O PROJETO DE EDUCAÇÃO DO MST E A ESCOLA DO ASSENTAMENTO SÃO MANUEL

Antonio Martins da CUNHA, Rosalina Brites ASSUNÇÃO

Resumo


Esta pesquisa tem como objetivo analisar o discurso do MST sobre uma proposta de Educação Básica para a população dos assentamentos, buscando apreender as relações estabelecidas entre as formações discursivas do movimento e as da Escola Rural São Manoel. Tem como objeto de análise o discurso do MST materializado no texto “Pedagogia do Movimento Sem Terra: acompanhamento às escolas” e o discurso da comunidade escolar da escola do Assentamento “São Manoel”, localizado no município de Anastácio/MS. Trata-se de uma análise do discurso de abordagem analítico-descritiva cujos pressupostos teóricos estão fundamentados na Análise do Discurso de linha francesa, Foucault (2009), Pêcheux (1995), Brandão (2004). A pesquisa foi de desenvolvida em dois momentos. No primeiro, fez-se uma pesquisa analítico-descritiva do texto que materializa o discurso do MST. Num segundo momento, realizou-se uma pesquisa de campo na escola do assentamento por meio de questionários e entrevistas com a comunidade escolar, para se confrontar o ideal de educação do movimento, com a educação que é oferecida na escola. Os resultados da pesquisa revelam que a maioria dos professores não conhece a proposta de educação do MST, e que o currículo da escola é organizado de acordo com as orientações da secretaria de Educação do Estado e as do Município.

Palavras-chave


Discurso. Educação. Identidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 2005. In: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/70320/65.pdf?sequence3. Acesso aos 05/12/2014.

BRANDÃO, Helena N. Nagamine. Introdução à análise do discurso. 2. ed. rev. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2004.

DOSSIÊ MST –ESCOLA: Documentos e Estudos 1990 – 2001. Caderno de Educação nº 13. Edição Especial. São Paulo: Expressão Popular, 2005.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 7 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança. 7 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1983.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In SILVA, Tomas Tadeu (org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

_____ A Identidade em Questão: Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro, RJ: DP&A, 2003.

MAKARENKO, Anton S. Poema pedagógico. 3 ed. Tradução de Tatiana Belinky. São Paulo: Brasiliense, 1989.

PECHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Pucineli Orlandi et al. Campinas: Ed. Unicamp, 1995.

PISTRAK, M. M. Fundamentos da escola do trabalho. Tradução: Daniel Aarão Reis Filho. São Paulo: Expressão Popular, 2000.

SILVA, Tomas Tadeu (org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In SILVA, Tomas Tadeu (org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Outras informações podem ser obtidas exclusivamente pelo e-mail revistagepfip@gmail.com

REVISTA DIÁLOGOS INTERDISCIPLINARES- GEPFIP - ISSN 23595051 (Publicação online)

A/C Profa. Ana Lúcia Gomes da Silva (Editora-chefe)

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/CPAQ

Praça Nossa Senhora da Conceição, 163, Centro - CEP: 79200-000 - Aquidauana/ MS

Telefone: +55 (67) 3241 0312