UM ESTUDO PRAXEOLÓGICO DO CONTEÚDO DE CONGRUÊNCIA DE TRIÂNGULOS EM UM LIVRO DIDÁTICO

  • José Terêncio Neto Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Teoria Antropológica do Didático, Livro Didático, Praxeologia, Organização Matemática, Organização Didática.

Resumo

Este trabalho é um estudo praxeológico do conteúdo de congruência de triângulos em um livro didático do 8º ano do ensino Fundamental. Durante a construção da questão problema e dos objetivos gerais deste estudo buscamos entender como o conteúdo de congruência vem sendo abordado no livro didático, e assim, pretendemos expor um estudo praxeológico da Organização Matemática (OM) e Organização Didática (OD) desse conteúdo, sendo o aporte teórico e metodológico a Teoria Antropológica do Didático (TAD). Concluímos, sob a perspectiva da TAD que o conteúdo abordado e objeto de estudo apresenta características tecnicistas, pois explora muito as tarefas e as técnicas empregadas para a resolução das atividades e ignora o bloco tecnológico/teórico e tem na sua Organização Didática valorizado a exploração de diferentes tipos de tarefas e técnicas. Apesar de estarmos caminhando para um ensino cada vez mais preocupado em contextualizações, o professor ao trabalhar com esse livro terá que realizar algumas modificações na sua prática em sala de aula, de modo que ultrapasse o ensino de Matemática como um estudo de cálculos repetitivos, valorizando apenas regras e memorizações, foi observado (no conteúdo em estudo) que ainda se está muito engessado em orientações pedagógicas ultrapassadas.  

Biografia do Autor

José Terêncio Neto, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Discente do Mestrado em Educação matemática pela UFMS; Especialista em Educação Matemática e Ensino de Ciências; Graduado em Matemática-Licenciatura pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Referências

ANJOS, Danielly Regina Kaspary. Análise da Proposta de Ensino de uma Coleção de Livros Didáticos Para Operações de Adição e Subtração de Números Naturais. 2014.

f. Trabalho de Conclusão de Curso (Dissertação). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS. Campo Grande, 2014.

BRASIL. Guia de livros didáticos. PNLD 2017: Matemática. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC, 1998.

CHEVALLARD, Yves., BOSCH, Marianna., GASCÓN, Josep. Estudar matemáticas: o elo perdido entre o ensino e a aprendizagem. Tradução: Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre:

Artmed Editora, 2001. CHEVALLARD, Yves. A Análise das Práticas Docentes na Teoria Antropológica do Didático; Analyse des pratiques enseignantes et didactique des mathematiques:

L´approche antropologique. In Recherches en Didactique des Mathématiques, Vol 19, nº 2, pp. 221-266, 1999. Versão disponível em: http://yves.chevallard.free.fr/spip/spip/

DANTE, Luiz Roberto. Livro Didático de Matemática: uso ou abuso? Em Aberto, Brasília, ano 16, n.69, jan./mar. 1996.

GASCÓN, Josep. La necessidade de utilizar modelos em didáctiva de la matemáticas.

Educação Matemática e Pesquisa, São Paulo, v. 5, n. 2, 2003.

Ministério da Educação. Portal do MEC, PNLD. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12391& 02 de Fev de 2018.

NUNES, Célia Barros. O Processo Ensino-Aprendizagem-Avaliação de Geometria através da Resolução de Problemas: perspectivas didático-matemáticas na formação inicial de professores de matemática. 2010. 430 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Dissertação). Universidade Estadual Paulista – UNESP. Rio Claro, 2010.

SANTOS, M.; SOUZA, D. Estudo dos Triângulos Sob a Perspectiva da Teoria Antropológica do Didático: Uma Analise do Livro Didático “A Conquista da Matemática”. Caminhos da Educação Matemática em Revista/On line - v. 2, n. 1, 2014. SOARES, Luiz Havelange. Aprendizagem Significativa na Educação Matemática: uma proposta para a aprendizagem de Geometria Básica. 2009. 141 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Dissertação). Universidade Federal da Paraíba – UFP. João Pessoa, 2009.

Publicado
2019-09-15