TECNOLOGIAS ABERTAS: FERRAMENTAS PODEROSAS PARA ENSINO DE MATEMÁTICA

  • Luiz Fernando Frozza Uniderp e Secretaria de Educação de Mato Grosso do Sul.
  • Diego Fogaça Carvalho UNIDERP
Palavras-chave: Tecnologias, Vídeo Aulas, Ambientes Abertos

Resumo

O objetivo é relatar uma experiência de prática docente para o ensino de matemática, aplicada no 3° ano do ensino médio. A proposta é incorporar em paralelo ao modelo tradicional de ensino, ambientes virtuais abertos, o Yotube e a sala de aula do Google (gooleclassroom). A utilização desses ambientes para aplicação de atividades diversificadas em conjunto com as aulas presenciais, mostraram-se uma ferramenta útil para auxiliar no ensino e aprendizagem de matemática, principalmente na otimização do tempo e na possibilidade de fazer um trabalho direcionado, com relação aos níveis de dificuldade em que os alunos se encontram. A proposta é baseada na gravação de vídeo das aulas presenciais, dos exercícios resolvidos em sala e das aulas teóricas relacionadas a grade curricular (Base Nacional Comum Curricular). Os vídeos são postados nos ambientes abertos e ficam disponíveis para visualização dos alunos e do professor, possibilitando que o professor faça uma reflexão pedagógica (da didática e das práticas adotadas). As gravações são feitas ao vivo, sem qualquer tipo de edição e postadas no canal do Youtube, os links disponibilizados na sala de aula do, juntamente com listas de exercícios de vestibulares. Os resultados alcançados foram positivos, principalmente no que diz respeito às orientações destinadas aos alunos com maior dificuldade (por falta de pré-requisitos), que podem rever as aulas postadas quantas vezes acharem necessário. Juntamente com esse fato, são postadas listas e vídeos com os assuntos mais cobrados nos vestibulares, evitando assim prejuízos para os alunos com maior facilidade na assimilação dos conceitos relacionados à matemática. 

Biografia do Autor

Luiz Fernando Frozza, Uniderp e Secretaria de Educação de Mato Grosso do Sul.
Formado em Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2008). Fez parte do corpo docente da Universidade UNIEURO e do CEM 01 (Centro de Ensino Médio 01 Paranoá). Foi criador de um curso preparatório para o ENEM e trabalhou como professor no ensino fundamental, médio, cursinhos pré-vestibulares, com Mecânica e Matemática financeira no I.F.B. (Instituto Federal de Brasília), também em cursos técnicos no Senac, como instrutor de Estatística, Lógica, Matemática Básica e Matemática Financeira. Com sua experiência em mecânica, foi criador do Curso Jovem Aprendiz em Mecânica Automotiva no Instituto Federal de Brasília (Campus Estrutural). Trabalhou junto ao centro de Ciência Mecânica da Universidade de Brasília no desenvolvimento de combustíveis 100% renováveis para funcionamento de motores a Diesel. Atualmente reside em Campo Grande, trabalha como professor do ensino médio na Escola Estadual Severino Ramos de Queiroz e é voluntário no Instituto Luther King, em um curso preparatório para o ENEM, gratuito e voltado para comunidade de baixa renda. Atualmente faz Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática da Uniderp.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC/SEB, 2018.

FREITAS, J. L. M.; MONGOLLI, M. C. J. G.; Resolução de problemas I – Licenciatura em Matemática – Conselho Editorial da UFMS: UFMS, 2008.

MAIOR, L.; TROBIA, J., Tendências Metodológicas de Ensino-Aprendizagem em Educação Matemática: Resolução de Problemas – Um Caminho, Programa de desenvolvimento educacional – PDE, 2004) .

MOURÁN, J. M., O vídeo na sala de aula, ECA USP - São Paulo , 1999.

ONUCHIC, L. R., Ensino-Aprendizagem de Matemática Através da Resolução de Problemas, Pesquisa em educação matemática (São Paulo: Editora UNESP, 1999. – (Seminários & Debates).

D’AMBRÓSIO, B. S., A Evolução da Resolução de Problemas no Currículo Matemático (Miami University Ohio, EUA).

ARAGÃO, M. F. A., A História da Modelagem Matemática (IX EPBEM - Encontro Paraibano de Educação Matemática).

INEP – MEC: Instituto Nacional de Estudo e Pesquisa Educacionais Anísio Teixeira. Disponível em: < http://portal.inep.gov.br/artigo/ >

Publicado
2019-09-02