O Clube de Matemática: um espaço para a formação inicial de professores que ensinam matemática

  • Wellington Lima Cedro UFGO
  • Manoel Oriosvaldo de Moura USP
Palavras-chave: Formação de professores, Clube de Matemática, Estágio compartilhado.

Resumo

Acreditando na possibilidade dos cursos de formação inicial oferecerem oportunidade aos futuros docentes perceberem-se como professores, num processo de aplicação de práticas amparadas pela reflexão teórica, foi criado na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo o projeto de estágio Clube
de Matemática, envolvendo estudantes da Pedagogia e da Licenciatura em Matemática. Este projeto tem se constituído como um espaço de aprendizagem docente na medida em que oferece aos estagiários a oportunidade de organizar e planejar atividades de ensino; vivenciar o desenvolvimento de atividades com crianças; compartilhar seus conhecimentos e experiências; e refletir sobre sua ação pedagógica. Seu trabalho baseia-se na idéia de que a prática não pode ser abrangida por individualidades, mas é algo necessariamente compartilhado e as ações realizadas são acompanhadas por todos que fazem parte do processo. O Clube de Matemática é desenvolvido na perspectiva de atividade orientadora de ensino, uma vez que a ação primeira do estagiário deve ser a de transformar o ensino em atividade de aprendizagem para o estudante, o que exige a intencionalidade educativa. Dessa maneira, ao colocar-se na busca de
conhecimentos que lhe dêem condições de organizar o seu ensino, o futuro professor constitui-se como sujeito da atividade orientadora, convertendo-a em atividade de aprendizagem docente.

Biografia do Autor

Wellington Lima Cedro, UFGO

Professor Adjunto do Instituto de Matemática e Estatística da Universidade Federal de Goiás e membro do GEPAPe-FEUSP.

Manoel Oriosvaldo de Moura, USP

Professor Titular da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo e coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Atividade Pedagógica (GEPAPe-FEUSP). 

Referências

ALARCÃO, I. Escola reflexiva e nova racionalidade. Porto Alegre. ArtMed, 2000.

ARENDT, H, A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999.

ARAUJO, E. S. Matemática e formação em educação infantil: biografia de um projeto. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 1998.

BERNARDES, M. As ações na atividade educativa. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2000.

BRUNER, J. A cultura da educação. Tradução: Marcos A G. Domingues. Porto Alegre: Artmed Editora. 2001.

CEDRO, W. O espaço de aprendizagem e a atividade de ensino: O Clube de Matemática. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

CHARLOT, B. Da relação com o saber. Elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

CONTRERAS, J. La autonomía del profesorado. Madrid. Ed. Morata. 1997.

D’AMBRÓSIO, U. Etnomatemática, São Paulo: Ática, 1990.

DAVYDOV, V. La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico: investigación psicológica teórica y experimental. Trad. Marta Shuare. Moscú: Editorial Progreso, 1988.

DEWEY, J. Democracia y educación. Madrid: Morata, 1995.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 18 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

GARRIDO, E.; PIMENTA, S.; MOURA, M. A pesquisa colaborativa na escola como abordagem facilitadora para o desenvolvimento da profissão do professor. In: MARIN, A. (org.). Educação continuada. São Paulo: Papirus, 2000.

IMBERNÓN, F. La formación del profesorado. Barcelona. Paidós. 1997.

KINCHELOE, J. A formação do professor como compromisso político – mapeando o pós-moderno. Porto Alegre. Artes Médicas. 1998.

LEONTIEV, A. Uma contribuição à teoria do conhecimento da psique infantil In: VYGOTSKY, L. S. (et. al). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo, Ícone, 1988.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte Universitário, 1978.

LOPES, A. A aprendizagem docente no estágio compartilhado. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

MOURA, M. A atividade de ensino como unidade formadora. Bolema, vol. 2, n.12, pp. 29-43, Rio Claro, 1996a.

MOURA, M. A séria busca no jogo: do lúdico na matemática. In: KISHIMOTO, T. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 1996b.

MOURA, M. O educador matemático na coletividade de formação - uma experiência com a escola pública. Tese (livre docência). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

MOURA, M. A atividade de ensino como unidade formadora, In: CASTRO, A.; CARVALHO, A. (org.) Ensinar a ensinar. São Paulo, Pioneira, 2001.

NÓVOA, A. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote. 1992.

PERRENOUD, P. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação. Lisboa. Dom Quixote. 1992.

PIAGET, J. El nacimiento de la inteligencia en el niño. Barcelona: Crítica, 1985.

PIMENTA, S. O estágio na formação de professores - unidade teoria e prática? São Paulo. Cortez. 1994.

PIMENTA, S. Professor Reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, S.; GHEDIN, E (orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

PIMENTA, S; GARRIDO, E.; MOURA, M. La recherche en collaboration au sein de l´école: une manière de faciliter le développment du métier d´enseignant. In: NOUVEAUX, R. D. espaces de développement professionnel et organisationnel. Éditions du CRP. Québec. 2001.

SACRISTÁN, G. Poderes Instáveis em Educação. Porto alegre: Artes Médicas, 1999.

SCHÖN, D. La formación de profesionales reflexivos. Barcelona. Paidós. 1992.

TAVARES, S. A profissionalidade ampliada na atividade educativa. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2002.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-ação. São: Cortez, Autores associados, 2000.

VYGOTSKY, L. Pensamento e Linguagem. Tradução: Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

ZEICHNER, K. Formação reflexiva de Professores: idéias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.

ZEICHNER, K. Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador-acadêmico. In: FIORENTINI, D. et al (orgs.). Cartografias do Trabalho Docente. Campinas. Mercado de Letras. 1998.

Como Citar
CEDRO, W. L.; MOURA, M. O. DE. O Clube de Matemática: um espaço para a formação inicial de professores que ensinam matemática. Perspectivas da Educação Matemática, v. 3, n. 5, 11.