PARA ALÉM DA DISCIPLINA: prática e pesquisa em Literatura Comparada hoje

  • Paulo Sérgio Nolasco dos Santos UFGD

Resumo

Gerard Genette, em Seuils, refletindo acerca da semiótica do paratexto, diz-nos que a epígrafe, como uma citação em exergo (isto é, aquilo que está fora da obra – ex ergon –, datando-a, situando-a no tempo, como a inscrição do ano numa moeda ou numa medalha), joga com a economia geral dos sentidos, participando da rede de relações que é toda narração.
Citar antes de começar é elevar ao lugar de produção de sentidos, fazendo ressoar palavras cujos sentidos e formas deveriam dominar a cena. Cito, portanto, deixando que ressoem, palavras de Wladimir Krysinski, extraídas do ensaio “Narrativas de valores: Os novos actantes da Weltliteratur” que dominarão a cena que lhes trago...

Publicado
2016-09-21