PERFIL E NÍVEL DE SATISFAÇÃO DE TURISTAS DO PROGRAMA TURISMO SOCIAL SESC NO LITORAL PARANAENSE

  • Elizabete Sayuri Kushano Universidade Federal do Paraná – UFPR
  • Celso Maciel Meira Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão
Palavras-chave: Turismo. SESC. Litoral do Paraná.

Resumo

A Organización Internacional del Turismo Social (OITS) conceitua o turismo social como as ações que contribuem a fazer a partida em férias e as atividades turísticas acessíveis ao maior número de pessoas, de forma sustentável e solidária. Comumente, dirigido às camadas sociais que não teriam condições de viajar com seus próprios recursos. Nesse sentido, este trabalho abordou o turismo social no Brasil e apresentou uma pesquisa com turistas do Programa Turismo Social do Serviço Social do Comércio (SESC), no litoral do estado do Paraná (PR), tendo como objetivo identificar o perfil e o nível de satisfação dos usuários do citado programa, no litoral paranaense. Em termos metodológicos, este estudo se trata de uma pesquisa descritiva, cuja abordagem é quantiqualitativa. Os dados foram coletados a partir da aplicação de 100 questionários para turistas procedentes de sete estados brasileiros e do Distrito Federal. Os resultados revelaram que os turistas eram em sua maioria não comerciários e muitos deles já estavam aposentados. Quanto à idade dos turistas, apurou-se que 45% estão na faixa etária entre 61 a 75 anos. Sobre a renda familiar, 75% dos inqueridos possuíam uma renda familiar mensal acima dos R$ 3.000,00, sendo que quase metade destes afirmou possuir uma renda superior a R$ 5.000,00. Em termos de qualidade e de nível de satisfação ao visitar o destino, apurou-se que 73% dos respondentes não conheciam a região e que 44% destes retornariam, apresentando, assim, satisfação quanto ao litoral do Paraná.

Biografia do Autor

Elizabete Sayuri Kushano, Universidade Federal do Paraná – UFPR
Bacharela em Turismo (Universidade Federal do Paraná – UFPR). Doutorado em Geografia (UFPR). Professora do curso de Tecnologia em Gestão de Turismo da UFPR - Setor Litoral.
Celso Maciel Meira, Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão
Bacharel em Turismo (Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE). Mestrado em Tecnologia (Universidade Federal Tecnológica do Paraná – UTFPR). Professor do Eixo Tecnológico de Turismo, Hospitalidade e Lazer do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) - Campus Avançado de Carolina

Referências

Angulo, R. (2000). As Praias do Paraná: problemas decorrentes de uma ocupação inadequada. Revista Paranaense de Desenvolvimento, 99 (1), 97-103.

Bigarella, J. J. (1991). Matinho: Homem e Terra – Reminiscências... Matinhos: Municipal de Matinhos: Associação de Defesa e Educação Ambiental.

Brasil (2007). Plano Nacional de Turismo 2007 - 2010: uma viagem de inclusão. Ministério do Turismo, Brasília, DF.

Brasil (2011). Lei no 8.212, de 24 de julho de 1991, alterada em 31 de agosto de 2011. Recuperado em 16 de abril de 2018, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011- 2014/2011/lei/l12470.htm.

Castro (1999). Narrativas e imagens do Turismo no Rio de Janeiro. In: Velho, G. Antropologia urbana, cultura e sociedade no Brasil e em Portugal, Rio de Janeiro: Zahar, 80-87.

Centro de Estudos do Mar (2018). Localização. Recuperado em 16 de abril, 2018, de http://www.cem.ufpr.br.

Cheibud, B. L. (2012). Apontamentos históricos sobre o Turismo Social. Revista Brasileira de Ecoturismo, 5 (3), 560-581.

Cheibub, B. L. (2014). Notas históricas sobre o turismo social desenvolvido no Brasil e na Europa: ideologias, intenções e características. Revista Digital EFDeportes.com, 18 (189), 1-5.

Falcão, C. H. P. (2009). Turismo Social. In: Barros, J. C. Empreendedorismo, Trabalho e Qualidade de Vida na Terceira Idade. São Paulo: Editora Edicon.

Falcão, C. H. P (2006). Turismo social: em busca de maior inclusão na sociedade. In: Carvalho, C. L. de Barbosa, L. G. Medeiros (orgs.). Discussões e propostas para o turismo no Brasil: Observatório de Inovação de Turismo. Rio de Janeiro: Senac, Departamento

Nacional, pp. 127 - 145.

Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (2009). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da

UFRGS.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2017). Síntese dos Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Recuperado em 30 de maio, 2020, de https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101459.pdf.

Brasil (2018). Glossário legislativo. Recuperado em 24 de maio, 2018,

de https://www12.senado.leg.br/noticias/glossario-legislativo/sistema-s.

Estades, N. P. (2003). O Litoral do Paraná: entre a riqueza natural e a pobreza

social. Desenvolvimento e Meio Ambiente, 8(1), 25-41.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2014). Cidades. Matinhos. Recuperado em 9 de abril, 2018, de http://www.cidades.ibge.gov.br.

Ateliê do Turismo

(ISSN: 2594-8407)

Campo Grande, v. 3, n. 2., p. 1-25, jul-dez 2019.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2015).

IPARDES (Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social). Caderno Estatístico Município de Matinhos. Curitiba, dez. 2012

Lima, A. I; Oliveira, F. B; Galvão I. M. A., & Santos, S. C. C. (2010). O turismo social como veículo para o desenvolvimento, a inclusão social e o lazer no interior de Pernambuco: um estudo de caso do Sesc Triunfo. Observatório de Inovação do Turismo – Revista Acadêmica, V (2), jun.

Likert, R. A (1932). Technique for the measurement of attitudes.Archives of Psychology, 22 (140), 55.

Moreira, H., & Caleffe, L. G. (2006). Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: DP&A.

Prodanov, C. C., & Freitas, E. C (2013). Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale.

Publicações de Turismo (2020). Publicações. Recuperado em 30 de maio de 2020, de http://www.each.usp.br/turismo/publicacoesdeturismo/.

SESC, Serviço Social do Comércio (2018). História. Recuperado em 25 de maio, 2018, de http://www.sesc.com.br/portal/sesc/o_sesc/nossa_historia/.

SESC, Serviço Social do Comércio (2018). Sobre o Turismo Social. Recuperado em 25 de maio, 2018, de http://www.sesc.com.br/portal/lazer/Sobre+o+Turismo+Social/.

SESC Paraná, Serviço Social do Comércio Seccional Paraná. (2018). Sesc Caiobá Centro de Turismo e Lazer. Recuperado em 25 de maio, 2018, de http://www.sescpr.com.br/caioba/.

Soares, M. H. A.; Melo Filho, M. E. S., & Ardigó, C. M. (2017). Análise da Qualidade do Serviço: um estudo entre a percepção do cliente e do guia em roteiros regionais do SESC - Santa Catarina, Brasil. Revista Turismo em Análise, 28 (3), Setembro- Dezembro, 492-512.

Nacional por Amostra de Domicílios Contínua(2015). Recuperado em 30 de

de https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2015/

Pesquisa

maio, 2017,

IBGE Cidades. Matinhos. Recuperado em 12 de junho de 2020, de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/matinhos/panorama

Ateliê do Turismo

(ISSN: 2594-8407)

Campo Grande, v. 3, n. 2., p. 1-25, jul-dez 2019.

OITS, Organización Internacional del Turismo

Social. (2018). Definiciones. Recuperado em 25 de maio, 2018, de http://www.oits- isto.org/oits.

Trigo, L. G. (1998). Turismo básico. 2 ed, São Paulo: SENAC.

Publicado
2020-06-19
Seção
ARTIGOS E ENSAIOS