Hospitalidade em parques temático: um estudo de caso sobre os serviços de acessibilidade no Hopi Hari

Palavras-chave: Hospitalidade, Serviços, Acessibilidade, Parques Temáticos, Hopi Hari

Resumo

Ligado aos conceitos de lazer e hospitalidade, o propósito dos parques é receber, entreter e acolher seus visitantes, tornando uma atmosfera reconfortante para suas expectativas de ruptura do cotidiano. A acessibilidade neste contexto surge como um movimento de derrubada dos impeditivos, tornando assim equipamentos de lazer, como os parques temáticos, de uso universal. Baseado neste princípio, esta investigação leva em conta a seguinte questão de investigação: de que modo os serviços relacionados a acessibilidade são percebidos no Hopi Hari? E como objetivo geral “Compreender as percepções de visitantes frente aos serviços relacionados a acessibilidade no Hopi Hari”. Este pesquisa de natureza qualitativa e exploratória, incluiu um levantamento bibliográfico em artigos científicos, livros, documentos online e dissertações. Para a pesquisa, foram entrevistadas duas acompanhantes de pessoas com deficiência que visitaram o referido parque recentemente, cujas respostas foram analisadas tendo como base o conteúdo estudado e outros contatos, feitos por escrito, comprofissionais da área de acessibilidade e turismo. Ao final, observou-se que as diferentes deficiências e suas respectivas dificuldades de locomoção, geram distintas percepções sobre a acessibilidade nos serviços do parque. Além do seu uso universal, percebeu-se, pelas óticasadotadas pela pesquisa, que o Hopi Hari é um local acessível e inclusivo, considerando o tratamento pelos funcionários e estrutura local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ananda de Rezende Minsoni, Universidade Anhembi Morumbi

Bacharela em Hotelaria pela Universidade Anhembi Morumbi

Gabriela Alves Carvalho, Universidade Anhembi Morumbi

Bacharela em Hotelaria pela Universidade Anhembi Morumbi.

Rafaela Fernanda de Oliveira Magalhães Borges, Universidade Anhembi Morumbi

Bacharela em Hotelaria pela Universidade Anhembi Morumbi

Scarlett Flagon do Nascimento Gonçalves, Universidade Anhembi Morumbi

Bacharela em Hotelaria pela Universidade Anhembi Morumbi

Alan Aparecido Guizi, Universidade de Aveiro; Universidade Anhembi Morumbi

Doutorando em Turismo pela Universidade de Aveiro / Portugal. Professor dos Cursos de Turismo e Hotelaria na Universidade Anhembi Morumbi

Referências

Alcobia, R. A. (2005). Dimensões Da Hospitalidade Nos Parques Temáticos. Dissertação de Mestrado, Universidade Anhembi Morumbi. Recuperado em 17 mar. 2021, de: encurtador.com.br/bKP59.

Assis, K. C. R., Batista, M. de J., & Galvão, N. de C. S. S. (2017). Acessibilidade para crianças com deficiência em espaços públicos de lazer. Anais do V Congresso Baiano de Educação Inclusiva e III Simpósio Brasileiro de Educação Especial. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana.

Bianchini, M. (2020). Hopi Hari: tudo o que você precisa saber para se divertir muito no parque. Viajali. Recuperado em 13 abr. 2021, de: https://bityli.com/rmvoij

Brasil (1988) Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal. Recuperado de: https://bityli.com/ptOQz. Acesso em: 05 de abril de 2021

Brasil (2000) Presidência da República. Lei número 10.098, de 19 de dezembro de 2000: Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Recuperado de: https://bityli.com/baBNDY Acesso em 20 de março de 2021

Brasil (2009) Presidência da República. Lei número 11.982, de 16 de julho de 2009: Acrescenta parágrafo único ao art. 4º da lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, para determinar a adaptação de parte dos brinquedos e equipamentos dos parques de diversões às necessidades das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida. Brasília, DF: Presidência da República. Recuperado de: https://bityli.com/keIOgf Acesso em: 16 de fevereiro de 2021

Brasil (2015) Presidência da República. Lei número 13.146, de 06 de julho de 2015: Institui a lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência (estatuto da pessoa com deficiência). Brasília, DF: Presidência da República. Recuperado de: https://bityli.com/EWMYuq Acesso em 13 de março de 2021

Camargo, L. O. L. (2004). Hospitalidade. São Paulo: ABC do Turismo.

Camargo, L, O. d. L. (2015). Os interstícios da hospitalidade. Revista Hospitalidade, 7(especial), 42-69. Recuperado em 16 fev. 2022.

Camargo, L. O. d. L. (2021). As leis da hospitalidade. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 15(2), 2021. https://doi.org/10.7784/rbtur.v15i2.2112

Campos, S. R. (2008) Os Cinco Sentidos da Hospitalidade. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo. Volume III – Número 1

Capel, C. (2019). 10 Segredos Do Hopi Hari. Carol Capel Portal. Recuperado em 13 abr. 2021, de: encurtador.com.br/yQT49.

Casas, A. L. L. (2007) Marketing de serviços. 5º edição. São Paulo: Atlas.

Castelli, G. (2010) Hospitalidade: A inovação na gestão das organizações prestadoras de serviços. São Paulo: Saraiva.

Desidério, M. (2022). EXCLUSIVO: Hopi Hari tem plano de recuperação aprovado por credores. Exame. Recuperado em 15 fev. 2022, de: https://bityli.com/juIIlB

Gonçalves, P.D.S., Hernandez, S.S.S., Roncoli, R. N. (2018) Recreação e Lazer. Porto Alegre: SAGAH.

Hopi Hari (2022). História. Acessso em: https://hopihari.com.br/o-parque/. Recuperado em 13 de abril de 2021.

Kotler, P.; Keller, K. L (2006) Administração de marketing. 12º edição. São Paulo: Prentice Hall Brasil.

Lashley, C. (2015). Hospitalidade e hospitabilidade. Revista Hospitalidade, 12 (especial), 70–92.

Lashley, C., Lynch, P., & Morrison, A. (2007). Hospitality: A social lens. Oxford: Elsevier.

Lashley, C. (2000). Towards a theoretical understanding. In C. Lashley & A. Morrison (Eds.), In serch of hospitality: Theoretical perspectives and debates (pp. 1–17). Oxford: Butterworth-Heinemann.

Mauss, M. (1974). Antropologia e sociologia. São Paulo: EPU/EDUSP

Pina, L. W. (2017). Os equipamentos de lazer como cenários de experiências e das atividades no tempo livre. Revista Brasileira de Estudos do Lazer, v. 4, n. 1, p. 52-69.

Santos, P. (2012). A deficiência e vários tipos existentes. Pedagogia à Distância UNICID. Recuperado em 29 mar. 2021, de: https://bityli.com/wGLmoG

Santos, R. S., Zoboli, F., Rodrigues, C., & Felisberto, S. B. (2017). Acessibilidade de Cadeirantes em um Equipamento Específico de Lazer. LICERE - Revista Do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar Em Estudos Do Lazer, 20(3), 289–312. https://doi.org/10.35699/1981-3171.2017.1694

Secall, R. E. (2001). Nuevo segmento emergente de turismo: los parques temáticos. Cuadernos de Turismo, 0 (7), 35–54.

Selltiz, C. (1965) Métodos de pesquisa das relações sociais. São Paulo: EdUSP.

Silva, F. F. (2015) Fatores capazes de influenciar o encantamento o encantamento do cliente de turismo de lazer a partir da experiência em parques temáticos. Dissertação de Mestrado em Turismo. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Traldi, A. (2018). VocêSabia? 19 anos do Hopi Hari – 50 fatos curiosos sobre o parque. HapFun. Recuperado em 13 abr. 2021, de: encurtador.com.br/kwPQ1.

Triviños, A. N. S. (1987) Introdução à pesquisa em ciências sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Publicado
2022-06-21
Como Citar
Minsoni, A. de R., Carvalho, G. A., Borges, R. F. de O. M., Gonçalves, S. F. do N., & Guizi, A. A. (2022). Hospitalidade em parques temático: um estudo de caso sobre os serviços de acessibilidade no Hopi Hari. Ateliê Do Turismo, 6(2), 1-21. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/adturismo/article/view/15345
Seção
ARTIGOS