A Formação Continuada de Professores dos Anos Inicias em Relação à Comparação Multiplicativa

  • Mariana Oliveira Santos Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC
  • Vera Lucia Merlini Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC
Palavras-chave: Formação Continuada, Comparação Multiplicativa, Professor Reflexivo, Dimensões Colaborativas, Estudo Diagnóstico.

Resumo

Este artigo objetiva analisar as possíveis contribuições de um processo formativo, que abordou um trabalho com conceitos da Comparação Multiplicativa, para a prática de ensino de professoras dos anos iniciais. Para isso, tivemos como base a Teoria dos Campos Conceituais desenvolvida por Gerárd Vergnaud. Utilizamos essa teoria, no desenvolvimento das ações mobilizadas pelos professores, já que essa propõe um quadro e alguns princípios de base para o desenvolvimento e a aprendizagem das competências complexas dos estudantes. Metodologicamente, nosso estudo é de natureza qualitativa baseado em um processo de formação com dimensões colaborativas. Assim, para alcançar o objetivo proposto, foi analisada a entrevista semiestruturada respondida por duas professoras dos anos inicias que participaram do processo formativo. Identificamos, a partir da análise, que as reflexões feitas pelas professoras, na entrevista semiestruturada, apontam que, o processo formativo contribuiu para a ressignificação da prática pedagógica das professoras envolvidas, bem como, das possibilidades em utilizar a Comparação Multiplicativa na elaboração de situações-problemas. 

Palavras-chave: Formação Continuada; Comparação Multiplicativa; Professor Reflexivo; Dimensões Colaborativas, Estudo Diagnóstico.

Biografia do Autor

Mariana Oliveira Santos, Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC
Licenciada em Matemática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA/ Campus- Eunápolis.Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática - PPGEMUniversidade Estadual Santa Cruz - UESC.

Referências

BOAVIDA, A M. PONTE; J. P. Investigação colaborativa: Potencialidades e problemas. In: GTI (Org.), Refletir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM, 2002.

BOGDAN, R; BIKLEN, S. K. Investigação Qualitativa em Educação Matemática. Lisboa: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, n.248, 23dez.1996.

DEWEY, J. Como Pensamos. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1953.

FIORENTINI, D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M. de C. ARAÚJO, J. (Orgs.) Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

IBIAPINA, I. M. L. de M. Pesquisa colaborativa: investigação, formação e produção de conhecimento. Brasília: Líber Livro Editora, 2008.

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: novas tendências. Tradução de Sandra Trabuccco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2009.

LIMA, D.C. A formação continuada de professores que ensinam matemática nos anos inicias e as estruturas multiplicativas, Dissertação de Mestrado (Educação Matemática). Universidade Estadual de Santa Cruz, 2016.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MAGINA, S., SANTOS. A., MERLINI. V. Comparação multiplicativa: a força que a expressão exerce na escolha das estratégias de resolução dos alunos. In: Anais... XIII CIAEM-IACME, Recife, Brasil, 2011.

MAGINA, S.M.P.; SANTOS, A.; MERLINI, V.L. O desempenho dos estudantes de 4º Série do Ensino Fundamental frente a problemas de Estrutura Multiplicativa. In: Anais... X Encontro Nacional de Educação Matemática, Salvador, 2010.

MERLINI, V.L. As potencialidades de um Processo Formativo para a Reflexão na e sobre a Prática de uma Professora das Séries Iniciais: um Estudo de Caso, Tese de Doutorado (Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica. São Paulo, 2012.

SANTOS, A.; Processos de formação colaborativa com foco no campo conceitual multiplicativo: um caminho possível com professoras polivalentes. Tese de Doutorado (Educação Matemática). Pontifícia Universidade Católica. São Paulo, 2012.

SCHÖN, D. Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Tradução de Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SCHÖN, D. The reflective practitioner: how professional think in action. London: Cambridge Circus, 1983.

SOUZA, E. R. Estruturas Multiplicativas: concepção de professor do ensino fundamental, Dissertação de Mestrado (Educação Matemática). Universidade Estadual de Santa Cruz, 2015.

VERGNAUD, G. Multiplicative conceptual field: what and why? In: Guershon, H., Confrey, J. (Eds). The development of multiplicative reasoning in the learning of mathematics. Albany, N.Y.: State University of New York Press. 1994.

VERGNAUD, G. A criança, a matemática e a realidade: problemas do ensino da matemática na escola elementar. Tradução Maria Lucia Faria Moro. Curitiba: Ed. da UFPR, 2009.

VERGNAUD, G. Multiplicative structures. In: Hiebert, H; Behr, M. Reseach Agenda in Mathematics Education. Number Concepts and Operations in Middle Grades. Hillsdale, N. J.: Laurence Erlbaum , 1988.

VERGNAUD,G. A Teoria dos Campos Conceituais. In: BRUN, J. Didática da Matemática, Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

Publicado
2018-05-16
Como Citar
SANTOS, M. O.; MERLINI, V. L. A Formação Continuada de Professores dos Anos Inicias em Relação à Comparação Multiplicativa. Perspectivas da Educação Matemática, v. 11, n. 25, 16 maio 2018.