POR QUE ENSINAR LÍNGUA INGLESA DENTRO DA PERSPECTIVA DOS LETRAMENTO(S) CRÍTICO(S)?

Ana Claudia Turcato de OLIVEIRA

Resumo


Este artigo tem como objetivo propor uma reflexão sobre a formação de professores sob uma perspectiva crítica. Neste prisma buscamos construir caminhos que levem em consideração questões relacionadas ao ensino de Língua Inglesa como uma ação includente, respeitando a diversidade de contextos, as identidades, a questão da hegemonia, e, sobretudo, os mecanismos que nos impedem de ouvir todas as vozes contidas na sociedade, principalmente a voz dos que são excluídos por questões de poder. O ensino crítico considera a diversidade das formas de pensar e a mudança de paradigmas quanto ao ensino de língua inglesa. A língua que deveria incluir, na maioria das vezes exclui, dado a elitização e a crença de que ela não pode ser efetiva nas escolas. Em busca de um ensino e aprendizagem de Língua Inglesa, sob o ponto de vista pós- estruturalista, crítico e reflexivo, os letramentos críticos buscam novos olhares para uma possível transformação da sociedade em que vivemos por meio da conscientização e formação de seres mais conscientes que compreendam a diversidade, o respeito e o papel da Língua Inglesa em nosso contexto local e global

Palavras-chave


Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa. Ensino crítico. Inclusão.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, Elisa. B. A. Um galo sozinho não tece um(a) manhã: O papel de uma Associação de Professores de Inglês no Desenvolvimento da Competência Profissional de seus Associados. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília-DF: 2010.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais, códigos e suas tecnologias. Língua estrangeira moderna. Brasília: MEC, 1999. p 49-63.

______.Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental. Língua estrangeira. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, 1998.

FABRICIO. Branca Falabella. Recriando a sala de aula de aula de Língua Estrangeira: A ordem disciplinar revisitada. In: MACIEL, Ruberval Franco & ARAUJO, Vanessa Assis. (orgs.) Ensino de Língua Inglesa: contribuições da Lingüística Aplicada: Campo Grande-MS, Ed. UNAES, 2008.

______.Ministério da Educação e Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais, códigos e suas tecnologias. Língua estrangeira moderna. Brasília: MEC, 1999.

______.Ministério da Educação e Secretaria de Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN Ensino Médio. Brasília: MEC; SEMTEC, 2002.

ALVARENGA, M. B. Configuração da abordagem de ensinar de um professor com reconhecido nível teórico em Lingüística Aplicada. In: ALMEIDA FILHO, J. C. P. (Org.). O professor de língua estrangeira em formação. Campinas: Pontes, 1999. p.111-125.

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 2004.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2009.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEB. 2006. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2009.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. Trad. Sandra Trabucco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2002.

COX, M. I. P.; ASSIS-PETERSON, A. A. O professor de inglês: entre a alienação e a emancipação. Linguagem e Ensino, v. 4, n. 1, 2001, p. 11-36.

CRYSTAL, D. English as a global language. Cambridge: Cambridge University Press,

______. Inglês global com David Crystal. 2009. Disponível . Acesso em: 28 ago. 2009.

DUBOC, A. P. Letramento Crítico nas Brechas da Sala de Línguas Estrangeiras.In: TAKAKI, N.H; e MACIEL,R.F. (Orgs).Letramentos em Terra de Paulo Freire. Campinas,SP: Pontes Editores, 2014. P.209-229.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Trad. Izabel Magalhães. Brasília: Editora da UnB, 2001.

FIGUEREDO, C. J. Construindo pontes: a produção dialógica dos participantes do processo ensino-aprendizagem de inglês como língua-cultura estrangeira. 2007. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2007.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

______. Resumo dos cursos do Collège de France (1970-1982). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIROUX, H. Teoria crítica e resistência em educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.

HORIKAWA, A. Y. Interação pesquisador-professor: por uma relação colaborativa. In: MAGALHÃES, M. C. C. (Org.). A formação do professor como um profissional crítico. São Paulo: Mercado das Letras, 2004. p.121-143.

LONGARAY, E. A. A aprendizagem de inglês na escola pública no Brasil e o mito da importância da língua estrangeira. Em Aberto, v. 22, n. 81, p. 47-59, ago. 2009.

MAGALHÃES, M. C. C. O professor de línguas como pesquisador de sua ação: a pesquisa colaborativa. In: GIMENEZ, T. (Org.). Trajetórias na formação de professores de línguas. Londrina: UEL, 2002. p. 39-58.

MCKAY, S. L. Teaching English as an international language: rethinking goals and

Approaches. Oxford: Oxford University Press, 2002.

MOITA LOPES, L. P. A nova ordem mundial, os parâmetros curriculares nacionais e o ensino de inglês no Brasil: a base intelectual para uma ação política. In: BARBARA, L.; RAMOS, R. C. G. (Org.). Reflexão e ações no ensino-aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado de Letras, 2003. p. 29-57.

MONTE MÓR, Walkyria. Critical literacies, meaning making and new epistemological perspectives. Matices en Lenguas Extranjeras, v. 02, p. 01-18, 2009.

MORGAN, B. Poststructuralism and applied linguistics: complementary approaches to identity and culture in ELT. In: CUMMINS, J. & DAVISON, C. (Org.). International handbook of English language teaching. Norwell, MA: Springer Publishers, 2007. p. 949-968.

NUNAN, D. Research methods in language learning. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

PENNYCOOK, A. A linguística aplicada nos anos 90: em defesa de uma abordagem crítica. In: SIGNORINI, I; CAVALCANTI, M. C. (Orgs.) Linguística aplicada e transdisciplinaridade. Campinas: Mercado das Letras, 1998. p. 23-49.

______. The myth of English as an international language. In: MAKONI, S.; PENNYCOOK, A. (Ed.). Disinventing and reconstituting languages. Clevedon: Multilingual Matters, 2007. p. 90-115.

PENNYCOOK, A. (2006) Uma lingüística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma lingüística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, p. 67-84.

PHILLIPSON, R. Linguistic imperialism. Oxford: Oxford University Press, 2003.

RAJAGOPALAN, K. Línguas nacionais como bandeiras patrióticas, ou a lingüística que nos deixou na mão: observando mais de perto o chauvinismo lingüístico emergente no Brasil. In: RAJAGOPALAN, K.; SILVA, F. L. (Orgs.) A lingüística que nos faz falhar: investigação crítica. São Paulo, Parábola, 2004. p. 11-38.

PESSOA, R. R. (Org.); BORELLI, J. D. V. P. (Org.). Reflexão e crítica na formação de professores de língua estrangeira. 1. ed. Goiânia: Editora UFG, 2011. 168p.

SANTOS, P. S. Requisitos e expectativas na construção da competência profissional para ensinar LE. 2005. Dissertação (Mestrado em Lingüística Aplicada) – Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de línguas Estrangeiras e Tradução, Brasília, 2005.

TAKAKI, Nara Hiroko e MACIEL, Ruberval Franco (Orgs). Letramentos em Terra de Paulo Freire. Campinas: Pontes Editora, 2014.

VEIGA-NETO, A. Foucault e a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

VOLPI, M. T. A formação de professores de língua estrangeira frente aos novos enfoques de sua função docente. In: LEFFA, V.J. (Org.) O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. Pelotas: Educat, 2001. p.125-133.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Outras informações podem ser obtidas exclusivamente pelo e-mail revistagepfip@gmail.com

REVISTA DIÁLOGOS INTERDISCIPLINARES- GEPFIP - ISSN 23595051 (Publicação online)

A/C Profa. Ana Lúcia Gomes da Silva (Editora-chefe)

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/CPAQ

Praça Nossa Senhora da Conceição, 163, Centro - CEP: 79200-000 - Aquidauana/ MS

Telefone: +55 (67) 3241 0312