Processo de circulação dos textos

configuração e impacto sobre os aspectos semióticos multimodais

  • Sostenes Cezar de Lima Universidade Estadual de Goiás
  • Edimar Pereira da Silva Universidade Estadual de Goiás
  • Ariovaldo Lopes Pereira Universidade Estadual de Goiás
Palavras-chave: Circulação textual, Configuração textual, Aspectos semióticos, Multimodalidade

Resumo

O presente artigo tem como propósito refletir sobre o texto como forma de ação social. Assim, discutem-se alguns aspectos teóricos sobre o texto (suporte, tipo, gênero e multimodalidade), salientando que os textos, no ato de realização, recebem uma configuração no plano material e social. Entretanto, a circulação textual (produção, distribuição e consumo) pode alterar alguns desses elementos da configuração textual, o que pode resultar nos processos de transfiguração, desfiguração e reconfiguração do texto. Buscamos em Marcuschi (2008) e Beaugrande (1997) a base para o conceito de texto como um conjunto de formas linguísticas que potencializam determinado evento comunicativo. Além disso, nos apoiamos em Fairclough (2001) para discutir o processo de circulação textual e os impactos sobre a configuração e sobre os aspectos semióticos multimodais. Nesse sentido, tomou-se como objeto de análise um texto do gênero anúncio publicitário, publicado inicialmente pelo Governo Federal (Fórum do Meio Ambiente, nº 100, p. 26-27) e posteriormente reproduzido no livro didático “Português: linguagens”, volume 3, de Willian Roberto Cereja e Thereza Cochar Magalhães, publicado em 2013.

Referências

AUSTIN, J. L. Quando Dizer é Fazer – Palavras e Ação. (Tradução de Danilo Marcondes de Souza Filho). Porto Alegre: Artes Médicas, 1990[1962].

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

BAZERMAN, C. Gêneros textuais, tipificação e interação. São Paulo: Cortez, 2005.

BEAUGRANDE, R. de. New foundations for a science of text and discourse: Cognition, Communication, and the Freedom of Access to knowledge and Society. Norwood: Ablex, 1997.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Fórum: Produção e consumo sustentáveis. nº 100, p. 26-27. 2012. Disponível em: http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/producao-e-consumo-sustentavel/separe-o-lixo-e-acerte-na-lata. Acesso em: 4 nov. 2014.

CEREJA, W. R; MAGALHÃES, T. C. Português: Linguagens, 3. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

CHOULIARAKI, L.; FAIRCLOUGH, N. Discourse in late modernity: Rethinking critical discourse analysis. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1999.

FAIRCLOUGH, N. Analyzing discourse: Textual analysis for social research. Londres: Routledge, 2003.

______. Discurso e mudança social. Coord. trad. revisão e prefácio à ed. brasileira I. Magalhães. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

______. Critical discourse analisys. Londres: Longman, 1995.

KRESS, G. Multimodal discourse: The modes and media of contemporary communication. London: Arnold, 2001.

______. Moving Beyond a critical paradigm: On the requirements of a social theory of language. London: University of London, 1995.

______. Explanation in Visual Communication. London: University of London, 1993a.

______. Against arbitrariness: The social production of the sign as a foundational issue in critical discourse analysis. London: Institute of Education London, 1993b.

KRESS, G.; LEITE-GARCIA; van LEEUWEN, J. Discourse Semiotics. In: van DIJK, T. A. (org.). Discourse as structure and process. London: Sage, 1997.

KRESS, G.; van LEEUWEN. J. Reading images. The Grammar of Visual Design. London: Routledge, 1996.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

______. A questão dos suportes dos gêneros textuais. Revista DLCV, João Pessoa, v. 1, n. 1, p. 09-40.

Publicado
2021-06-30
Seção
Artigos - Linguística e Semiótica