Análise dos recursos naturais na prática do turismo em Porto Seguro

  • Renata Coppieters Oliveira de Carvalho UNEB
  • Valéria Oliveira Santos UNEB
Palavras-chave: Territorialização. Território. Patrimônio Natural. Turismo.

Resumo

A territorialização é um processo de construção do território promovido pelo domínio do homem, esta afirmação nos direciona compreender Porto Seguro, como marco fundador do Brasil. A partir da colonização de exploração portuguesa é possível identificar uma área que acompanhou diversos ciclos econômicos: exploração de recursos naturais, principalmente madeira, industrialização de celulose e plantio de eucalipto; agricultura e turismo. O objetivo geral da pesquisa é analisar as implicações do processo de territorialização da prática turística nos recursos naturais localizados no distrito-sede de Porto Seguro. Metodologicamente constitui-se em um levantamento descritivo, abordagem quali-quantitativa, fundamentado em estudo bibliográfico, documental e de campo. Tem como instrumentos de coleta de dados a observação sistemática, a partir de quatro formulários do Inventário da Oferta Turística brasileira e registro fotográfico com identificação das coordenadas geográficas. Foram realizadas duas saídas a campo, que se inventariou 19 recursos naturais, sendo que cinco deles tiveram coleta a partir de dados secundários; elaborou-se uma matriz SWOT com os dados obtidos e um quadro com recomendações para planejamento ambiental-turístico do local. Assim, a territorialização se apresenta com turismo massivo e de baixo ordenamento, porém, ainda são possíveis práticas de turismo alternativo como de natureza, de experiência e base comunitária, fazendo-se necessário um planejamento turístico sistêmico, conforme as diretrizes propostas, formação de profissionais responsáveis e projetos turísticos aliados à recuperação de recursos naturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Coppieters Oliveira de Carvalho, UNEB

Doutora em Desenvolvimento e Meio Ambiente – Rede PRODEA (UESC/UFC). Professora do Curso de Turismo da Universidade do Estado da Bahia (UNEB) Campus Eunápolis. E-mail: renatacopi@gmail.com

Valéria Oliveira Santos, UNEB

Graduanda em Turismo pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB) – Campus Eunápolis. E-mail: leria_v@hotmail.com

 

Referências

Albuquerque, F. N. B. (2015). Recurso natural, organização espacial e ordenamento territorial: mineração e degradação de terras na depressão interplanáltica semiárida do Alto Coreaú (CE). Tese (Doutorado em Geografia) Universidade Estadual Paulista, Rio Claro. Recuperado em 9 de setembro, 2020, de http://hdl.handle.net/11449/138522

Araújo, C. C, & Caldas, A. S. (2019). Território, territorialização, territorialidade e a questão agrária: impasses socioespaciais, possibilidades analíticas. Geosul, 34 (70), 358-384. Recuperado em 9 de setembro, 2020, de https://doi.org/10.5007/2177-5230.2019v34n70p358

Araujo, C. P., & Silva, S. B. (2008). As duas Porto Seguros. In: Valença, M. M., & Cavalcante, G. M. (Orgs). Globalização e marginalidade: transformações urbanas (pp. 109-119). EDUFRN.

Balastreri Rodrigues, A. (2006). Turismo e territorialidades plurais– lógicas excludentes ou solidariedade organizacional. In Lemos, A. I. G., Arroyo, M., & Silveira, M. L. América Latina: cidade, campo e turismo (pp. 297-315). San Pablo, Colômbia: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales.

Brasil. (2000). Lei 9.985 de 18 de julho de 2000, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Brasília: MMA/IBAMA. Recuperado em 23 de agosto de 2019, de http://www.mma.gov.br/areas-protegidas/sistema-nacional-de-ucs-snuc

Boullón, R. C. (2002). Planejamento do espaço turístico. Bauru-SP: EDUSP.

Carvalho, R. O. C, Pimenta, F. S, & Schiavetti, A. (2018). Museu Aberto do Descobrimento (MADE) na Bahia, Brasil: geossistema e vulnerabilidade ambiental. Gaia Scientia, 12 (4), 16-32. Recuperado em 9 de setembro, 2020, de https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-1268.2018v12n4.34093

Bahia. Decreto nº 19.529, de 16 de março de 2020 (2020). Regulamenta, no Estado da Bahia, as medidas temporárias para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus. Portal de legislação do estado da Bahia. Salvador, BA: Palácio do Governo do Estado da Bahia. Recuperado em 30 de junho, 2020, de http://www.legislabahia.ba.gov.br/index.php/

Câmara Municipal de Porto Seguro (1994). Lei n° 187, de 16 de dezembro de 1994. Porto Seguro: [s.n.], 1994. Recuperado em 13 de outubro, 2021, de https://bityli.com/cF218Z

Câmara Municipal de Porto Seguro (2005). Lei n° 619, de 30 de dezembro de 2005. Porto Seguro: [s.n.], 2005. Recuperado em 13 de outubro, 2021, de https://bityli.com/a1bXo8

Câmara Municipal de Porto Seguro (2010). Lei n° 879, de 30 de abril de 2010. Porto Seguro: [s.n.], 2010. Recuperado em 13 de outubro, 2021, de https://bityli.com/9LQVIh

Câmara Municipal de Porto Seguro (2015). Lei n° 1279, de 1° de dezembro de 2015. Porto Seguro: [s.n.], 2015. Recuperado em 13 de outubro, 2021, de https://bityli.com/iTGVpT

Câmara Municipal de Porto Seguro (2019a). Lei n° 1507 de 17 de julho de 2019. Porto Seguro: [s.n.], 2019. Recuperado em 13 de outubro, 2021, de https://bityli.com/k5XBNb

Câmara Municipal de Porto Seguro (2019b). Lei n° 1533, de 06 de novembro de 2019. Porto Seguro: [s.n.], 2019. Recuperado em 13 de outubro, 2021, de https://bityli.com/vBIUGw

Dantas, M. E, Medina, A. I. M., & Shinzato, E. (2002). Geomorfologia da Costa do Descobrimento - Extremo Sul da Bahia: municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália. Augustus, 7(14), 1-11. Recuperado em 10 de setembro, 2019, de http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/530?show=full

Ensslin, L., & Vianna, W. B. (2008). O design na pesquisa quali-quantitativa em engenharia de produção: Questões epistemológicas. Revista Produção Online, 8(1). Recuperado em 28 de agosto, 2020, de https://doi.org/10.14488/1676-1901.v8i1.28

Falcão, L. A. C. (2016). Dicionário de Turismo – Termos Técnicos do meio Turístico: Conceitos, definições, siglas e tipologias. Futurismologo. Recuperado em 6 de agosto, 2020, de https://bityli.com/BsT0Vx

Fuini, L. L. (2013). Os arranjos produtivos locais (APLs): uma breve explanação sobre o tema. GeoTextos, 9(2), 57-83. Recuperado em 9 de agosto, 2020, de http://dx.doi.org/10.9771/1984-5537geo.v9i2.6985

Fundação Getúlio Vargas – FGV (2020). Impactos Econômicos da Covid-19. Propostas para o Turismo. Recuperado em 9 de novembro de 2020, de https://bityli.com/Kfowa7

Gabrielli, C. P. (2017). Turismo responsável: caminhos possíveis? Revista de Turismo Contemporâneo, 5(1), 81-97. Recuperado em 4 de setembro, 2020, de https://periodicos.ufrn.br/turismocontemporaneo/article/view/7738

Gomes, C. S. C. D (2019). Potencial turístico de destinos: proposição de um modelo de avaliação com base nos Recursos Endógenos. Tese (Doutorado em Turismo) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. Recuperado em 3 de agosto, 2020, de https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/28373

Haesbaert, R. (2004). O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade (3.ed.). Bertrand Brasil.

Humphrey, A. [1960?](2005). SWOT Analysis for Management Consulting. United States: SRI Alumni Newsletter.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2019). Porto Seguro. IBGE. Recuperado em 9 setembro, 2020, de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/porto-seguro/panorama

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (2007). Inventário Nacional de Bens Sítios Urbanos Tombados: Manual de Preenchimentos. Edições do Senado Federal, 82. Recuperado em 9 setembro, 2020, de http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/528946

Leão, Z. M., Kikuchi, R. K. P., Ferreira, B. P., Neves, E. G., Sovierzoski, H. H., Oliveira, M. D. M., Maida, M., Correia, M. D., & Johnsson, R. (2016). Brazilian coral reefs in a period of global change: A synthesis. Brazilian Journal of Oceanography, 64(2), 97-115. Recuperado em 9 de agosto, 2020, de https://doi.org/10.1590/S1679-875920160916064sp2

Martins, C. G (2019). O cenário turístico no Porto e Norte de Portugal: fatores de atração do turismo. Dissertação (Mestrado em Economia) Universidade do Minho. Recuperado em 14 junho, 2020, de http://hdl.handle.net/1822/60998

Ministério do Turismo (2010a). Ecoturismo: orientações básicas (2.ed). Recuperado em 14 junho, 2020, de https://bityli.com/PaY79s

Ministério do Turismo (2011). Inventário da Oferta Turística. Recuperado em 14 outubro, 2019, de https://bityli.com/J3cCyj

Ministério do Turismo (2019). Mapa do Turismo Brasileiro 2019. Recuperado em 20 setembro, 2019, de http://www.regionalizacao.turismo.gov.br/images/conteudo/LIVRO_Mapa.pdf

Moraes, C. S. B (2006). Planejamento e gestão ambiental: uma proposta metodológica. [Tese de, Universidade de São Paulo]. Biblioteca Digital USP. Recuperado em 10 junho, 2020, de https://bityli.com/1MBNAV

Navarro, D. (2015). Recursos turísticos y atractivos turísticos: conceptualización, clasificación y valoración. Cuadernos de Turismo, (35), 335-357. Recuperado em 6 junho, 2020, de https://doi.org/10.6018/turismo.35.221641

Nigro, G. T., & Denkewicz, P. (2017). Potencialidades turísticas de Prudentópolis, PR: uma abordagem a partir do turismo rural de base comunitária nas comunidades faxinais [Artigos Completos]. III Seminário dos cursos de ciências Sociais aplicadas do campus de Campo Mourão da Universidade Estadual do Paraná, Campo Mourão, PR, Brasil. Recuperado em 9 agosto, 2020, de http://anais.unespar.edu.br/iii_secisa/index.php?id=turismo

Pereira, A. S. (2017). Porto Seguro-BA: O cotidiano do trabalhador e a espacialidade da cidade-mercadoria [Tese, Universidade de São Paulo]. Biblioteca Digital USP. Recuperado em 8 agosto, 2020, de https://bityli.com/PeUNGr

Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Porto Seguro; Conservação Internacional; Grupo Ambientalista da Bahia; Movimento de Defesa de Porto Seguro (2014). Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata atlântica de Porto Seguro (2 ed). Porto Seguro: Autores. Recuperado em 7 agosto, 2020, de http://www.gamba.org.br/biblioteca

Rocha, M. A., & Salvi, R. F. (2011). As diferentes tipologias envolvendo as saídas a campo na área de ensino de ciências. Trabalhos Completos do Encontro Nacional de Pesquisa, Campinas, SP, Brasil, VIII. Recuperado em 9 novembro, 2020, de http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/viiienpec/index.htm

Santana, E. S. (2016). Sugestão de pesquisa em torno das ações insustentáveis e déficits socioambientais no turismo de Porto Seguro–Bahia. Revista Letrando, 4, 170-180. Recuperado em 5 de agosto, 2020, de http://revistaletrando.com.br/volume4/

Santana, S. C. (2014). Barracas de praia em Porto Seguro Bahia: Planejamento, organização e turismo. Universidade do Estado da Bahia.

Santos, M. (1998). O retorno do território. In Santos, M. Souza, M. A. A., & Silveira, M. L. Território: globalização e fragmentação (4° ed., pp.15-20). São Paulo: HUCITEC.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (2016). Relatório de Inteligência: Certificações verdes. Cidade, Centro SEBRAE de Sustentabilidade. Recuperado em 17 de agosto, 2020, de https://bityli.com/Bus1gP

Silva, C. H. C. O. (2012). Turismo e a Produção do Espaço: Perfil Geográfico de uma Prática Socioespacial. Geografia Ensino & Pesquisa, 16(2), 47-61. Recuperado em 24 de agosto, 2020, de https://doi.org/10.5902/223649947334

Silva, I. R (2004). Praias da Costa do Descobrimento: uma contribuição para a gestão ambiental. [Tese, Universidade Federal da Bahia]. Repositório Institucional UFBA. Recuperado em 24 de janeiro, 2020, de http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/23365

Sposito, E. S. (2004). Geografia e Filosofia: contribuição para o ensino do pensamento geográfico. São Paulo, Editora UNESP.

Teixeira, J. F., & Dias, L. O. (2011). Análise dos Processos de Certificação do Turismo Sustentável em Goiás [Anais da apresentação no seminário]. XIX Seminário de Iniciação Científica da UFG, Goiânia, GO, Brasil. Recuperado em 27 de agosto, 2020, de https://projetos.extras.ufg.br/conpeex/2011/pibic.html

Venturi, L. A. B. (2006). Recurso natural: a construção de um conceito. GEOUSP Espaço e Tempo, 10(1), 9-17. Recuperado em 30 de agosto, 2020, de https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2006.74004

Wallingre, N., & Toyos, M. (2010). Diccionario de Turismo, Hotelería y Transporte [Dicionário de Turismo, Hotelaria e Transporte] (2. ed.). Universidad del Salvador. Recuperado em 29 de agosto, 2020, de http://catedraabiertadeturismo.unq.edu.ar/

Wearing, S., & Neil, J. (2001). Ecoturismo: impactos, potencialidades e possibilidades. Barueri: Manole.

Publicado
2021-11-16
Como Citar
Coppieters Oliveira de Carvalho, R., & Oliveira Santos, V. (2021). Análise dos recursos naturais na prática do turismo em Porto Seguro. Ateliê Do Turismo, 6(1), 78-98. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/adturismo/article/view/12162
Seção
ARTIGOS