BABEL-COSMÓPOLIS: um imperativo digital?

  • Renato Cordeiro Gomes PUC-RIO

Resumo

Já é, certamente, lugar-comum dizer que as imagens e os sentidos da cidade, toda e qualquer, modificam-se no tempo e no espaço, ligadas a contextos históri- cos e sociais. Nesse sentido, é que se tem dito que pensar a cidade na cultura contemporânea implica lê-la como parte integrante de um sistema comunicacional (PRYSTHON, 2006; MARTÍN-BARBERO, 2004; RESENDE, 2005), o que significa ir além das materialidades, e considerar as representações que se fazem da cidade. Já se disse, há muito, que as cidades são construídas com pedra e carne, mas também com os signos e as linguagens, de modo que as representações passem a ser integrante de um sistema comunicacional (Prysthon, 2006, p.7).

Biografia do Autor

Renato Cordeiro Gomes, PUC-RIO

Possui graduação em Bacharelado e Licenciatura em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1967), graduação em Bacharelado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1965), mestrado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1985) e doutorado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1993). Atualmente é professor associado da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, consultor ad hoc do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, da FAPERJ e da CAPES. Foi coordenador da área de Linguistica, Letras e Artes, e de Comunicação da FAPERJ (2000 a 2005); e membro do Comitê Assessor de Letras e Linguistica do CNPq (2006 a 2009). Atua na área de Letras, em Literatura Brasileira e Literatura Comparada, e na área de Comunicação. Desenvolve as linhas de pesquisa Representação na Literatura e na Cultura das Mídias, Literatura e Experiência Urbana, e Cultura de Massa e Representações Sociais. Suas pesquisas têm como foco os seguintes temas: Representação da cidade moderna e suas derivas pós-modernas; Rio de Janeiro; João do Rio; identidade cultural; cultura das mídias e literatura brasileira contemporânea.

Referências

ANTELO, R. Maximam, ET nullam. In: BUESCU, H. e CORDEIRO, G (coord.). O grande terramoto de Lisboa: ficar diferente. Lisboa: Gradiva, 2005. p. 189-190.

BAUDRILLARD, J. Power inferno. Tradução de Juremir Machado. Porto Alegre: Sulina, 2003. BAUMAN, Z. O mal-estar da pós-modernidade . Rio de Janeiro: Jorge Zahar,1998.

BENJAMIN, W. Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo . São Paulo: Brasiliense, 1989.

BENJAMIN, W. Passagens. Org. BOLLE, Willi; MATTOS, Olgária.Tradução de Irene Aron, Cleonice Paes Barreto Mourão, Patricia de Freitas Camargo. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2006.

BHABHA, H. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed, UFMG, 1998.

CANCLINI, N. G. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janei- ro: UFRJ, 2006.

CARREIRO, R. Babel . Disponível em: Acesso em: 27 dez. 2007.

COELHO, T. Arte na metrópole. Bravo!, São Paulo ano 5, n. 54, p. 45-48, mar. 2002. COQUELIN, A. Essais de philosophie urbaine. Paris: PUF, 1982.

DEBORD, G. La societé du spectacle. Paris: Champ Libre, 1971.

DELILLO, D. Cosmópolis. Tradução de Paulo Henriques Brito. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

DERRIDA, J. Torres de Babel. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

GOMES, R. C. Todas as cidades, a cidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

HENRIQUES, A. de S. A perda de um tempo: a obra de Alejandro González Iñárritu. In: . Tempos de acaso: a temporalidade descontínua e a tematização do acaso no cinema contemporâ- neo. 2005. Dissertação (Mestrado em Comunicação)– Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2005. p. 43-68.

KAFKA, F. O emblema da cidade. In: . Parábolas e fragmentos e Cartas a Milena. Tradução de Geir Campos. Rio de Janeiro: Ediouro, 1987.

MARTÍN-BARBERO, J. Ofício do cartógrafo: travessias latino-americanas da comunicação na cultu- ra. São Paulo: Loyola, 2004.

MUMFORD, Lewis. A cidade na história. São Paulo: Martins Fontes, 1982.

PRYSTHON, A. Imagens da cidade: Espaços urbanos na comunicação e cultura contemporâneos. Porto Alegre: Sulina, 2006.

RESENDE, F. Cidade, comunicação e cultura : a diferença como questão. Logos, Rio de Janeiro, v.1, n.22, 2005, p. 118-136.

SCHOLLHAMMER, K. E. As imagens do desastre. In: OLINTO, Heidrum Krieger; . (orgs.).

Literatura e imagem. Rio de Janeiro: Galo Branco, 2005, p. 53-60.

SCHORSKE, C. E. La idea de cuidad em el pensamiento europeo de Volataire a Spengler.Punto de Vista, Buenos Aires, n. 30, jul.-ago. 1987.

SELIGMAN-SILVA, M. 2000. A história como trauma. In NESTROVSKI, A.; .Catástrofe e repre- sentação. São Paulo: Escuta, 2000, p. 73-97.

SEVCENKO, N. Orfeu extático na metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos

São Paulo: companhia das Letras, 1992.

SEVCENKO, Nicolau. O futuro da cidade tal como visto por Kafka do alto da Torre de Babel.

Correio Braziliense, Brasília, 2 set. 1994.

SIMMEL, G. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, O. (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

WHITE, E. B. Aqui está Nova York. Tradução de Ruy Castro. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002

Publicado
2017-08-28
Seção
Artigos