A Utilização do Jogo Oware para Promover o Ensino de Matemática nos Anos Iniciais de uma Escola Quilombola

  • Ana Quele Gomes de Almeida Universidade Federal de Pernambuco
  • Carlos Eduardo Ferreira Monteiro
Palavras-chave: Educação Quilombola, Jogo Oware, Educação Matemática, Anos Iniciais

Resumo

Este artigo discute aspectos de uma pesquisa sobre a utilização do jogo oware no ensino de Matemática articulado a dimensões socioculturais. Participaram do estudo professoras dos anos iniciais de uma escola quilombola em Cabo de Santo Agostinho-PE, com projeto pedagógico de ações colaborativas para um ensino que resgate identidades dos estudantes quilombolas. Esses elementos, no contexto escolar, foram motivadores para a construção de uma investigação colaborativa sobre um jogo de origem africana, o mancala oware, o qual pareceu-nos ser potencializador de conhecimentos matemáticos na educação quilombola. A pesquisa configura-se como qualitativa, com procedimentos etnográficos e uso de entrevistas semiestruturadas, observação participante e análise de documentos. As análises das falas das participantes evidenciaram trechos significativos para a discussão da temática e, a partir das observações, identificou-se que a utilização do jogo oware, além de aproximar a cultura africana, contribuiu para o planejamento de atividades de ensino de Matemática articuladas a conhecimentos socioculturais relacionados a contextos africanos.

Biografia do Autor

Ana Quele Gomes de Almeida, Universidade Federal de Pernambuco

Mestranda em Educação Matemática e Tecnológica.

Secretaria Municipal de Educação do Ipojuca.

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. 16. ed. São Paulo: Papirus, 2009.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação-LDB. Brasília, DF, 1996.

______. Lei n. º 10.639, de 09 de janeiro de 2003: altera a Lei 9394/96 para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afrobrasileira.

______. Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de História e Cultura Afrobrasileira e Africana. Brasília: Ministério da educação, 2004.

______. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, 2012.

CABO DE SANTO AGOSTINHO. Prefeitura Municipal. Onze Negras. Cabo de Santo Agostinho, 2007.

CUNHA JUNIOR, H. A. Afroetnomatemática, África e Afrodescendência. In: CAVALCANTI, B. C.; SUASSUNA, C.; BARROS, R. R. A. (Org.). Kulé Kulé: Visibilidades Negras. Maceió: EDUFAL, 2006.

______. Quilombo: patrimônio histórico e cultural. Revista Espaço Acadêmico, Curitiba, n. 129, 2012.

D’AMBRÓSIO, U. Sociedade, Cultura, Matemática e seu Ensino. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 99-120, 2005.

FERREIRA, M, G.; SILVA, J. F. da. Protagonismo dos movimentos sociais negros na superação da herança colonial, nos currículos colonizados das escolas brasileiras. Revista Tópicos Educacionais, Recife, n. 1, jan/jun, p. 163-185, 2014.

FRAGA, A.; SANTOS, M. T. Ouri, um jogo de Mancala. Revista Educação e Matemática, Lisboa, n. 76, 2004.

FREIRE, P. Cartas à Guiné Bissau: registro de uma experiência em processo. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

FIORENTINI, D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (Org.). Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

GERDES, P. Sobre a história da formação de matemáticos africanos: os primeiros doutorados e o contributo do Ubiratan D’Ambrósio em perspectiva. Revista Brasileira de História da Matemática, n. 1, p. 71-80, 2007.

______. Incorporando ideias matemáticas provenientes da África na educação matemática no Brasil? O Projeto ‘Brasil – África: Histórias Cruzadas’. In: CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA – CIAEM, 13., Recife, 2011. Anais eletrônicos... Recife, UFPE, 2011.

GRANDO, R. C. O Jogo suas Possibilidades Metodológicas no Processo Ensino-Aprendizagem da Matemática. 1995. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, 1995.

______. O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. 2000. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, 2000.

KNIJNIK, G. et al. Etnomatemática em movimento. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

LAAB. Ludicidade Africana e Afro Brasileira. Disponível em: <http://ouri.ccems.pt/jogo/Ouri2.htm>. Acesso em: 1 set. 2016.

LOPES, D. L. A formação de professores na dimensão de uma educação quilombola. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA O MERCOSUL/CONE SUL, 18., Santa Catarina, UFSC, 2010. Anais... Santa Catarina: p. 353-364, 2010.

MACEDO, L. et al. Aprendendo com jogos e Situações Problema. Porto Alegre: Artes Médicas, 2007.

MACEDO, J. R. Sobre os conhecimentos Matemáticos na África. Revista Semana da África na UFRGS, Porto Alegre, v. 2, n. 1, p. 28-32, 2015.

MULLER, B. C. Uma experiência pedagógica com jogos africanos na formação continuada de professores de Matemática no município de Serra do Espírito Santo. Revista Eletrônica Debates em Educação Científica e Tecnológica, Serra, v. 3, n. 1, p. 41-51, 2013.

MUNANGA, K. (Org.). Superando o Racismo na Escola. 2. ed. rev. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

MUNIZ, C. Pedagogia, Educação e Linguagem Matemática. Acre: Fundação Universidade de Brasília, SEEA, 2012.

PADRÓN, J. A. R.; DÉNIZ, M. G. Juegos de siembra: juegos africanos con aplicación didáctica. Revista de Didática de las Matemáticas, v. 77, p. 157-166, 2011.

PEREIRA, R. P. O jogo africano mancala e o ensino de Matemática em face da Lei 10. 639. Dissertação (Mestrado em Educação Brasileira) - Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011.

RÊGO, R. G.; RÊGO, R. M. Matematicativa. João Pessoa: Universitária, 2000.

SANTOS, C. J. Jogos africanos e a educação matemática: semeando com a família mancala. Maringá: Secretaria de Estado da Educação, 2008.

SANTOS, M. M. F. Formação Continuada dos professores na perspectiva da Etnomatemática baseada nas culturas africanas: avanços e entraves. In: CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA – CIAEM, 13., Recife, 2011. Anais eletrônicos... Recife, UFPE, 2011.

SANTOS, T. R. Mankala Colhe Três: jogando e explorando conhecimentos matemáticos por meio de situações didáticas. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática e Tecnológica) - Programa de Pós-graduação em Educação Matemática e Tecnológica, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, 2014.

SILVA, G. M.; RODRIGUES, M. D. S. Formação inicial e continuada de professores(as) e a educação no quilombo de Conceição das Crioulas/PE. Revista Comunicações, Piracicaba, v. 21, n. 1, p. 23-38, 2014.

SMOLE, K. S. Cadernos do Mathema: Jogos de Matemática de 1º a 5º ano. Porto Alegre: Artmed, 2007.

ZASLAVSKY, C. Jogos e atividades matemáticas do mundo inteiro. Porto Alegre: Artmed, 2000.

ZUIN, E. S.; SANT’ANA, N. A. S. Produzindo aproximações da cultura africana com a Matemática escolar: a utilização do jogo mancala. Revista Eletrônica Pedagogia em Ação, Belo Horizonte, v. 7, n. 1, 2015.

Publicado
2016-12-28
Seção
Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental