A constituição de professores pesquisadores que ensinam matemática e suas identidades profissionais ativistas

  • Celi Espasandin Lopes Universidade Cruzeiro do Sul e Universidade Cidade de São Paulo
Palavras-chave: Professor pesquisador, Narrativas, Educação Matemática, Grupo colaborativo, Identidade profissional, Ensino fundamental.

Resumo

Neste artigo discute-se como dois professores que ensinam matemática se constituíram professores pesquisadores e ativistas que produziram suas dissertações a partir de suas práticas pedagógicas. Visa-se evidenciar características de suas (auto)formações, quando inseridos em um grupo de pesquisa colaborativa que os direcionou a um curso de mestrado em um Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática. Para esta discussão assume-se a perspectiva da pesquisa (auto)biográfica, que toma as narrativas de si como práticas de formação e (auto)formação, visando investigar a reflexividade autobiográfica e suas repercussões nos processos de constituição da subjetividade e da inserção social do sujeito. Discutem-se os conceitos de identidade profissional, agência e grupo colaborativo, os quais se entrelaçam no processo de desenvolvimento profissional, a partir de uma análise holística das narrativas escritas de dois professores. Evidenciam-se aspectos da sua identidade profissional docente, ao constituírem-se professores pesquisadores ativistas.

Referências

BERNSTEIN, Basil. Pedagogy, symbolic control and identity: theory, research, critique. London: Taylor & Francis, 1996.
CORRÊA, Solange A. A insubordinação criativa e o processo dialógico na educação estatística na infância. 189 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Ensino de Ciências) - Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, 2019.
D’AMBROSIO, Beatriz. Conversas matemáticas: metodologia de pesquisa ou prática professoral? In: ENCONTRO BRASILEIRO DE ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 6., 8-9 de novembro de 2002, Campinas. Anais do VI EBRAPEM, Campinas, 2002. p. 18-20.
D’AMBROSIO, Beatriz. O professor-pesquisador diante da produção escrita dos alunos. Rev. Educ. PUC-Camp., Campinas, v. 18, n. 3, p. 249-258, set./dez. 2013.
D’AMBROSIO, Beatriz; D’AMBROSIO, Ubiratan. Formação de professores de matemática: professor-pesquisador. Atos de Pesquisa em Educação – PPGE/ME FURB, Blumenau, v. 1, n. 1, p. 75-85, jan./abr. 2006.
D´AMBROSIO, Beatriz. S.; LOPES, Celi. E. Trajetórias de educadoras matemáticas. Campinas/SP: Mercado de Letras, 2014.
D'AMBROSIO, Beatriz. S.; LOPES, Celi. E. Insubordinação Criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Bolema, Rio Claro, v. 29. n. 51, p. 1-17, 2015.
DAY, C. Developing Teachers: The Challenges of Lifelong Learning. Londres: Falmer Press, 1999.
DAY, Christopher. A passion for teaching. Routledge: London, 2004.
DELORY-MOMBERGER, Christine. Fundamentos epistemológicos da pesquisa: biográfica em educação. Educ. rev. [online], v. 27, n. 1, p.333-346, 2011.
DELORY-MOMBERGER, Christine. Biografia e Educação: figuras do indivíduo-projeto. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008, pp. 69-83.
FAGUNDES, Tatiana B. Os conceitos de professor pesquisador e professor reflexivo: perspectivas do trabalho docente. Revista Brasileira de Educação, v. 21, n. 65, p. 281-298, abr./jun. 2016.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2005. 31a. ed.
FREITAS, Maria Teresa A. A pesquisa em educação: questões e desafios. Vertentes, São João del-Rei, v. 1, p. 28-37, 2007. Disponível em: Acesso em: 01 jun. 2018.
GAMBOA, S. A. S. Pesquisa qualitativa: superando tecnicismos e falsos dualismos. Contrapontos, Itajaí, v. 3, n. 3, p.393-405, set./dez. 2003. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rc/article/download/735/586. Acesso em: 12 abr. 2018.
GROSSMAN, Pamela; WINEBURG, Samuel; WOOLWORTH, Stephen. Toward a theory of teacher community. Teacher College Record, Nova York, v. 103, n. 6, p. 942-1013, 2001.
GROUNDWATER-SMITH, Susan; SACHS, Judyth. The activist professional and the reinstatement of trust. Cambridge Journal of Education, Cambridge, v. 32, n. 3, p. 341-58, nov. 2002.
LOPES, Celi E.; D'AMBROSIO, Beatriz S. Desenvolvimento profissional do professor provocando a agência e a insubordinação criativa. Ciênc. educ. (Bauru) [online]. 2016, vol.22, n.4, pp.1085-1095.
LIEBERMAN, Ann. Networks as learning communities: shaping the future of teacher development. Journal of Teacher Education, v. 51, n. 3, p. 221-227, May/June 2000.
PASSEGGI, M. C.; CUNHA, L. M. Narrativas autobiográficas: a imersão no processo de autoria. In: VICENTINI, P. P.; SOUZA, E. C.; PASSEGGI, M. C. (Org.). Pesquisa (auto)biográfica: questões de ensino e formação. Curitiba: CRV, 2013. v. 1, p. 43-57.
PASSEGI, Maria Conceição; SOUZA, Clementino de; VICENTINI, Paula P. Entre a vida e a formação: pesquisa (auto) biográfica, docência e profissionalização. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 27, n. 1, p. 369-386, abr. 2011. Disponível em: http://www.producao.usp.br/bitstream/handle/BDPI/6461/art_VICENTINI_Entre_a_vida_e_a_formacao_pesquisa_2011.pdf?sequence=1. Acesso em: 31 maio 2018.
SACHS, Judyth. The activist professional. Journal of Educational Change, Netherlands: Kluwer Academic Publishers, p.77-95, 2000.
SACHS, Judyth. The activist teaching profession. 3. ed. United Kingdom: Open University Press, 2010.
SOCHA, Rogério R. Aprendizagem probabilística de alunos do 7.° ano do Ensino Fundamental por meio de atividades de investigação. 133 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Ensino de Ciências) - Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, 2019.
WENGER, Etienne. Communities of practice: learning, meaning, and identity. Cambridge: University Press, 1998.
Publicado
2020-01-17
Seção
Formação de professores que ensinam matemática em contextos de regulação e perda