. M. L. (2010). Alda Lodi, entre Belo Horizonte e Nova Iorque: um estudo sobre formação e atuação docentes 1912-1932. Dissertação de Mestrado em Educação. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

Gondra, J. G. (2010). Apresentação. Dossiê: Viagens de educadores, circulação e produção de modelos pedagógicos. Revista Brasileira de Educação, 22, 13-16.

Gondra, J. G. (1997). O veículo de circulação da pedagogia oficial da república: a Revista Pedagogica. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 22(188), 374-395.

Gondra, J. G. (1996). A Pedagogia da República: uma leitura do discurso oficial da revista Pedagógica (1890- 1896). São Paulo: FEUSP.

Hofstetter, R.; Schneuwly, B (2017). Saberes: uma questão crucial para a institucionalização da formação de professores. In: Hofstetter, R.; Valente, W. R. (Orgs.). Saberes em (trans) formação: tema central da formação de professores. (pp. 113-172). São Paulo: Livraria da Física.

Matasci, D. (2015). L’école républicaine et l’étranger: Une historie internacionale des réformes scolaires en France 1870-1914. ENS ÉDITIONS.

Mignot, A. C.; Silva, A. L. (2011). Tão longe, tão perto: escrita de si em relatórios de viagens. Educação em Revista, 22(01), 435-458.

Mignot, A. C. V. e Gondra, J. G. (2007). Viagens de educadores e circulação de modelos pedagógicos. In: Mignot, A. C. V. e Gondra, J. G (orgs). Viagens Pedagógicas. (pp. 07-14). São Paulo: Cortez.

Pimenta, J. S. (2008). As duas margens do Atlântico: um projeto de integração entre dois povos na viagem de Cecília Meireles (1934). Tese de Doutorado em Educação. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Pinto, I. A. G. (2011). Um professor em dois mundos: a viagem do professor Luiz Augusto dos Reis à Europa (1891). Tese de Doutorado em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Rabelo, R. S. (2016). Destinos e trajetos: Edward Lee Thorndike e John Dewey na formação matemática do professor primário no Brasil (1920-1960). Tese de Doutorado em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Souza, R. F. (2009). Alicerces da Pátria: História da escola primária no estado de São Paulo (1890-1976). Campinas: Mercado de Letras.

Schueler, A. F. M; Gondra, J. G. (2010). Olhar o outro, ver a si: um professor primário brasileiro no velho mundo (1890-1892). Revista Brasileira de História da Educação, 22(01), 88-114.

Vidal, D. G. (2005). Culturas escolares: estudo sobre práticas de leitura e escrita na escola pública primária (Brasil e França, final do século XIX). Campinas, SP: Autores associados

Vidal, D.; Garcia, I. (2012). Missões ao estrangeiro. A circulação de pessoas e modelos pedagógicos no final dos Oitocentos. In: Lopes, S. C.; Chaves, M. W. (Orgs.). A história da educação em debate: estudos comparados, profissão docente, infância, família e igreja. (pp. 195-213). Rio de Janeiro: FAPERJ.

Valente, W. R. (2016). Sobre a investigação dos saberes profissionais do professor de matemática: algumas reflexões para a pesquisa. Caminhos da Educação Matemática em Revista, 6(1), 88-110.

Publicado
2019-04-30
Seção
Sessões Coordenadas