Conhecendo as Políticas de Memória Escolar Argentina e a História da Educação Matemática

  • Diogo Franco Rios UFPel

Resumo

O presente trabalho apresenta alguns dos primeiros resultados produzidos no âmbito do estágio pós doutoral que está sendo desenvolvido junto à Facultad de Ciencias Sociales da Universidad de Buenos Aires (UBA), Argentina, visando conhecer políticas de memória e de acervo escolar argentinas e refletir sobre alternativas para as políticas públicas de preservação do nosso patrimônio cultural brasileiro, particularmente da memória educacional, que admitem ou, mesmo, orientam um descarte dos documentos relacionados às práticas de ensino após um curto intervalo de tempo. Aqui apresento o Programa de Archivos Escolares y Museos Históricos de Educación, uma política pública existente na Argentina, constituída em 2013, resultante de outros programas e ações estabelecidos a partir de 2007 naquele país. O Programa já estabeleceu uma considerável rede de arquivos escolares e museus históricos de educação, são 111 distribuídos em 22 jurisdições.

Biografia do Autor

Diogo Franco Rios, UFPel

Doutor em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela UFBA/UEFS; Pós-doutorando em Ciências Sociais, Universidad de Buenos Aires, Argentina. Professor da Universidade Federal de Pelotas, Brasil. Email: riosdf@hotmail.com.

Referências

Archivos y Museos. (13 de abril de 2020). Archivos Escolares y Museos Históricos de Educacíon. Buenos Aires, Argentina: Ministerio de Educación. Biblioteca Nacional de Maestros. Disponível em <http://www.bnm.me.gov.ar/redes_federales/archivos/institucional/>.

Archivos y Museos. (15 de abril de 2020). Archivos y Museos em Números. Buenos Aires, Argentina: Ministerio de Educación. Biblioteca Nacional de Maestros. Disponível em <http://www.bnm.me.gov.ar/redes_federales/archivos/institucional/numeros/index.php>.

Escolano Benito, A. (2010). Patrimonio Material de la Escuela e Historia Cultural. Revista Linhas, 11(2), 13-28.

Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). Guia dos Museus Brasileiros/Instituto Brasileiro de Museus. Brasília: Instituto Brasileiro de Museus, 2011.

Ley n. 26.917, promulgada em 9 de janeiro de 2014. (2014). Trata de criar o Sistema Nacional de Bibliotecas Escolares y Unidades de Información Educativas, atendendo ao estabelecido na Ley de Educación Nacional, nº 26.206, de 2006. Buenos Aires, Argentina.

Ministerio de Educación, Ciencia y Tecnología. (2007). Resolución nº 1.422, de 20 de setembro de 2007. Trata da criação do Programa Nacional de Archivos Escolares. Buenos Aires, Argentina.

Resolución Ministerial nº 717, de 16 de abril de 2013. Trata de criar o Programa Nacional de Archivos Escolares y Museos Históricos de Educación. Buenos Aires, Argentina.

Rios, D. F. (2015). Contribuições dos Lugares de Memória para a Formação de Professores de Matemática. Acta Scientiae, 17, 5-23.

Rios, D. F. & Rodrigues, J. M. (2020). Para Guardar o que Quer que se Guarde: dos acervos escolares à construção de uma coleção digital. In E Zardo Búrigo, A. Dalcin, C. Circe Mary Silva da Silva, D. Franco Rios, L. H. Ferraz Pereira & M. C. Bueno Fischer (Eds.), Saberes Matemáticos nas Escolas Normais do Rio Grande do Sul (1889-1970), (pp. 69-90). São Leopoldo: Editora Oikos.

Publicado
2020-10-24
Como Citar
Franco Rios, D. (2020). Conhecendo as Políticas de Memória Escolar Argentina e a História da Educação Matemática . Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (5), 1-5. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/10884
Seção
Sessões Coordenadas