Dandy

uma criação das metrópoles novecentistas

  • Marcos Antônio de Menezes Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Damdy, Baudelaire, História.

Resumo

O poeta de As Flores do Mal buscou compreender o tempo em que viveu, chamou as coisas pelo nome das coisas, desnudou-as. Para melhor traduzir o espírito de seu tempo, Baudelaire assumiu para si a responsabilidade de viver este tempo plenamente, nem que para isso fosse necessário correr o risco da despersonalização. Cada personagem, dandy ou flâneur – figuras emblemáticas do tempo do poeta francês que ele colocava sobre o corpo e a alma – são elementos-chave para permitir desvendar Paris, cidade-símbolo do século XIX. Em personagens tais como: o trapeiro, o boêmio, o dândi e o flâneur, o poeta procurou desvelar as máscaras da cidade. Isso quer dizer que, neste trabalho, procuramos pensar as figuras do dândi e do flâneur como personagens que revelaram a capital francesa. Personagens emblemáticos de um tempo – o século XIX – e, como tal, haverão de ser mostrados por dentro. E, assim, por meio deles, nos aproximarmos espacial e temporalmente do homem e do poeta Charles Baudelaire.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Antônio de Menezes, Universidade Federal de Goiás
Professor do Departamento de História da Universidade Federal de Goiás - Regional Jataí e do Programa de Pós-graduação em História da UFG/Goiânia.

Referências

BAUDELAIRE, Charles. O Spleem de Paris: pequenos poemas em prosa. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

BAUDELAIRE, Charles. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.

BAUDELAIRE, Charles. Escritos Íntimos. Lisboa: Estampa, 1994.

BAUDELAIRE, Charles. Obras Estéticas: filosofia da imaginação criadora. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

BAUDELAIRE, Charles. A modernidade de Baudelaire. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

BAUDELAIRE, Charles. As Flores do Mal. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BOLLE, Willi. Fisiognomia da Metrópole Moderna: representação da História em Walter Benjamin. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1994.

CÂNDIDO, Antônio. Terezina etc. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

D´ONOFRIO, Salvatore. Literatura Ocidental: autores e obras fundamentais. 2ª. ed. São Paulo: Ática, 2000.

ELIAS, Maria Cristina. Uma vida gravada na água. Revista Cult. São Paulo, novembro/2000, p. 56.

GAUTIER, Théophile. Baudelaire. São Paulo: Boitempo, 2001.

GRIECO, Agripino. Evolução da prosa brasileira. Rio de Janeiro: Ariél, 1933.

JUNQUEIRA, Ivan. Baudelaire, Eliot, Dylan Thomas: três visões da modernidade. Rio de Janeiro: Record, 2000.

KONDER, Leandro. Walter Benjamin: o marxismo da melancolia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

OEHLER, Dolf. Quadros Parisienses (1830-1848): estética antiburguesa em Baudelaire, Daumier e Heine (1830–1848). São Paulo Companhia. das Letras, 1997, p. 206.

SECCO, Carmem Lúcia Tindó. Morte e prazer em João do Rio. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.

SEIGEL, Jerrold. Paris Boêmia – cultura, política e os limites da vida burguesa: 1830–1930. Porto Alegre: L&PM, 1992.

VENEU, Marcos Guedes. O Flâneur e a Vertigem: Metrópole e subjetividade na obra de João do Rio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 3, n. 6, 1990, p. 237.

Publicado
2020-01-11
Como Citar
Menezes, M. A. de. (2020). Dandy. Albuquerque: Revista De história, 11(21), 26-39. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/AlbRHis/article/view/9231