JOGOS VIRTUAIS E EDUCAÇÃO MATEMÁTCIA: POSSIBILIDADE DE UMA RE (EDUCAÇÃO) NA ESCOLA

  • Claudia Steffany da Silva Miranda UFMS
  • Suely Scherer UFMS
Palavras-chave: Jogos Virtuais, Educação Matemática, Nativos digitais

Resumo

Este texto apresenta ideias iniciais sobre uma pesquisa de mestrado em desenvolvimento no Programa de Educação Matemática da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). A pesquisa objetiva analisar o uso do jogo virtual como uma possibilidade para o ensino e aprendizagem de matemática. Nesta pesquisa será desenvolvida uma sequência didática com os alunos do sétimo ano do ensino fundamental. Para análise dos dados coletados na pesquisa será utilizada a metodologia de análise de conteúdo. Neste artigo apresenta-se estudos teóricos realizados sobre jogos virtuais, destacando algumas contribuições destes para o processo de aprendizagem com o uso de jogos virtuais. A partir destes estudos teóricos, conclui-se que os jogos devem ser integrados no “mundo” escolar de maneira que continuem com suas características lúdicas, e que possibilitem aos alunos brincarem de “faz- de– conta” e refletirem sobre informações presentes nos jogos, articulados com a aprendizagem de conceitos específicos, no caso, da matemática. Também são apresentados aspectos positivos e negativos do uso de jogos virtuais, características dos nativos digitais, para discutir a necessidade de um novo currículo para a escola, que contemple a natureza do nativo digital e o lúdico presente em jogos virtuais. 

Referências

AGUIAR, E. V. B. As novas tecnologias e o ensino-aprendizagem. VÉRTICES, Rio de Janeiro, v.10, p. 63-71, jan/dez. 2008.

ALVES, Eva Maria Siqueira. A ludicidade e o ensino de matemática: uma prática possível. Campinas, SP: Papirus, 2001.

ALVES, Lynn Rosalina Gama. Game over: Jogos e violência. 2004. 211f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

BITTENCOURT, J. R. Promovendo a Ludicidade Através de Jogos Livres. In: XV Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, 2005, Juíz de Fora. Mini cursos do XVI Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2005. p. 43-63.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRENELLI, Rosely Palermo. O jogo como espaço para pensar: a construção de noções lógicas e aritméticas. Campinas, SP: Papirus, 2002.

BRITO, Josivaldo de Souza. Investigando a identificação de conteúdos e a mobilização de habilidades matemáticas em jogos de estratégia virtuais em alunos do 3º ano do ensino médio. 2008. 95 f. Dissertação (Mestrado em Ensino das Ciências) - Universidade Federal Rural de Pernambuco. Recife, 2008.

CASTRO, Eliziane. A Importância dos Jogos na Aprendizagem Matemática das Crianças de 4 a 6 Anos. Educação. 2005. Disponível em: <http://www.educacional.com.br/articulistas/outrosEducacao_artigo.asp?artigo=artigo0071>. Acesso em: 30 jan. 2012.

COSTA, Alan Queiroz da. Mídias e jogos: do virtual para uma experiência corporal educativa.2006. 190 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Motricidade) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Rio Claro, 2006.

FARIA, E. C.; SILVA, R. F.; FERNANDES, F. C. R. Estímulo ao raciocínio e à lógica por meio de jogos virtuais. In: XIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica, 2009, São José dos Campos. Anais - XIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica. São José dos Campos: Univap, 2009. p.1-6.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Televisão & Educação: Fruir e pensar a TV. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

GREENFIELD, Patricia Marks. O desenvolvimento do raciocínio na era da eletrônica: os efeitos da TV, computadores e vídeo-games. (Trad.) Cecília Bonamine. São Paulo: Summus, 1988.

HAGUENAUER, C. J. ; Fabrícia, S.C. ; Victorino, A. L. Q. ; Lopes, M.C.A. ; Cordeiro, F. Uso de Jogos na Educação Online: a Experiência do LATEC/UFRJ. Revista Educa online, UFRJ, v. 1, nº 1, p.1-14, jan/abr, 2007.

JONES, Gerard. Brincando de Matar Monstrons: por que as crianças precisam de fantasia, videogames e violência de faz-de – conta. (Trad.) Ana Ban. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004.

MALTEMPI, Marcus Vinicius; ROSA, Mauricio. A Tecnologia Lúdico-Educativa como “Atriz” na Construção do Conhecimento Matemático. In: BELINE, Willian; COSTA, Nielce Meneguelo Lobo Da. (Orgs). Educação Matemática, Tecnologia E Formação De Professores: Algumas Reflexões. Campo Mourão: FECILCAM, 2010. p. 185-214.

MOITA, Filomena Maria Gonçalves da Silva Cordeiro. Game On: jogos eletrônicos na escola e na vida da geração @. São Paulo: Alínea, 2007.

PAPERT, Seymour. A Máquina da Criança: repensando a escola na era da informática. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

PRENSKY, Marc. Não me atrapalhe, mãe - Eu estou aprendendo: como os vídeos games estão preparando nossos filhos para o sucesso no século XXI- e como você pode ajudar!. (Trad.) Lívia Bergo. São Paulo: Phorte, 2010.