Efeito da creatina sobre a remodelação do músculo estriado esquelético de ratos submetidos a treinamento físico resistido.

  • Marianna Rabelo De Carvalho Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Ellen Fernandes Duarte Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Maria Lua Marques De Mendonça Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Luana Urbano Pagan Universidade Estadual Paulista
  • Felipe César Damatto Universidade Estadual Paulista
  • Marina Politi Okoshi Universidade Estadual Paulista
  • Paula Felippe Martinez Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Silvio Assis de Oliveira-Junior Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Resumo

Introdução: Há evidências que a creatina associada ao treinamento induz alterações funcionais e morfológicas no músculo esquelético. Entretanto, não estão bem definidos os efeitos da suplementação com creatina durante o treinamento resistido sobre o colágeno intersticial e a expressão de cadeias pesadas de miosina (MyHC) no músculo esquelético. Objetivo: Analisar a influência da suplementaçã com creatina sobre a expressão de MyHC e fração intersticial de colágeno em diferentes músculos esqueléticos de ratos submetidos a treinamento físico resistido. Material e Métodos: Ratos Wistar (n=24) foram distribuídos em quatro grupos: Controle (C), Creatina (Cr), Treinamento Resistido (TR) e Treinamento Resistido e Creatina (Tcr). Os grupos C e TR receberam dieta comercial padrão, enquanto Cr e Tcr receberam dieta com 2% de creatina. Os animais TR e Tcr realizaram protocolo de treinamento resistido em escada, 3x/semana, por 12 semanas. Posteriormente, foi realizada eutanásia dos animais e amostras de sóleo e gastrocnêmio foram usadas para análise histológica e expressão de MyHC por meio de eletroforese. Estatística: Two-Way ANOVA e Tukey. Significância de 5%. O protocolo experimental foi aprovado pela Comissão de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (CEUA/UFMS), protocolo n° 873/2017. Resultados: No gastrocnêmio, a porcentagem de MyHC IIx foi maior no TR do que em C (C: 6,25±2,69; Cr: 8,89±2,94; TR: 11,47±3,73; Tcr: 12,30±6,58 %). No sóleo, a taxa de MyHC IIa não diferiu entre os grupos. A fração intersticial de colágeno de ambos os músculos avaliados mostrou-se maior em resposta ao treinamento físico resistido, per se. Conclusão: A prática de treinamento físico resistido resultou em remodelação intersticial em diferentes tipos de músculo esquelético e maior expressão de isoformas de MyHC Iix no músculo gastrocnêmio em ratos expostos ou não à suplementação com creatina. Apoio: UFMS, CAPES (Cód.001), CNPq.

Publicado
2021-12-24
Como Citar
RABELO DE CARVALHO, M.; FERNANDES DUARTE, E.; MARQUES DE MENDONÇA, M. L.; URBANO PAGAN, L.; DAMATTO, F. C.; POLITI OKOSHI, M.; FELIPPE MARTINEZ, P.; ASSIS DE OLIVEIRA-JUNIOR, S. Efeito da creatina sobre a remodelação do músculo estriado esquelético de ratos submetidos a treinamento físico resistido. Perspectivas Experimentais e Clínicas, Inovações Biomédicas e Educação em Saúde (PECIBES) ISSN - 2594-9888, v. 7, n. 2, p. 19, 24 dez. 2021.