Remoção de retentores com ultrassom: Análise do tempo e aquecimento radicular

  • Priscilla Jurais Godoy
  • K. F. S. Pereira
  • A. H. A. de Souza
  • L. B. Junqueira-Verardo
  • E. J. Zafalon
  • T. H. A. Mateus

Resumo

 

Objetivo: Avaliar o tempo de vibração necessário para remover retentores metálicos cimentados com fosfato de zinco em dentes caninos inferiores humanos extraídos, analisando também o aquecimento radicular gerado na superfície externa ao se empregar um ou dois aparelhos de ultrassom para a remoção. Métodos: Trinta caninos inferiores humanos receberam tratamento endodôntico, preparo do conduto padronizado, moldagem, confecção dos retentores e posterior cimentação. Na sequência os dentes foram aleatoriamente distribuídos em dois grupos, cujo procedimento de remoção foi realizado com um ou dois ultrassons e o tempo de vibração utilizado até a remoção do retentor foi registrado com cronômetro. O aquecimento foi mensurado por termopares fixados na superfície radicular externa nos três terços da raiz. Resultados: O tempo de retirada com dois ultrassons foi significativamente menor (p=0,002) do que aquele observado ao se utilizar apenas um aparelho (38,02±10,66 < 109,21±30,92 segundos). Em relação à diferença da temperatura entre o momento em que foi mais elevada e aquela no momento inicial, houve um efeito significativo do terço do dente analisado (p<0,001), porém, não foi observado um efeito significativo da técnica empregada para a retirada do retentor (p=0,511) e nenhuma interação entre estes dois fatores (p=0,070). Conclusões: O tempo de vibração necessário para remover retentores metálicos com o ultrassom mostrou-se adequado, apresentando melhor desempenho quando usados dois aparelhos concomitantemente. O aquecimento radicular gerado (máximo registro < 4ºC) foi inferior ao limite padrão usado na literatura científica (10ºC), independente da técnica escolhida.

 

 

Palavras-chave: Remoção de retentores. Aquecimento radicular. Ultrassom.