A Formação Intercultural para Educadores Indígenas: possibilidades e formas de resistência

  • Vanessa Sena Tomaz Faculdade de Educação da UFMG, Belo Horizonte, Brasil.
Palavras-chave: Professores Indígenas, Tensionamentos, Licenciatura Intercultural, Pesquisas

Resumo

O artigo discute os tensionamentos que ocorrem na formação dos professores indígenas em licenciatura intercultural, na habilitação em Matemática, quando outras formas de saberes e práticas, associados a grupos historicamente excluídos e subalternizados ganham força. Parte-se de resultados de pesquisas de grupos de pesquisadores indígenas e não-indígenas, dentro da temática educação intercultural indígena, fundamentadas em diferentes lentes teóricas. Discute-se as contribuições dessas pesquisas para problematizar, sustentar ou rever as propostas de formação de professores indígenas que atuam ou vão atuar em suas comunidades. Conclui-se que a formação dos professores indígenas é tensionada pelas políticas de acesso e permanência dos licenciandos na universidade, pela proposta curricular e pelas práticas docentes nas escolas das aldeias, pelos modos de vida de cada povo e pertencimento sociolinguístico e pelos limites de algumas teorias que são usadas para fundamentar as pesquisas no campo da educação escolar indígena.

Referências

ARAÚJO, M. D. “Demarcando território”: tensionamentos nas pesquisas de autoria indígena no contexto da Formação Intercultural para Educadores Indígenas (FIEI). 2019. 152 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação Conhecimento e Inclusão Social, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.
BAKHTIN, M. The dialogue imagination: four essays by M. M. Bakhtin. Austin: University of Texas Press, 1982.
BRASIL, Lei n 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Diretrizes e bases da educação nacional. MEC/Brasília, 1996.
BRASIL. Censo Demográfico da população indígena. Resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.
BRASIL. MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO. Portaria nº 389 de 09 de maio de 2013.
BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores Indígenas. Resolução n.1 de 07 de janeiro de 2015.
CAVALCANTI, M. C.; MAHER, T. M. (Orgs.) Multilingual Brazil. Language Resources, Identities and Ideologies in a Globalized World. London: Routledge, 2018.
CORREA, C. N. O barro, o genipapo e o giz no fazer epistemológico de autoria Xakriabá: reativação da memória por uma educação territorializada. 2018. 218 f., il. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília, 2018.
CORREA, E. N. Etnovisão: o olhar indígena que atravessa a lente. 2019. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Programa de Pós-graduação em Antropologia Faculdade de Ciências Sociais e Humanidades. Universidade Federal de Minas Gerais, 2019
CRAWFORD-GARRETT, K. Lacking resilience or mounting resistance? Interpreting the actions of indigenous and immigrant youth within Teach First New Zealand. American Educational Research Journal, 2018.
D’AMBROSIO, U. Etnomatemática e Educação. In: KNIJNIK, G.; WANDERER, F.; OLIVEIRA, C. J. (Orgs). Etnomatemática: currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2004, p. 39-45.
DERRIDA, J. Gramatologia. Tradução de Miriam Chnaiderman e Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 1999.
ENGESTRÖM, Y. Enriching the Theory of Expansive Learning: Lessons from Journeys towards coconfiguration. Mind, Culture, and Activity. 1/4 (1-2), p.23-39, 2007.
ENGESTRÖM, Y. Learning by expanding: An activity-theoretical approach to developmental research. 2a ed. Helsinki, Finland: Orienta-Konsultit, 2015.
ENGESTROM, Y. Wildfire activities: New patterns of mobility and learning. In. ENGESTRÖM, Y. Studies in expensive learning. Learning what is not yet there. Cambridge University press, 2016, p. 193-208.
FERREIRA, M. K. L. A educação escolar indígena: um diagnóstico crítico da situação do Brasil: In SILVA, A. L.; FERREIRA, M. K. L (Orgs). Antropologia, História e Educação: a questão indígena e a escola. São Paulo: Global, 2001. p. 71-111.
FLEWITT, R. NIND, M; PAYLER, J. “if she’s left with books she’ll just eat them”: considering inclusive multimodal literacy practices’, Early Childhood Literacy, 9 (2), 2009, p. 211-233.
GORETE N. M. Línguas em conflito em cursos de Licenciatura intercultural indígena. Trabalho e Linguística Aplicada, Campinas, n. (57.3): 1339-1363, set./dez. 2018.
KNIJNIK, G. et al. Etnomatemática em movimento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012. (Coleção Tendências em Educação Matemática, 25).
LAVE, J. Apprenticeship in Critical Ethnographic Practice. Chicago and London: The University of Chicago Press, 2011.
LEITE, L. H. A. Os professores indígenas chegam à universidade: desafios para a construção de um currículo intercultural no Brasil. Cuadernos Interculturales, Viña del Mar, Chile, v. 6, n. 10, p. 17-32. 2008LDB/1996
LUCIANO, G. J. dos S. Os saberes indígenas e a escola. É possível e desejável uma escola indígena diferenciada e intercultural? In: XV ENDIPE – Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: políticas e práticas educacionais. Apresentação oral. Belo Horizonte, 20 a 23 abril, 2010, p.1-12.
MAXAKALI, L. F. C. Tãyũmak Tikmũ’ũn yĩy ax. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso. (Licenciatura em Formação Intercultural para Educadores Indígenas). Faculdade de Educação. Universidade Federal de Minas Gerais, 2018.
MIRANDA, S. A. de. Saberes emergentes: a pesquisa com professoras indígenas. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 25, n. 1, p. 267-280, 2016.
SANNINO, A. The principle of double stimulation: A path to volitional action. Learning, Culture and Social Interaction, 6, 2015, p.1–15.
NUNES, C. de B.; VALADARES, Juarez Melgaço, & SILVEIRA JUNIOR, Célio da. O uso do calendário socioecológico na estruturação do currículo das escolas indígenas: uma proposta interdisciplinar e intercultural. Série-Estudos, Campo Grande, MS, v. 22, n. 45maio/ago. 2017, p. 79-98.
RIVERA CUSICANQUI, S. Ch’ixinakax utxiwa: una reflexión sobre prácticas y discursos descolonizadores - 1a ed. - Buenos Aires: Tinta Limón, 2010. 80 p.
STENGERS, I. The cosmopolitical proposal. In. Making Things Public: Atmospheres of Democracy. Cambridge: Ma: Mit Press, 2005, p. 994-1003.
SILVA, E. G. da. Seguindo a mandioca: saberes e práticas do sistema agrícola tradicional do povo Tupinambá. 2019. Dissertação (Mestrado em Sustentabilidade junto a P e Territórios Tradicionais) – Departamento de Antropologia (DAN), campus Darcy Ribeiro, Universidade de Brasília, 2019.
STETSENKO, A. Personhood: An activist project of historical becoming through collaborative pursuits of social transformation. New Ideas in Psychology, 30, 2012, p.144–153
TAYLOR, C. Philosophical arguments. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1995.
TOMAZ, V. S.; CAMPOS, I. S. Práticas sociais (matemáticas) de produção de um planejamento financeiro na formação de educadores indígenas. Revista Eletrônica de Educação, v. 12, n. 2, p. 556-576, maio/ago. 2018
TOMAZ, V. S.; KNIJNIK, G. Tensionamentos na formação intercultural de professores indígenas: um estudo da escola Xakriabá. Educação em Revista. v. 34, e187725, 2018, p. 1-27.
TOMAZ, V. S.; MAXAKALI, L.; SILVA, P. C. P. An Initiative of Coexistence between Hegemonic Research Practices and Other Ways of Knowledge. (submetido)
TOMAZ, V. S.; SANNINO; A.; & ENGESTRÖM, Y. Mathematics and agency: learning to manage money between indigenous and market-based logics of life. (prelo)
TUGNY, R. P. Reverberações entre cantos e corpos na escrita Tikmũ’ũn. TRANS Revista-Transcultural de Música. 15, p. 1-27, 2011.
TUHIWAI SMITH, Linda. A descolonizar las metodologías: investigación y pueblos indígenas. 1ª edição. Santiago: Lon ediciones, 2016.
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Formação Intercultural para Educadores Indígenas FIEI – REUNI. Belo Horizonte, 2009.
VIRKKUNEN, J. Hybrid agency in co-configuration work. Outlines, [S.l.], n.1, 2006, p.61-75.
VYGOTSKY, L. S. (1997). Self-control. The collected works of L. S. Vygotsky: The history of the development of higher mental functions. Vol. 4. (pp. 207–219). New York: Plenum.
WALSH, C. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político-epistémicas de refundar el Estado Tabula Rasa. Bogotá - Colombia, n.9: 131-152, julio-diciembre 2008.
WALSH, C. Interculturalidad y (de)colonialidad: perspectivas críticas y políticas. Joaçaba: Revista Visão Global. v. 15. n. 1-2. 2012. p. 61-74.
WATTS, V. Indigenous place-thought & agency amongst humans and non-humans (First Woman and Sky Woman go on a European world tour!) Decolonization: Indigeneity, Education & Society. v. 2 (1), 2013, p. 20-34.
WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. Petrópolis: Vozes, 2004.
Publicado
2020-01-14
Seção
Formação de professores que ensinam matemática em contextos de regulação e perda