O PAPEL DO AUXILIAR PEDAGÓGICO ESPECIALIZADO NA INCLUSÃO DO AUTISTA

Regina Ribeiro de Paulo OSÓRIO, Vera Lucia GOMES, Rita de Fátima SILVA

Resumo


A Educação Inclusiva surgiu com o intuito de incluir indivíduos com necessidades especiais em escolas de ensino regular, proporcionando acessibilidade e igualdade de direitos. Tem como princípio básico que todos aprendem a conviver uns com os outros respeitando as diferenças. Para o aluno com Transtorno do Espectro do Autismo -TEA, a inclusão surgiu como uma possibilidade de interação social, respeito e aprendizagem, itens importantes para seu desenvolvimento. No entanto, as barreiras estão no desconhecimento das pessoas sobre o autismo, resultando em dificuldades nas ações e consequentemente em seu aprendizado. Se torna imprescindível um correto diagnóstico e o acompanhamento profissional que atenda suas necessidades, onde o auxiliar pedagógico especializado - APE fará toda a diferença em seu desenvolvimento escolar. Desta forma, por meio de pesquisa bibliográfica, o presente trabalho analisou a importância do auxiliar pedagógico especializado na inclusão do autista. Foram investigadas questões norteadoras sobre o autismo e o auxiliar pedagógico especializado, buscando entender sua importância e sua função no desenvolvimento desse aluno, analisando os desafios e as possibilidades dentro da Educação Inclusiva para sua interação e aprendizagem mais significativa. Percebe-se que o atendimento educacional especializado a esse público vem se tornando cada vez mais adequado, cumprindo a legislação vigente, com uma nova postura, reflexões e propostas diferenciadas, no intuito de uma efetiva inclusão. No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer, pois muitas escolas não possuem um ambiente realmente inclusivo, em termos de estrutura física, pedagógica, formação dos professores nem a disponibilização do atendimento do auxiliar pedagógico especializado.

Palavras-chave


Autismo. Educação Inclusiva. Transtorno do Espectro Autista.

Texto completo:

PDF

Referências


BAPTISTA, C.R. Autismo e educação: Reflexões e propostas de intervenção. Porto Alegre: Artmed, 140 p. 2002.

BEYER, Hugo Otto. Inclusão e avaliação na escola de alunos com necessidades educacionais especiais. Editora Mediação, 87 p. 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB Nº 02/2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf, acessado em 14.03.16

______________ Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB Nº 04/2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Disponível em

http://www.abiee.org.br/doc/Resolu%E7%E3o%204%20DE%2002%20out%202009%20EDUCA%C7%C3O%20ESPECIAL%20rceb004_09.pdf, acessado em 5.5.16.

______________Lei Federal nº 12.764/2012, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Disponível em http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/1033668/lei-12764-12, acessado em 15.5.16

_______________. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nº 9.394/96. Disponível em: http://www.mec.gov.br.

________________. Lei nº 13.146, de 6 de junho de 2015: Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm, acessado em 20.06.16.

BRIDI, Fabiane Romano de Souza. Um breve olhar sobre o início e a história da educação especial. Revista Litterarius. V.5, n. 2 (jul/dez. 2006). Santa Maria: Biblos Editora, p. 02-14. 2006.

CARVALHO, Cássia Virgínia Costa. Crianças com transtorno do espectro autista: o direito a educação. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Centro de Artes, Humanidades e Letras Curso Superior de Tecnologia em Gestão. Cachoeira. 88 P. 2014.

GAUDERER, E. C. Autismo. 3ª ed., São Paulo: Atheneu, 189 p. 1993.

GOMES, C. G. S.; MENDES, E. G. Escolarização inclusiva de alunos com autismo na rede municipal de ensino de Belo Horizonte. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.16, n.3, p. 375‐396, Set.‐Dez, 2010.

KANNER, L. Follow-up Study of Eleven Autistic Children Originally Reported in 1943. 119-145, 1971.

LIMA, S. M.; LAPLANE, A. L. F. de. Escolarização de Alunos com Autismo. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 22, n. 2, p. 269-284, Abr.-Jun., 2016.

MARINHO, Eliane A. R. Um olhar sobre o autismo e sua especificação. IX Congresso Nacional de Educação – EDUCERE. p. 6084–6096. 2009.

MATO GROSSO DO SUL, Secretaria Municipal de Educação. Resolução CEE/MS nº 148 de 04 de setembro de 2013. Dispõe sobre a educação de alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação em todas as etapas e modalidades da educação básica da rede municipal de ensino de Campo Grande – MS.

MELLO, Ana Maria S. Rose Saberes e práticas da inclusão: Dificuldades acentuadas de aprendizagem – Autismo. Ministério da Educação. Secretária de Educação Especial. Brasilia: MEC, SEESP, 64 p. 2004.

MENDES, Enicéia Gonçalves. Educação Inclusiva: Realidade ou Utopia. Texto produzido para mesa redonda do LDDE-USP, São Paulo, 1999.

MORETTI, I.G.; CORRÊA, N.M. A Sala de recursos como atendimento educacional especializado para a ‘inclusão’ de alunos com deficiência mental em classes comuns. In: V Congresso Multidisciplinar de Educação Especial, 5. Londrina, 2009. Anais. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2009. P. 485 – 492.

NASCIMENTO. M. I. C. et. al. MANUAL DIAGNÓSTICO E ESTATÍSTICO DE TRANSTORNO MENTAIS. DSM—V-TR./ [American Psychiatnc Association, traduç . Maria Inês Corrêa Nascimento ... et al.]; revisão técnica: Aristides Volpato Cordioli. [et al.]. - . e. Porto Alegre: Artmed, 2014. xliv, 948 p.

SERRA, Daniela. A educação de alunos autistas: Entre os discursos e as práticas inclusivas das escolas regulares. Revista Eletrônica Polêmica. Rio de Janeiro, 25 p. 2008. Disponível em: http: www.polemica.uerj.br/pol23/oficinas/artigos/lipis, acessado em 18.04.16.

STAINBACH, Susan. Inclusão: um guia para educadores. Susan Stainbach e Willian Stainbach; Trad. Magda França Lopes. Porto Alegre: Artes Médicas. 234 p. 1999.

STONE, M. H. A cura da mente: a História da psiquiatra da antiguidade até o presente. Porto Alegre: Artmed, 1999.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Outras informações podem ser obtidas exclusivamente pelo e-mail revistagepfip@gmail.com

REVISTA DIÁLOGOS INTERDISCIPLINARES- GEPFIP - ISSN 23595051 (Publicação online)

A/C Profa. Ana Lúcia Gomes da Silva (Editora-chefe)

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/CPAQ

Praça Nossa Senhora da Conceição, 163, Centro - CEP: 79200-000 - Aquidauana/ MS

Telefone: +55 (67) 3241 0312