Resumo: <br>Criptococcemia como apresentação clínica de criptococose extra-neural em hospital de ensino terciário no Mato Grosso do Sul. PECIBES, supl.1, 35, 2015

  • Rafael de Souza Pontes
  • Rosianne Assis de Souza Tsujisaki
  • Arthur Antonio Fernandes Rodrigues
  • Maína de Oliveira Nunes
  • Gláucia Moreira Espíndola Lima
  • Anamaria Mello Miranda Paniago
  • Marilene Rodrigues Chang

Resumo

Criptococose é uma micose sistêmica cosmopolita causada por leveduras capsuladas do complexo Cryptococcus neoformans, constituído das espécies C. neoformans e C. gattii. Essa doença ocorre principalmente em pacientes com aids e indivíduos portadores de comorbidades debilitantes do sistema imunológico. A infecção é adquirida principalmente pela inalação de esporos presentes em excrementos de aves dispersos no ar, causando infecção pulmonar primária. A partir daí dissemina-se para outros sítios via corrente sanguínea, com predileção pelo sistema nervoso central. Quando o fungo é isolado de amostras sanguíneas, o quadro clínico é descrito como criptococcemia. O objetivo deste estudo foi realizar identificação molecular dos agentes de criptococcemia diagnosticados em hospital de ensino terciário no Mato Grosso do Sul, no período entre 1998 e 2014. Técnicas fenotípicas (ágar níger e meio L-canavanina-glicina-azul de bromotimol) e genotípicas (PCR-RFLP-URA5) foram utilizadas para a identificação das leveduras. Os dados demográficos e laboratoriais foram obtidos do sistema informatizado do hospital. No período proposto, 24 casos de criptococcemia foram documentados, todos eles causados pela espécie C. neoformans. Os tipos moleculares encontrados foram: 22 (91,7%) VNI e dois (8,3%) VNII. A idade dos pacientes variou de 23 a 72 anos, com mediana de 41,5 anos. Treze (54,2%) pacientes eram do sexo masculino. De 21 pacientes que se obtiveram dados de sorologia, 19 (90,5%) eram portadores do vírus HIV. A distribuição dos tipos moleculares de Cryptococcus entre pacientes HIV positivos com predomínio de VNI é similar ao das regiões Sul e Sudeste e difere do Norte e Nordeste do Brasil. Esse estudo se faz relevante pela agregação de conhecimento científico e tecnológico entre alunos de iniciação científica e pós-graduandos e também pela ação multidisciplinar nos cuidados aos pacientes.
Publicado
2017-09-20