UNIDADES COMPLEXAS DE BASE NOMINAL: UM ESTUDO NA ÁREA DO VOCABULÁRIO JURÍDICO

  • Camila Candido Oliveira Menezes Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Elizabete Aparecida Marques Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Aparecida Negri Isquerdo Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Resumo

O léxico é considerado o tesouro vocabular de uma língua e, por extensão, um produto cultural de uma sociedade. Sistematicamente organizado em repertórios lexicográficos, o dicionário revela, por meio do registro das unidades léxicas, o modo de pensar e viver de um grupo social, além dos avanços técnico-científicos que ocorrem no mundo. Com base em fundamentos da Lexicologia e da Lexicografia, particularmente a de caráter especializado (BIDERNAN, 1984, 2001), este artigo discute resultados de estudo realizado acerca da macroestrutura e da microestrutura da obra clássica da área do Direito, Vocabulário Jurídico (SILVA, 2016), com destaque para as unidades complexas de base nominal (BIDERMAN, 1999; 2005), bastante produtivas no âmbito do vocabulário jurídico. Na obra tomada como fonte de dados, 99,3% do corpus 900 unidades complexas são de base nominal e 0,7% de base verbal, apresentadas na letra “a” do vocabulário especializado registrado por Silva (2016). 

Biografia do Autor

Camila Candido Oliveira Menezes, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Mestranda do Programa de Pós Graduação em Estudos de Linguagens da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Elizabete Aparecida Marques, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Professora Dra. e coordenadora do Programa de Pós Graduação em Estudos de Linguagens da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Aparecida Negri Isquerdo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Professora Dra. do Programa de Pós Graduação em Estudos de Linguagens da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Referências

BARROS, Lidia Almeida. Curso Básico de Terminologia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

BEVILACQUA, Cleci Regina. Fraseologia: perspectiva da língua comum e da língua especializada. Língua e Literatura. Rio Grande do Sul, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, v. 6 e 7, n. 10/11, p. 73-86, 2004/2005.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. A ciência da Lexicografia. Alfa. Araraquara, v.28 (supl.), 1984, p. 1-26.

______. A estruturação do léxico e a organização do conhecimento. Letras de Hoje. Porto Alegre, v.22, n.4, p.81-96, dezembro, 1987.

______. Dimensões da palavra. Filologia e Linguística portuguesa. São Paulo, n.2, p. 81-118, agosto, 1998.

______. Conceito linguístico de palavra. In: BASÍLIO, Margarida (org.). A Delimitação de Unidades Lexicais. Rio de Janeiro: Departamento de Letras da PUC-Rio, v. I, p. 81-97, 1999.

______. Teoria linguística: teoria lexical e linguística e computacional. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

______. As ciências do léxico. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; OLIVEIRA, Ana Maria Pinto Pires de. (orgs.). As ciências do léxico. Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. 2ª ed., Campo Grande/MS: Editora UFMS, 2001, p. 13-22.

______. Os dicionários na contemporaneidade: arquitetura, métodos e técnicas. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; OLIVEIRA, Ana Maria Pinto Pires de. (orgs.). As ciências do léxico. Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. 2ª ed. Campo Grande/MS: Editora UFMS, 2001, p.129-142.

______. Análise de dois dicionários gerais do português brasileiro contemporâneo: o Aurélio e o Houaiss. Filologia e Linguística portuguesa. São Paulo, n.5, p. 85-116, agosto, 2003.

______. Unidades complexas do léxico. In: RIO-TORTO, Graça; FIGUEIREDO, Olívia Maria; SILVA, Fátima. (orgs.). Estudos em Homenagem ao Professor Doutor Mário Vilela. 1ª ed. Porto, Portugal: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2005, v. II, p. 747-757.

HAENSCH, Günther. Tipología de las obras lexicográficas. In: HAENSCH, Günther et al. La Lexicografía: de la linguística teórica a la lexicografia práctica. Madrid: Gredos, 1982, p. 95-187.

ISQUERDO, Aparecida Negri. Os estudos lexicográficos no Brasil: um percurso histórico. In: CARDOSO, Suzana; MEJRI, Salah; MOTA, Jacyra. Os dicionários: fontes, métodos e novas tecnologias. Salvador: Vento Leste, 2011, p. 113-144.

KRIEGER, Maria da Graça; FINATTO, Maria José Bocorny. Introdução à terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2016.

LARA, Luis Fernando. El discurso del dicionario. In: WOTJAK, Gerd (org.). Estudios de Lexicología y Metalexicografia del Español Actual. Tübingen, Max Niemeyer Verlag, 1992, p. 1-20.

______. O dicionário e suas disciplinas. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; KRIEGER, Maria da Graça (orgs.). As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. v.2, Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2004, 133-152.

______. Curso de lexicología. México, D.F.: El Colegio de México, 2006.

REY-DEBOVE, Josette. Étude linguistique et sémiotique des dictionnaires français contemporains. Paris: Mouton, 1971.

______. Léxico e Dicionário. Alfa. São Paulo, 1984, p.45-69.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de linguística geral. 20 ed. São Paulo: Cultrix, 1995.

SILVA, Maria Cristina Parreira. Para uma tipologia geral de obras lexicográficas. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; ALVES, Ieda Maria (org.). As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. v.3, Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2007, p. 283-293.

SILVA, Oscar Joseph de Plácido e. Vocabulário Jurídico. 32ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2016.

VILLALVA, Alina; SILVESTRE, João Paulo. Introdução ao estudo do léxico: descrição e análise do Português. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

Publicado
2019-06-17
Seção
Artigos - Linguística e Semiótica