GRUPO DE TRABALHO COMO OPORTUNIDADE DE FORMAÇÃO INICIAL EM UM CURSO DE PEDAGOGIA

  • Edivagner Souza dos Santos Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande
  • Roberta Marisa Abrili Marconi Centro Universitário Anhanguera de Campo grande
Palavras-chave: Formação Inicial, Grupo de Trabalho, Matemática do Professor de Matemática, Modelo dos Campos Semânticos, Análise da Produção Escrita.

Resumo

Este artigo é oriundo de um projeto de iniciação científica. Apresenta uma estrutura de formação envolvendo professores atuantes no ensino superior, educação básica e acadêmicos do curso de pedagogia. Este espaço formativo é denominado Grupo de Trabalho (GT), constituído com intuito de discutir aspectos ligados à prática profissional dos professores da educação básica, como demandas, entraves da prática profissional, vontades, possibilidades, etc.. As discussões e caracterizações que apresentamos neste artigo ocorreram principalmente na elaboração, momento em que a apropriação desta metodologia de formação estava em curso, assim como pairavam dúvidas envolvendo as estruturas organizadas para formação. Evidenciamos aspectos que demarcam esta metodologia formativa, dando ênfase nas estruturas conceituais que sustentam o espaço formativo. Para tal movimento, apoiamos em algumas noções do Modelo dos Campos Semânticos de Lins (1999; 2012), especificamente objeto, significado e leitura plausível.

Referências

BRITTO. Mauro Luís Borsoi. Uma discussão de discussões de professores que ensinam matemática em um grupo de trabalho. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática-UFMS, Campo Grande-MS, 2015.

LINARDI, Patricia Rosana. Rastros da formação Matemática na prática profissional do professor de matemática. 2006. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2006.

LINS, Romulo Campos. Por que discutir Teoria do Conhecimento é relevante para a Educação Matemática. In: BICUDO, M. A. V. (Org.). Pesquisa em Educação Matemática: Concepções e Perspectivas. Rio Claro: Editora UNESP, 1999. p. 75 – 94.

_______. Modelo dos Campo Semânticos e Educação Matemática: 20 anos de história. Org. Claudia Laus Angelo [et al.]. São Paulo: Midiograf, 2012.

_______. Characterizing the mathematics of the mathematics teacher from the point of view of meaning production. In: 10th International Congress on Mathematical Education, Copenhagen, 2006. Copenhagen. Proceedings… Plenary and Regular Lectures, 2006, p. 1-16.

OVANDO, Elaine Cristina Braga. Sobre um processo de elaboração de propostas de trabalho de matemática para o ensino fundamental. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática-UFMS, Campo Grande-MS, 2017.

SANTOS. Edivagner Souza dos. Um long play sobre formação de professores que ensinam matemática. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática-UFMS, Campo Grande-MS, 2016.

SANTOS. Edivagner Souza dos; VIOLA DOS SANTOS, Jõao Ricardo.

Uma discussão da matemática do professor que ensina matemática nos anos iniciais do ensino fundamental. BOLETIM GEPEM. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Nº 72, 2018.

VIOLA DOS SANTOS, João Ricardo. O que alunos da escola básica mostram saber por meio de sua produção escrita em matemática. 2007. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

_______. VIOLA DOS SANTOS, João Ricardo. Grupo de Trabalho como Espaço Formações (ou: arte de produzir efeitos sem causa). Revista Perspectiva em Educação Matemática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande-MS. v. 11, n. 26, 2018.

WESLEY DA SILVA. Darlysson. Conhecimentos de professores que ensinam matemática em um grupo de trabalho que analisa produções escritas em matemática. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática-UFMS, Campo Grande-MS, 2015.

Publicado
2019-09-15