Percursos pós-modernistas: hibridismo e simulação na ficção de Luiz Ruffato

  • Maurício Silva Universidade Nove de Julho

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar a prosa de ficção de Luiz Ruffato - em especial seu livro Flores Artificiais (2014) - sob a perspectiva do hibridismo  (considerando, em especial, o conceito de hibridismo identitário, proposto por Stuart Hall) e da simulação (considerando, em especial, o conceito de simulacro, proposto por Jean Baudrillard). A intenção desse artigo é demonstrar como a prosa de ficção de Luiz Ruffato incorpora, no plano da narrativa, mas também no da linguagem, ambos os conceitos acima aludidos, fazendo deles categorias estruturantes de sua produção ficcional.

Biografia do Autor

Maurício Silva, Universidade Nove de Julho
Doutor em Letras Clássicas e Vernáculas pela Universidade de São Paulo. Professor da Universidade Nove de Julho.

Referências

AUGÉ, Marc. Não lugares. Introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus, 2010.

BAUDRILLARD, Jean. As estratégias fatais. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

_____. A transparência do mal. Ensaios sobre os fenômenos extremos. São Paulo: Papirus, 1990.

_____. Simulacros e simulação. Lisboa: Relógio d´Água, 1991.

_____. Tela total: mito-ironias do virtual e da imagem. Porto Alegre: Sulina, 2005.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, Arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Brasiliense: São Paulo, 1986.

CANCLINI, Néstor Garcia. A sociedade sem relato. Antropologia e estética da iminência. São Paulo: Edusp, 2012.

CARNEIRO, Flávio. No país do presente: ficção brasileira no início do século XXI. Rio de Janeiro: Rocco, 2005.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade?. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença. A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000, p. 103-133.

_____. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte / Brasília: UFMG / UNESCO, 2003.

_____. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HOBSBAWM, Erich. Era dos extremos. O breve século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

HUTCHEON, Linda. Poética do pós-modernismo. História, teoria, ficção. Rio de Janeiro: Imago, 1991.

JAMESON, Frederic. A cultura do dinheiro. Ensaios sobre a globalização. Petrópolis, Vozes, 2002.

LAJOLO, Marisa. Como e por que ler o romance brasileiro. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

LUCAS, Fabio. Vanguarda, história e ideologia da literatura. São Paulo: Ícone Editora, 1985.

PINTO, Manuel da Costa. Literatura brasileira hoje. São Paulo: Publifolha, 2004.

PROENÇA FILHO, Domício. Pós-modernismo e literatura. São Paulo: Ática, 1995.

RUFFATO, Luiz. (Os sobreviventes). São Paulo: Boitempo, 2000.

_____. Eles eram muitos cavalos. São Paulo: Boitempo, 2001.

_____. Vista parcial da noite (Inferno Provisório III). Rio de Janeiro: Record, 2006.

_____. Estive em Lisboa e lembrei de você. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

_____. Flores artificiais. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

SANTOS, Jair Ferreira dos. O que é pós-moderno. São Paulo: Brasiliense, 2006.

STAROBINSKI, Jean. A melancolia diante do espelho. Três leituras de Baudelaire. São Paulo: Editora 34, 2014.

SÜSSEKIND, Flora. Literatura e vida literária: polêmicas, diários e retratos. Belo Horizonte: UFMG, 2004.

Publicado
2020-01-04
Seção
Artigos - Literatura, Estudos Comparados e Interartes