Princípios e Práticas de Organização na Formação de Professores que Ensinam Matemática: elementos de apropriação do conhecimento sobre atividade de ensino.

  • Neiva Nazareth da Silva
  • Neusa Maria Marques de Souza
Palavras-chave: Educação Matemática. Atividade de Ensino. Formação de Professores.

Resumo

O presente texto traz uma análise preliminar dos resultados da pesquisa desenvolvida no ambiente de uma escola estadual de Educação Básica no município de Paranaíba-MS. Nesta instituição observamos o movimento de formação de um grupo composto por um professor em exercício da escola, nove alunos do curso de licenciatura em matemática e um professor coordenador da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), aos quais chamamos de grupo de formação integrada, no qual são desenvolvidos planejamentos, estudos e aplicação de atividades com os alunos do Ensino Médio. Através da análise do processo formativo, investigamos os elementos propiciadores da apropriação de conhecimentos sobre atividade de ensino, a partir dos princípios e práticas de organização dos sujeitos em atividade nesse movimento de formação. O referencial teórico e metodológico adotado tem por base os pressupostos da teoria Histórico-Cultural com ênfase na Teoria da Atividade, fundamentados no materialismo histórico-dialético. 

Biografia do Autor

Neiva Nazareth da Silva

Mestranda do PPGEduMat; UFMS; Campo Grande, MS, Brasil

Neusa Maria Marques de Souza

Orientadora: Professora do PPGEduMat; UFMS; Campo Grande, MS, Brasil.

Referências

CEDRO, W. L. O motivo e a atividade de aprendizagem do professor de Matemática: uma perspectiva histórico-cultural. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2008.

DAVÍDOV. V; MÁRCOVA, A. La concepción de la actividad de estudio de los escolares. In: SUARE, M.; DAVIDOV, V. La psicología evolutiva y pedagogía en La URSS – Ontología. Moscú: Editorial Progresso, 1987. p.316 – 337.

FURLANETTO, F.R. O movimento no sentido pessoal na formação inicial do professor. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2013.

KOSIK, K. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa-PT: Livros Horizonte, 1978.

LEONTIEV, A. N. Actividade Consciência e Personalidade. Tomado da edição original em russo. Moscú: Editorial Politzdat, 1975. Trad. Maria Silvia Cintra Martins. The Marxists Internet Archive, 1978a.

LEONTIEV, A. N. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VIGOTSKI, L. S.; LURIA, A. R. & LEONTIEV, A. N. (Orgs) Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 11 ed. São Paulo: Ícone, 2001, p. 59-84.

LOPES, A. R. L. V. Aprendizagem da docência em matemática. Universidade de Passo Fundo. Passo Fundo- RS, 2009.

MORETTI, V. D. Professores de Matemática em atividade de ensino: uma perspectiva histórico-cultural para a formação docente. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2007.

MOURA, M.O. de. et al. Atividade orientadora de ensino: unidade entre ensino e aprendizagem. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 10, n. 29, p. 205-229, jan./abr. 2010.

RIBEIRO, F. D. A aprendizagem da docência na prática de ensino e no estágio: contribuições da teoría da atividade. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2011.

RUBTSOV, V. A Atividade de Aprendizado e os Problemas Referentes à Formação do Pensamento Teórico dos Escolares. In. GARNIER, C; BEDNARZ, N; ULANOVSKAYA, I. (orgs.). Após Vygotsky e Piaget: perspectivas social e construtivista. Escolas russa e ocidental. 2. reimp. trad. Eunice Gruman. Porto Alegre: Artes Médicas, 2003.

SOUZA, N.M.M.de. Professores que Ensinam Alunos que não Aprendem: paradoxos em contextos de escolarização básica e a busca da compreensão do papel da atividade de ensino em matemática. Relatório (Pós-Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013. (47 páginas).

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem, 2. ed, São Paulo: Martins Fontes, 2009.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.