Diferença de força de preensão manual e potência dos membros inferiores conforme o nível de ansiedade em atletas.

  • Gianfranco Sganzerla Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Silvio Assis de Oliveira-Junior Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Daniel Trainá Gama Universidade Federal da Grande Dourados
  • Fabricio César de Paula Ravagnani Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Felipe Eliezer Ferreira Denarde Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Sander Fric Zanatto Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Christianne de Faria Coelho Ravagnani Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Resumo

Introdução: A ansiedade afeta de várias formas a prática esportiva. No entanto, ainda não é totalmente conhecido seus impactos na força e potência dos membros inferiores de atletas. Objetivos: Verificar a diferença de força de preensão manual e potência dos membros inferiores conforme o nível de ansiedade em atletas e a relação entre ansiedade e essas variáveis. Material e métodos: O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos do Hospital Júlio Müller (CAAE n° 49600315.0.0000.5541). Participaram do estudo 113 atletas (90 homens e 23 mulheres; 23,4±6,5 anos; 73,7±15,9 kg; 174,1±10,1 cm) de 10 esportes. Primeiramente, os atletas preencheram o Beck Anxiety Inventory (BAI). Trata-se de um questionário com 21 questões que avalia traços de ansiedade, com escores totais variando de 0 até 63 pontos. Após responderem o BAI, os atletas foram divididos em dois grupos conforme resultado do Questionário. O grupo 1 (G1, n=63) foram os que tiveram resultado igual ou menor que a mediana (≤4); e o grupo 2 (G2, n=50) os que tiveram resultado maior que a mediana (>4). Em seguida, os atletas realizaram o teste de dinamometria manual e teste do salto vertical, testes que avaliam a força da preensão manual e potência dos membros inferiores, respectivamente. Adotou-se o teste de Kolgomorov-Smirnov para testar a normalidade dos dados, teste T independente de Student para avaliar o desempenho físico entre os grupos e correlação de Spearman para avaliar a relação entre o resultado do BAI e testes físicos. Um p<0,05 foi considerado significante. Resultados: O BAI teve resultados que variaram de 0 a 33 pontos (mediana 4). O G1 demonstrou maior força de preensão manual—média das duas mãos—(G1, 47.7±12.2 kgf e G2, 41.6±13.0 kgf; p<0,05) e potência dos membros inferiores (G1, 3726,9±916,1 W e G2, 3275,6±975,9 W; p<0,05) do que G2. O BAI teve correlação negativa com a força de preensão manual (r=-0.24; p<0,05) e potência dos membros inferiores (r=-0,25; p<0,05).  Conclusão: Atletas menos ansiosos apresentaram maior força de preensão manual e potência dos membros inferiores. Apesar de pequena, a ansiedade apresenta relação negativa com essas duas variáveis.

 

Palavras-chave: Atletas. Rendimento atlético. Ansiedade.

 

 

Publicado
2021-12-24
Como Citar
SGANZERLA, G.; ASSIS DE OLIVEIRA-JUNIOR, S.; TRAINÁ GAMA, D.; DE PAULA RAVAGNANI, F. C.; FERREIRA DENARDE, F. E.; FRIC ZANATTO, S.; DE FARIA COELHO RAVAGNANI, C. Diferença de força de preensão manual e potência dos membros inferiores conforme o nível de ansiedade em atletas. Perspectivas Experimentais e Clínicas, Inovações Biomédicas e Educação em Saúde (PECIBES) ISSN - 2594-9888, v. 7, n. 2, p. 18, 24 dez. 2021.