O PROFESSOR E SEU PAPEL PARA A PROMOÇÃO DA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE PARA TODOS

Daniela Cristina Barros de Souza MARCATO

Resumo


O ingresso na educação básica tem avançado no Brasil, mas ainda há crianças e adolescentes fora da escola. Aqueles que se encontram matriculados nem sempre têm acesso a uma educação inclusiva e de qualidade, ao passo que, quando se fala em como progredir em termos educacionais, especialmente em relação à inclusão, logo se pensa na figura docente. Este artigo objetiva discutir sobre uma alta responsabilização dos professores em relação à prática pedagógica e à qualidade do ensino. O docente pode realmente ser o desencadeador da mudança, contudo, para que esta ocorra, não basta que o professor revise sua prática, é preciso priorizar a educação e valorização desse profissional. Como método, optamos por uma perspectiva teórica de abordagem do tema, fruto de um estudo bibliográfico sobre escola, docência e educação de qualidade para todos. Neste sentido, discutimos a questão docente repensando em quais são suas reais demandas e papeis, especialmente diante da proposta de efetivar a educação inclusiva no Brasil. Como resultados, identificamos que os saberes experienciais dos professores assumem um lugar de importância tanto quanto os acadêmicos, podendo inaugurar importantes mudanças. Por meio do suporte adequado, os saberes compartilhados entre professores de escolas comuns e professores de educação especial podem trazer inúmeros benefícios e resultados efetivos não apenas em termos de acesso à escola, mas de ensino.

Palavras-chave


Educação de qualidade. Papel do Professor. Escola Inclusiva.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Educação/Secretaria de Educação Especial – Nota Técnica – SEESP/GAB/Nº09/2010 – Orientações para a Organização de Centros de Atendimento Educacional Especializado. Brasília – DF, 9 de abril de 2010.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ politicaeducespecial.pdf>. Acesso em: 02 de maio de 2015.

DEWEY, John. Como pensamos. Capítulo I. O que é pensar? São Paulo: Editora Nacional,1959. p.1-25.

FONTANA, Roseli Aparecida Cação.; FURGERI, Denise Krahenbuhl Paula.; PASSOS, Lorena Valsani Leme. Cenas cotidianas de inclusão: sentidos em jogo. In: GÓES, Maria Cecília Rafael de; LAPLANE, Adriana Lia Friszman de. Politicas e práticas de educação inclusiva. 3 ed. Campinas: Autores Associados, 2007. p. 149-165.

GASPARINI, Sandra Maria; BARRETO, Sandhi Maria; ASSUNÇÃO, Ada Ávila. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 189-199, maio/ago. 2005.

HOYLE, E. Teachers social backgrounds. In: The internacional encyclopedia of teaching and teacher education. Oxford: Pergamon Press. 1987.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola – teoria e prática. 4 ed. Goiânia: Editora Alternativa, 2001.

MENDES, Enicéia Gonçalves. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, p. 387-405. 2006.

NÓVOA, Antonio. Os professores na virada do milênio: do excesso dos discursos à pobreza das práticas. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v.25, n.1, p. 11-20, jan/jun.1999.

PADILHA, Anna Maria Lunardi. O que fazer para não excluir Davi, Hilda, Diogo... In: GÓES, Maria Cecília Rafael de; LAPLANE, Adriana Lia Friszman de. Politicas e práticas de educação inclusiva. 3 ed. Campinas: Autores Associados, 2007. p. 93-120.

RABELO, Lucélia Cardoso Cavalcante.; MENDES, Enicéia Gonçalves. O ensino colaborativo como proposta alternativa de formação continuada de professores para a inclusão escolar. In: Congresso Brasileiro de Educação Especial, 5, São Carlos. Anais... São Carlos: PPGEEs/UFSCar/ABPEE, 2012, p. 5602-5616.

REY, Beatriz. Os segredos da Finlândia: Os motivos que levam a educação do país a ser uma das mais reconhecidas do mundo. E os problemas que a aproximam de outras nações. Revista Educação. Seção: Educação no Mundo. Helsinque. Agosto/2011.

SACRISTÁN, José Gimeno. Consciência e Acção sobre a Prática como Libertação Profissional dos Professores. Capítulo 3. In: NÓVOA, Antonio. (Org.). Profissão Professor. Porto, Portugal: Editora Porto, 1995. p.63-92.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

ZERBATO, Ana Paula; VILARONGA, Carla Ariela Rios; MENDES, Enicéia Gonçalves. PAULINO, Vanessa Cristina. O professor de educação especial na proposta de Co-ensino no município de São Carlos: diagnóstico inicial. In: Congresso Brasileiro de Educação Especial, 5, São Carlos. Anais... São Carlos: PPGEEs/UFSCar/ABPEE, 2012, p. 3444-3457.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Outras informações podem ser obtidas exclusivamente pelo e-mail revistagepfip@gmail.com

REVISTA DIÁLOGOS INTERDISCIPLINARES- GEPFIP - ISSN 23595051 (Publicação online)

A/C Profa. Ana Lúcia Gomes da Silva (Editora-chefe)

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/CPAQ

Praça Nossa Senhora da Conceição, 163, Centro - CEP: 79200-000 - Aquidauana/ MS

Telefone: +55 (67) 3241 0312