Cartonagem e o ensino de geometria: análise de manuais fluminenses

  • Maria Célia Leme da Silva

Resumo

O presente estudo analisa como manuais pedagógicos de Geometria e de Trabalhos Manuais produzidos no Brasil, no final do século XIX e início do século XX, propõem a articulação entre o ensino de geometria na escola primária e a cartonagem como um tipo de trabalho manual. Examinase três manuais escolares, um de Geometria Prática, de Olavo Freire da Silva (1894), um de Cartonagem Escolar, de Ezequiel Benigno Vasconcellos Junior (1897) e um terceiro de Geometria, de Heitor Lyra da Silva (1923). A análise revela que as produções modificam os saberes da
profissionalização de professores (Hofstetter & Schneuwly, 2017), tanto no que diz respeito aos saberes a ensinar, cuja referência é o campo disciplinar da Geometria, como aos saberes para ensinar, que se caracterizam como ferramentas de trabalho docente, vinculados à Pedagogia.

Como Citar
da Silva, M. C. L. (1). Cartonagem e o ensino de geometria: análise de manuais fluminenses. Anais Do ENAPHEM - Encontro Nacional De Pesquisa Em História Da Educação Matemática - ISSN 2596-3228, (4). Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/ENAPHEM/article/view/7956
Seção
Mesas redondas - submetidas