EXPERIÊNCIA E AUTORIA NA ESCOLA EM TEMPOS DE RUÍDO

  • Debbie Mello Noble Universidade do Sul de Santa Catarina

Resumo

Este artigo busca investigar as possibilidades de experiência e autoria na escola em “tempos de ruído”. Para tal objetivo, lançaremos um olhar para um projeto de estudo realizado com estudantes do 3º ano do ensino médio, com idade entre 16 e 18 anos, e suas produções finais. O trabalho partiu da leitura de Olhos d’água, livro de contos de Conceição Evaristo. Como atividade de pré-leitura e introdução de alguns temas abordados no livro de Conceição Evaristo, foi realizada a leitura de um “microrrelato” de O livro dos abraços, de Eduardo Galeano, e a partir dela realizadas algumas produções textuais. Como fundamentação teórica, utilizamos os pressupostos de Han (2016a e b); Orlandi (2011 e 2012); Gallo (2008 e 2012) e Martins (1997), dentre outros.

Biografia do Autor

Debbie Mello Noble, Universidade do Sul de Santa Catarina
Doutoranda em Ciências da Linguagem no PPGCL da UNISUL. Mestra em Estudos da Linguagem pelo PPG-Letras da UFRGS.

Referências

ARAÚJO, Alberto Filipe. 'Imperializante', sociedade da comunicação não deixa o silêncio existir e fragiliza a democracia, afirma pesquisador português. UFMG, 1º fev. 2017. Disponível em: https://www.ufmg.br/online/arquivos/046510.shtml. Acesso em: 16 out. 2017.

BARTHES, Roland. Variaciones sobre la escritura. 1973.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaio sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Trad. João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação, n. 19, 2002.

______. Ferido de Realidade. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/programa-saude-da-escola/195-secretarias-112877938/seb- educacao-basica-2007048997/12598-publicacoes-sp-265002211. Acesso em: 20 out. 2017.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas – FBN, 2015.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: O que é um autor? Lisboa: Passagens. 1992.

GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Trad. Eric Nepomuceno. Porto Alegre: L&PM, 2015.

GALLO, Solange. Como o texto se produz: uma perspectiva discursiva. Blumenau: Nova Letra, 2008.

______. Novas fronteiras para a autoria. Revista Organon, Porto Alegre, UFRGS, v. 27, n. 53, 2012.

HAN, Byung-Chul. Por favor, cierra los ojos. Trad. Raúl Gabás. Barcelona: Herder, 2016a.

______. No enxame. Trad. Miguel Serras Pereira. Lisboa: Relógio D’água Editores, 2016b.

______. Sociedade do Cansaço. Trad. Enio Paulo Giachini. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2017.

KLINGER, Diana. Escritas de si, escritas do outro: o retorno do autor e a virada etnográfica. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012.

LAFIN, Gabrielle Carvalho. Abraçando a escola do mundo ao avesso: aproximação entre a literatura de Eduardo Galeano e a aula de espanhol como língua estrangeira no Brasil. Dissertação (Mestrado em Linguística) – UFRGS, 2015. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/131726. Acesso em: 10 out. 2017.

MARTINS, Maria Helena. O que é leitura? Brasiliense, 1997.

ORLANDI, Eni. Discurso e Leitura. Campinas: Pontes, 2012.

______. A linguagem e seu funcionamento – as formas do discurso. Campinas: Pontes, 2011.

______. As formas do silêncio. Campinas: Pontes, 1992.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante. Cinco lições sobre a emancipação intelectual. Autêntica. Belo Horizonte. 2002.

Publicado
2019-06-17
Seção
Artigos - Linguística e Semiótica