Entre contextos opressivos e reguladores: a Modelagem como possível resistência à Cultura da Performatividade

  • Régis Forner Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho
  • Ana Paula dos Santos Malheiros Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
Palavras-chave: Educação Matemática. Currículo. Paulo Freire. Educação Básica.

Resumo

Este artigo tem por objetivo refletir e discutir possibilidades de resistência à ordem opressora e reguladora que se processa no contexto educacional vigente. Para isso, partimos dos dados produzidos pelas falas de professores que participaram de um curso de formação, cujos resultados foram discutidos em uma pesquisa de doutorado. Pautados em uma abordagem qualitativa, fizemos uma releitura dos dados e evidenciamos o quanto o professor está imerso em um contexto opressivo, o qual muitas vezes nem percebe, em decorrência dos instrumentos coercitivos que existem. Entendemos a Modelagem como uma possível forma de resistência à ordem vigente, nas aulas de Matemática, no sentido de que identificamos situações-limites e propusemos inéditos-viáveis, que contemplem as necessidades dos estudantes e que sejam exequíveis para os professores. No nosso entendimento, esse movimento pode contribuir para o reconhecimento da Matemática como um instrumental para tornar o indivíduo mais crítico, reflexivo e capaz de transformar seu contexto.

Biografia do Autor

Régis Forner, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho

Doutor em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP). Professor de Matemática e Professor Coordenador na Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo. Supervisor de Ensino da Secretaria Municipal de Educação de Engenheiro Coelho-SP

Ana Paula dos Santos Malheiros, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP). Professor Assistente Doutor e Pesquisador da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP).

Referências

ALMEIDA NETO, A. S.; CIAMPI, H. A História a ser ensinada em São Paulo. Educação em Revista. Belo Horizonte, v.31. n. 01, p. 195-221, 2015.

BALL, S. J. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, v. 35. n. 126. p. 539-564, set./dez. 2005.

BALL, S. J. Performatividade, privatização e o pós-estado do bem-estar. Educação & Sociedade. Campinas. v. 25. n. 89. p. 1105-1126, set./dez. 2004.

BALL, S. J. Reformar escolas/reformar professores e os terrores da performatividade. Revista Portuguesa de Educação, ano/v. 15, n. 2, Universidade do Minho, Braga – Portugal, p.3-23, 2002.

BELEI, R. A.; GIMENIZ-PASCHOAL, S. R.; NASCIMENTO, E. N.; MATSUMO, P. H. V. R. O uso de entrevista, observação e videogravação em pesquisa qualitativa. Cadernos de Educação, FaE/PPGE/UFPel, Pelotas, v. 30, p. 187 - 199, jan./jun. 2008.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2017.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução M. J. Alvarez, S. B. Santos e T. M. Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

CANDAU, V. M. Currículo, Didática e formação de professores: uma teia de idéias-força e perspectivas e futuro. In: OLIVEIRA, M. R. N. S. PACHECO, J. A. (Orgs.). Currículo, Didática e Formação de Professores. Campinas: Papirus, 2013. p. 7-19.

CEOLIM, A. J.; CALDEIRA, A. D. Modelagem Matemática na Educação Matemática: obstáculos segundo professores da Educação Básica. Educação Matemática em Revista, ano 20, n. 46, p. 25-34, set. 2015.

CRECCI, V. M.; FIORENTINI, D. Gestão do currículo de Matemática sob diferentes profissionalidades. Bolema, Rio Claro, v. 28, n. 49, p. 601-620, ago. 2014.

D´AMBROSIO, B. S.; LOPES, C. E. Insubordinação criativa de educadoras matemáticas evidenciadas em suas narrativas. In: CONFERENCIA INTERAMERICANA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, XIV, 2015, Tuxtla Gutierrez. Anais…Tuxtla Gutierrez: XIV CIAEM, 2015. v. único. p. 1-12.

FANIZZI, S. Políticas Públicas Educacionais pela abordagem de Stephen Ball. In.: GODOY, E. V.; SILVA, M. A.; SANTOS, V. M. (Orgs.). Currículos de Matemática em Debate: questões para políticas educacionais e para a pesquisa em Educação Matemática. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2018.

FORNER, R. Modelagem Matemática e o Legado de Paulo Freire: relações que se estabelecem com o currículo. 2018. 200 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2018.

FORNER, R. Paulo Freire e Educação Matemática: reflexos sobre a formação de professores. 2005. 193 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas, 2005.

FORNER, R.; OECHSLER, V.; HONORATO, A. H. A. Educação Matemática e Paulo Freire: entre vestígios e imbricações. Inter-Ação, Goiânia, UFG, v. 42, n. 3, p. 744-763, set./dez. 2017.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Centauro, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 49ª Reimpressão. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. A educação na cidade. 7.ed. São Paulo: Cortez, 2006.

GALIAN, C. V. A.; SANTOS, V. M. Concepções em Disputa nos Debates sobre a BNCC: Educação, Escola, Professor e Conhecimento. In: GODOY, E. V.; SILVA, M. A.; SANTOS, V. M. (Orgs.). Currículos de Matemática em Debate: questões para políticas educacionais e para a pesquisa em Educação Matemática. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2018. p. 165-187.

GIROUX, H. A. SIMON, R. Cultura popular e pedagogia crítica: a vida cotidiana como base para o conhecimento curricular. In: MOREIRA, A. F. TADEU, T. Currículo, cultura e sociedade. 12. Ed. São Paulo: Cortez, 2013. p. 107-140.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: Como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2004.

HONORATO, A. H. A. Modelagem matemática e o material didático do Estado de São Paulo: diálogos em um trabalho com licenciandos. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE), Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro - SP, 2016.

MALHEIROS, A. P. S. Contribuições de Paulo Freire para uma compreensão da Modelagem na Formação Inicial de Professores de Matemática. Boletim do GEPEM, v. 64, p. 1-12, 2014.

MEYER, J. F. C. A.; CALDEIRA, A. D.; MALHEIROS, A. P. S. Modelagem em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

MOREIRA, A. F. B. A cultura da perfomatividade e a avaliação da pós-graduação em educação no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 25, n. 3, p. 23-42, dez. 2008.

MOREIRA, A. F. B. Em busca da autonomia docente nas práticas curriculares no Brasil. In: Oliveira, Maria Rita N. S. Pacheco, José Augusto (Orgs.). Currículo, Didática e Formação de Professores. Campinas: Papirus, 2013. p. 69-96.

PALANCH, W. B. L.; FREITAS, A. V. Políticas Públicas para a Educação: a BNCC e os processos de atualização curricular da cidade de São Paulo. In.: GODOY, E. V.; SILVA, M. A.; SANTOS, V. M. (Orgs.). Currículos de Matemática em Debate: questões para políticas educacionais e para a pesquisa em Educação Matemática. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2018. p. 217-226.

SACRISTÁN, J. G. Dez Teses sobre a aparente utilidade das competências em educação. In: GÓMEZ, Á. I. P.; RODRÍGUEZ, J. B. M.; SANTOMÉ, J. T.; RASCO, F. Â.; MÉNDEZ, J. M. Á. Educar por Competências: o que há de novo. Porto Alegre: Artmed, 2011. p. 13-63.
SANTOS, L. L. C. P. Formação de professores na cultura do desempenho. Revista Educação & Sociedade. Campinas, v. 25, n. 89, p. 1145-1157, set./dez. 2004.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Ensino Fundamental. Currículo Paulista: Matemática e suas Tecnologias. Versão 2.0. Disponível em: . Acesso em: 09 abr 2019.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Matemática e suas tecnologias / Secretaria da Educação. 1.ed. Atual. São Paulo: SE, 2012.

SILVEIRA, E.; CALDEIRA, A. D. Modelagem em sala de aula: resistências e obstáculos. Bolema, Rio Claro, v. 26, n. 43, p. 1021-1047, ago. 2012.
Publicado
2020-01-17
Seção
Formação de professores que ensinam matemática em contextos de regulação e perda