Tratamento de extenso ferimento facial

  • Francielly Thomas Figueiredo
  • J. C. G. Mendonça
  • G. S. Pelissaro
  • J. G. P. Oliveira
  • A. B. S. Herculano
  • E. C. Gaetti-Jardim

Resumo

Os ferimentos faciais são amplamente classificados de acordo com a sua apresentação e grau de complexidade. Dessa forma, o tratamento envolve a extensão, profundidade, grau de contaminação, o agente etiológico e tempo do trauma, fazendo-se necessária uma abordagem cuidadosa e precisa a fim de restituir a função e estética do paciente. Deste modo, é objetivo apresentar um caso de paciente de 36 anos de idade que procurou atendimento no Hospital Universitário “Maria Aparecida Pedrossian”, queixando-se de trauma em face em virtude de acidente motociclístico, em região rural sem o uso de capacete. Apresentou ferimento extenso em hemiface esquerda, fraturas de maxila, zigoma e mandíbula ipsilateral. Aos exames de imagem constatou-se as fraturas mencionadas no exame clínico. Em virtude da dificuldade do caso bem como a presença de inúmeros corpos estranhos intrabucais optou-se pelo tratamento cirúrgico sob anestesia geral com limpeza, desbridamento dos ferimentos, irrigação abundante com soro fisiológico e iodóforo, exodontia de elementos demasiadamente traumatizados, assim como sutura do extenso ferimento facial com posterior planejamento da osteossíntese das fraturas. Em pós-operatórios o paciente referiu ausência de queixas álgicas e foi orientado quanto à necessidade de cicatrização dos ferimentos, uso das medicações e a necessidade de procedimento cirúrgico para redução e fixação das fraturas. O caso apresentado configura-se como um desafio e a necessidade de postergar o tratamento das fraturas da face foi fundamental a fim de facilitar o melhor resultado estético e, sobretudo funcional.

 

 

Palavras-chave: Ferimentos e lesões. Diagnóstico. Terapêutica.