O Ensino de Matemática nas Escolas Públicas de Canoas/RS, década de 1950

  • Alexandre Ausani Huff Universidade Luterana do Brasil (ULBRA)
  • Arno Bayer Universidade Luterana do Brasil (ULBRA).

Resumo

O presente artigo é um recorte da Dissertação de Mestrado “A História do Ensino de Matemática nas Escolas Públicas Municipais de Canoas de 1940 a 2016”. Neste, trazemos a proposta de apresentar o Ensino de Matemática praticado no município de Canoas na década de 1950. Para fundamentar a pesquisa foi necessário utilizar a metodologia de pesquisa proposta pela Hermenêutica de Profundidade, que visa a interpretação fidedigna dos documentos através da contextualização sócio-histórica. Para entender a prática do professor de Matemática da década de 1950, foi necessário apresentar as ideias da Tendência Formalista-Clássica, que certamente influenciava o planejamento pedagógico nesta época. O Ensino de Matemática dos anos 1950 é, então, apresentado através da interpretação dos documentos e das leis vigentes, assim como da sociedade que viveu nesta época.

Palavras-chave: Educação de Matemática; Tendência Formalista-Clássica; Hermenêutica de Profundidade; História do Ensino de Matemática. 

Biografia do Autor

Alexandre Ausani Huff, Universidade Luterana do Brasil (ULBRA)

Professor de Matemática nos Municípios de São Leopoldo e Porto Alegre.

Especialista em Supervisão e Orientação Educacional.

Especialista em Psicopedagogia.

Mestre em Ensino de Ciências e Matemática - ULBRA/Canoas

Arno Bayer, Universidade Luterana do Brasil (ULBRA).
Professor Doutor em Educação.

Referências

Búrigo, E.Z. (2014). Aritmética nas escolas primárias gaúchas na primeira metade do século 20: o ensino prescrito. Revista História da Educação. [Online]. Porto Alegre, 18 (44), 9-25.

Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/heduc/v18n44/02.pdf

Fiorentini, D. (1995). Alguns modos de ver e conceber o ensino de Matemática no Brasil. Revista Zetetiké. São Paulo, 3 (4), 1-37.

França, I. da S., Claras, A. F. & Portela, M. S. (2013). Nas sabatinas e nas bancas examinadoras a avaliação da matemática escolar do ensino primário: da primeira república ao Estado Novo (1880 – 1950). Anais do XI encontro Nacional de Educação Matemática. Curitiba.

Hora, D. M. (2006). Grupos Escolares no Distrito Federal do Rio de Janeiro. VII Seminário Nacional de Estudos de Pesquisas. Campinas: UNICAMP.

Huff, A. A. & Bayer, A. (2017). A História do Ensino de Matemática nas Escolas Municipais de Canoas: as sabatinas do ano de 1956. VIICIEM. Canoas: ULBRA.

Huff, A. A. (2018). A História do Ensino de Matemática nas Escolas Públicas Municipais de Canoas de 1940 a 2016. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática. Canoas: Universidade Luterana do Brasil.

Decreto-Lei nº 5.529, de 2 de janeiro de 1946. (1946). Lei Orgânica do Ensino Primário.

Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-8529-2-janeiro-1946-458442-publicacaooriginal-1-pe.html

Reis, D. A. F. (2014). Cadernos Escolares Como Formas Simbólicas: uma análise formal ou discursiva dos cadernos do Arquivo Pessoal Alda Lodi. Anais do II Encontro Nacional de Pesquisas em História da Educação Matemática. Bauru.

Santos, E. C. R. (2015). Escolas reunidas: um modelo entre as escolas isoladas e os grupos escolares em Mato Grosso. Revista Histed BR On-line. 15.

Publicado
2019-04-24
Seção
Sessões Coordenadas