A PEDAGOGIA PÓS-COLONIALISTA de Paulo Freire

Jose Willington Germano, José Gllauco Smith Avelino de Lima

Resumo


O presente artigo procura identificar o caráter pós-colonial da pedagogia de Paulo Freire. Nessa perspectiva, convém mencionar que a origem dos estudos pós-coloniais apresenta indicações cronológicas e geográficas nem sempre convergentes. Isto nos permite afirmar que seus fundamentos, bem como as reflexões que os desencadeiam são díspares, se fazendo presentes na problematização das ciências humanas em geral, e na das ciências sociais em particular, desde a década de 1960.


Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. (Tradução de Denise Bottmann).

BHABHA, Homi K.. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998. (Tradução de Mirian Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renate Gonçalves).

BORDIN, Luigi. O Marxismo e a Teologia da Libertação. Rio de Janeiro: Dois Pontos, 1987.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. (Tradução de Fernando Tomaz).

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Ciências Sociais, violência epistêmica e o problema da “invenção do outro”. In: LANDER, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales/CLACSO, 2005.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Juiz de Fora/MG: Editora UFJF, 2005. (Tradução de Enilce Albergaria Rocha e Lucy Magalhães).

FERNÁNDEZ, Alicia. A Inteligência Aprisionada: abordagem clínica da criança e sua família. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

FREIRE, Paulo. Cartas a Cristina: reflexões sobre minha vida e minha práxis. 2. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

_____. Cartas à Guiné-Bissau: registros de uma experiência em processo. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

_____. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. 14. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

_____. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

_____. Pedagogia do Oprimido. 49. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GERMANO, J. W. A produção simbólica da inferioridade. In: COELHO, W. N. B. et al (Org.). Cultura e Educação: reflexões para a prática docente. Belém: EDUFPA, 2008.

_____. Globalização contra-hegemônica, solidariedade e emancipação social. Revista Cronos. Natal/RN. v. 8, n. 1, 2007, p. 41-55.

_____.; SILVA, T. C.; COSTA, J. S. G. da. Saberes ausentes: colonialismo e injustiça cognitiva. Revista Inter-Legere. Natal/RN, v. 7, 2010. Disponível em: <> Acesso em 28 set. 2010.

GIROUX, Henry. Cruzando as fronteiras do discurso educacional: novas políticas em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

HALBAWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2004.

LANDER, Edgardo. Ciências Sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In_____. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales/CLACSO, 2005.

LIMA, José Gllauco Smith Avelino de. Paulo Freire e a Pedagogia do Oprimido: afinidades pós-coloniais. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais). Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal/RN, 2011.

MEMMI, Albert. Retrato do colonizado precedido de Retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

MENDONÇA, Nelino Azevedo de. Pedagogia da humanização: a pedagogia humanista de Paulo Freire. São Paulo: Paulus, 2008.

MIGNOLO, Walter. The Darker Side of the Renaissance: literacy, territoriality and colonization. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 1995.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Boaventura e a Educação. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. (Coleção Pensadores e Educação).

PILETTI, Nelson; PRAXEDES, Walter. Sociologia da Educação: do positivismo aos estudos culturais. São Paulo: Ática, 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder, cultura y conocimiento en América Latina. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GUARDIOLA-RIVERA, O.; MILLÁN DE BENEVIDES, C. (eds). Pensar (en) los interstícios: teoria y práctica de la crítica pós-colonial. Bogotá: CEJA, 1999.

_____. “Raza”, “etnia” y “nacion” en Mariátegui: cuestiones abiertas. In: FORGUES, Roland (ed). José Carlos Mariátegui e Europa: la outra cara del descubrimiento. Lima: Amanta, 1992.

SAID, Edward. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. (Tradução de Denise Bottmann).

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. v. 4. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008. (Coleção para um novo senso comum)

_____. Conhecimento prudente para uma vida decente: “um discurso sobre as ciências revisitado”. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

_____. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

_____. Para uma pedagogia do conflito. In: SILVA, Luiz Heron. et. al. Novos mapas culturais, novas perspectivas educacionais. Porto Alegre: Sulina, 1996.

_____. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2007.

SCOTT, Jonh (Org.). Sociologia: conceitos-chave. Rio de Janeiro: Zahar, 2010. (Tradução de Carlos Alberto Medeiros).

SHIVA, Vandana. Monoculturas da Mente: perspectiva da biodiversidade e da biotecnologia. São Paulo: Gaia, 2003. (Tradução de Dinah de Abreu Azevedo).

SILVA, Lenina Lopes Soares. Narrativas do Brasil nas memórias de Pedro Nava. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais). Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal/RN, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. (Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira Feitosa).

SHOR, Ira. Um livro perturbador a respeito da educação. In: GADOTTI, Moacir. Paulo Freire: uma biobibliografia. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire; Brasília/DF: UNESCO, 1996.

STRECK, Danilo Romeu. Da pedagogia do oprimido às pedagogias da exclusão: um breve balanço crítico. Revista Educação & Sociedade. v. 30, n. 107, maio/ago, 2009.

TODOROV, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

WALLERSTEIN, Immanuel Maurice. O fim do mundo como o concebemos: ciência social para o século XXI. Rio de Janeiro: Revan, 2002. (Tradução de Renato Aguiar).

_____. O universalismo europeu: a retórica do poder. São Paulo: Boitempo, 2007. (Tradução de Beatriz Medina).

VASCONCELOS, Maria Lúcia M. C.; BRITO, Helena Pires de. Conceitos de educação em Paulo Freire. 3. ed. Petrópolis/RJ: Vozes; São Paulo: Mack Pesquisa, Fundo Mackenzie de Pesquisa, 2009.

ZITKOSKI, Jaime. Paulo Freire e a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Quantidade de visitas ao site dos CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS:
 
counter free

 

Os CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS estão indexados em:

DiadorimGoogle AcadêmicoSumariosResultado de imagem para capesOASISBR

Somos um periódico da:

UFMS

 

ISSN 1984-7785                                            necccadernos@gmail.com