Caravelas à Vista: Giros Decoloniais e Caminhos de Resistência na Formação de Professoras e Professores que Ensinam Matemática

  • Victor Giraldo Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática e Programa de Pós-Graduação em Educação – Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Filipe Santos Fernandes Programa de Pós-Graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social – Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Colonialidade. Decolonialidade. Educação Matemática. Formação de Professores que Ensinam Matemática.

Resumo

Este ensaio assume uma opção decolonial para debater a formação de professoras e professores que ensinam matemática. Articulando onze estudos aceitos no GT19 – Educação Matemática, da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação (ANPEd), na ocasião de sua da 39ª Reunião Nacional, foi possível discutir traços e efeitos de colonialidade que se manifestam na formação de professoras e professores que ensinam matemática, apontando relações de poder, regulações e movimentos de resistência envolvidos nos espaços e tempos que compõem diferentes processos formativos. Para apresentar essa discussão, propomos três eixos que, em nossa interpretação pautada na decolonialidade, atravessam essas relações, possibilitando a construção de caminhos de resistência: coletivos docentes como espaços de resistência; metodologias em diálogos com saberes; e matemática como desobediência político-epistêmica. Esperamos que este ensaio nos desafie a assumir posições ativas, evidenciando papéis que a escola e a universidade têm exercido como instrumentos de um projeto de poder hegemônico de padrões coloniais; mas que também contribua para a construção de posicionamentos, posturas e horizontes de resistência, de transgressão, de intervenção e de insurgência no contexto da formação de professoras e professores que ensinam matemática.

Referências

Artigos aceitos para o Trabalho Encomendado no GT19 na 39ª Reunião Nacional da ANPEd

AMARIS-RUIDIAZ, P.; SILVA, M. A. Resistindo ao rosto que seduz e captura: um diagnóstico sobre a formação de professores que ensinam matemática, a partir do pensamento de Deleuze e Foucault. Perspectivas da Educação Matemática, v. 12, n. 30, p. 583-597, 2019.

CAMMAROTA, G.; ROTONDO, M. S.; CLARETO, S. Formação docente: exercício ético estético político com matemáticas. Perspectivas da Educação Matemática, v. 12, n. 30, p. 679-694, 2019.

DE PAULA, E. F.; CYRINO, M. C. C. T. Identidade profissional de (futuros) professores que ensinam matemática: uma insubordinação criativa em tempos de resistência. Perspectivas da Educação Matemática, v. 12, n. 30, p. 636-653, 2019.

FORNER. R.; MALHEIROS, A. P. S. Entre contextos opressivos e reguladores: a modelagem como possível resistência à cultura da performatividade. Perspectivas da Educação Matemática, v. 12, n. 30, p. 538-558, 2019.

GOMES, D. O.; CHISTÉ. B. S.; GONDIM, D. M. Contextos e sem-textos: uma formação de professoras (de matemática) para todos e para ninguém. Perspectivas da Educação Matemática, v. 12, n. 30, p. 695-708, 2019.

LOPES, C. E. A constituição de professores pesquisadores que ensinam matemática e suas identidades profissionais ativistas. Perspectivas da Educação Matemática, v. 12, n. 30, p. 598-611, 2019.

MATOS, D.; QUINTANEIRO, W. Lugares de resistência na formação inicial de professores: por matemática(s) decoloniais. Perspectivas da Educação Matemática, v. 12, n. 30, p. 559-582, 2019.

NACARATO, A. M.; CUSTÓDIO, I. A.; MOREIRA, K. G. Todos juntos somos fortes: compartilhando narrativas de práticas de professoras que ensinamaprendem nos anos iniciais. Perspectivas da Educação Matemática, v. 12, n. 30, p. 519-537, 2019.

SANTOS, J. R. V.; CORRÊA, J. F. Formação de professores de matemática e circuito de afetos: o desamparo como possibilidade para formações sem intenção de formar. Perspectivas da Educação Matemática, v. 12, n. 30, p. 612-635, 2019.

TOMAZ, V. S. A formação intercultural para educadores indígenas: possibilidades e formas de resistência. Perspectivas da Educação Matemática, v. 12, n. 30, p. 654-678, 2019.

ZAIDAN, S. Transdisciplinaridade, ensino e formação de professores de matemática. Perspectivas da Educação Matemática, v. 12, n. 30, p. 502-518, 2019.


(Demais) Referências

CASTRO-GÓMEZ, S. Decolonizar la universidad. La hybris del punto cero y el diálogo de saberes. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGEL, R. (Eds.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidade epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007. p. 79-92.

CLARETO, S. M. Terceiras Margens: um estudo etnomatemático de espacialidades em Laranjal do Jari (Amapá). Tese de Doutorado em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 2003.

COCHRAN-SMITH, M.; LYTLE, S. Relationships of knowledge and practice: teacher learning in communities. Review of Research in Education, London, n. 24, p. 249-305, 1999.

DUSSEL, E. 1492: El encubrimiento del Otro. Hacia el origen del mito de la Modernidad. Madrid: Nueva Utopía, 1992.

FANON, F. Pele Negra, Máscaras Brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERNANDES, F. S.; ARAÚJO, P. H. S.; COSENZA, L. H. C. A. Didática Especial e História da Educação Matemática: Contribuições de um estudo sobre a formação de professores de matemática na Faculdade de Filosofia de Minas Gerais (Belo Horizonte, 1941-1954). Acta Scientiae, Canoas (RS), v. 21, n. especial, p. 123-136, maio/jun. 2019.

FIORENTINI, D. Learning and professional development of the mathematics teacher in research communities. Journal of Education, v. 1, n. 3, p. 152-181, 2013.

GIRALDO, V. Formação de professores de matemática: para uma abordagem problematizada. Ciência & Cultura, v. 70, p. 37-42, 2018.

GIRALDO, V.; QUINTANEIRO, W.; MOUSTAPHA, B.; MATOS, D.; MELO, L.; MENEZES, F.; DIAS, U.; COSTA NETO, C.; RANGEL, R.; CAVALCANTE, A.; ANDRADE, F.; MANO, V.; CAETANO, M. Laboratório de práticas matemáticas para o ensino. In: OLIVEIRA, A. M. O; ORTIGÃO, M. I. R. (Eds.). Abordagens Teóricas e Metodológicas na Pesquisa em Educação Matemática. Brasília: SBEM, 2018. p. 186-209.

GOMES, M. L. M. Os 80 anos do primeiro curso de Matemática brasileiro: sentidos possíveis de uma comemoração acerca da formação de professores no Brasil. BOLEMA, Rio Claro (SP), v. 30, n. 55, p. 424-438, ago. 2016.

LANDER, E. Pensamiento crítico latinoamericano: la impugnación del eurocentrismo. Revista de Sociologia, n. 15, p. 13-25, 2001.

MALDONADO-TORRES, N. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGEL, R. (Eds.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidade epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007, p. 127-168.

MATOS, D. Experiências com Matemática(s) na Escola e na Formação Inicial de Professores: Desvelando Tensões em Relações de Colonialidade. Tese de Doutorado em Ensino e História da Matemática e da Física, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2019.

MIGNOLO, W. D. Colonialidade: o lado mais obscuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 94, p. 1-18, jun. 2017.

MOREIRA, P. C.; FERREIRA, A. C. O Lugar da Matemática na Licenciatura em Matemática. BOLEMA, Rio Claro (SP), v. 27, n. 47, p. 981-1005, dez. 2013.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder y clasificación social. Journal of World Systems Research, v. VI, n. 2, p. 342-386. 2000.

RAMALHO, F.; PORTA, L. Las historias en la educación y los otros mundo posibles. Revista Interinstitucional Artes de Educar, Rio de Janeiro (RJ), v. 3, n. 3, p. 238-271, jan. 2018.

SUCUPIRA, N. Da Faculdade de Filosofia à Faculdade de Educação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 51, n. 114, p. 261-276. 1969.

TARDIF, M.; LESSARD, C.; LAHAYE, L. Os professores face ao saber: esboço de uma problemática do saber docente. Teoria e Educação, v. 4, p. 215-233, 1991.

SANTOMÉ, J. T. Políticas educativas y construcción de personalidades neoliberales y neocolonialistas. Madri: Morata, 2017.

WALSH, C. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político-epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rasa, n. 9, p. 131-152. 2008.

WALSH, C. Interculturalidad y (de)colonialidad: ensayos de Abya-Yala. Quito: Abya-Yala, Instituto Científico de Culturas Indígenas, 2012.

WALSH, C. Lo pedagógico y ló decolonial: entretejiendo caminos. In: WALSH, C. (Org.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito: Abya Yala, p. 23-68, 2013.

WALSH, C. ¿Interculturalidad y (de)colonialidad? Gritos, grietas y siembras desde Abya Yala. In: DINIZ, A. G.; PEREIRA, D. A. (Coords.). Poéticas y políticas da linguagem em vías de descolonização. Foz Iguaçu: Universidad de Integración Latinoamericana, 2017, p. 19-53.
Publicado
2020-01-17
Como Citar
Victor Giraldo, & Filipe Santos Fernandes. (2020). Caravelas à Vista: Giros Decoloniais e Caminhos de Resistência na Formação de Professoras e Professores que Ensinam Matemática. Perspectivas Da Educação Matemática, 12(30), 467-501. Recuperado de https://periodicos.ufms.br/index.php/pedmat/article/view/9620
Seção
Formação de professores que ensinam matemática em contextos de regulação e perda